Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/81699
Title: Estado de Direito e Justiça Histórica: A Guerra Colonial Portuguesa
Authors: Martins, Bruno Sena 
Issue Date: 2018
Publisher: Tirant Lo Blanch
Serial title, monograph or event: Estado & Constituição : o "fim" do Estado de Direito
Place of publication or event: Florianópolis
Abstract: Nas sociedades cujos conceitos de direito e justiça repousam numa matriz eurocêntrica, encontramos, reiteradamente, enquanto traço característico, uma profunda omissão da violência colonial que forjou o sistema-mundo moderno (Wallerstein, 1974) encetado pela expansão europeia. Essa matriz eurocêntrica de modo algum se reduz à Europa ou ao que comummente chamamos de Ocidente, pelo contrário, ela é muito evidente, igualmente, nos lugares em que a hegemonia dos valores coloniais deixou por herança relações de hierarquia, marcadamente racializadas e monoculturalistas, produzidas pelo nexo colonial-capitalista. A espessura histórica do colonialismo e dos processos coloniais constituem, na verdade, uma evidência de que toda a justiça se inscreve numa historicidade que deve fazer viajar a noção de direito fundamental às injustiças históricas que sob ele se ocultam. A gramática dos direitos humanos, quando o humano é tido como dado impassível de discussão, a despeito das formas de constituição de sub-humanos, é disso um exemplo. Assim, a luta por gramáticas de dignidade terá que questionar as formas de ser “menos humano” reproduzidas pelo “universalismo estreito” dos direitos humanos hegemónicos. O direito a ser humano é uma luta política fundamental contra a permanência do nexo colonial-capitalista-patriarcal e das práticas de divisão que a modernidade inaugurou. A consagração de denominadores mínimos de direitos humanos, conquanto congruentes com a ordem global individualista, neoliberal e nortecêntrica, opera como parte da hegemonia na determinação dos humanos com direitos a terem direitos. A centralidade da justiça histórica pelo colonialismo, o quanto foi constituído ora como resistência anticolonial e o quanto se hibridou com a cultura do colonizador; e, finalmente, assumir que as ciências sociais precisam de ser descolonizadas na medida em que assentam nos privilégios e nas prerrogativas científicas fundados na hegemonia global do paradigma económico e cultural da modernidade ocidental. No âmbito deste texto, procuramos enfatizar a atualidade da violência colonial a partir experiência de Portugal enquanto um império colonial em África, nas décadas de 1960 e 1970. Em particular, procuramos centrar-nos na Guerra Colonial (1961-1974) a partir de alguns dos seus protagonistas vivos, os Deficientes das Forças Armadas, veteranos de guerra que combateram por Portugal e que regressam à “metrópole” após finda a guerra. Neste movimento, exploramos dois tipos de paradoxos. O primeiro diz respeito ao modo como expomos a força e atualidade da violência colonial a partir de sujeitos improváveis, não as vítimas negras do colonialismo, mas os soldados brancos que estiveram ao serviço de uma força militar colonial. O segundo corresponde ao modo como nos sujeitos que adquiriram deficiência e que, que reclamarem os seus direitos como cidadãos portugueses, expõem a violência colonial que dividiu e continua a dividir o mundo entre cidadãos metropolitanos e cidadãos colonizados. Num fôlego tão anacrónico como absurdo, a Guerra Colonial pode ser entendida como o corolário da violência perpetrada pelo projeto colonial que o Estado Português promoveu. O facto de muitos dos contornos e misérias dessa guerra permanecerem desconhecidos no espaço público português – assim como no Norte global – constitui, em larga medida, um indicador do “silêncio colonial” em que assenta a nossa conceção de direitos.
Description: XIª Reunião da Rede de Pesquisa Estado & Constituição, UNICHRISTUS – PPGD, 28-30 set. 2017
URI: http://hdl.handle.net/10316/81699
ISBN: 978-85-9477-208-4
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Livros e Capítulos de Livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Estado de direito e justica historica.pdf1.34 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

177
checked on Jul 27, 2021

Download(s)

72
checked on Jul 27, 2021

Google ScholarTM

Check

Altmetric


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.