Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/79676
Title: Alterações cognitivas na esclerose múltipla
Authors: Ferreira, Maria do Céu Fernandes 
Orientador: Sousa, Lívia Maria Abreu Freire Diogo
Batista, Sónia Raquel Marques
Keywords: Esclerose múltipla; Perturbações da cognição
Issue Date: Feb-2011
Abstract: Multiple sclerosis is a chronic inflammatory demyelinating disease of the central nervous system. Its clinical expression is variable resulting from lesions that can occur in various locations of the central nervous system, involving not only the white matter as previously thought, but also cortical and subcortical gray matter. Classically it was believed that the cognitive dysfunction associated with multiple sclerosis was a rarity or occurred only in advanced stages of disease. However, recent studies have unequivocally demonstrated their presence at an early stage of the disease, with variable severity. In this context, some authors recommend the performance of neuropsychological tests very early at the diagnosis and then on a regular basis. Recently, cognitive dysfunction has been proposed as a potential criterion in the early diagnosis of multiple sclerosis and to be included in the current diagnostic criteria for multiple sclerosis (McDonald 2005). Concurrently, the importance of non-conventional imaging studies has been increasingly recognized, since they have permitted to reveal subclinical neuronal injury and cortical neuroplasticity phenomena. In this review we discuss the current concepts regarding the pathophysiology of multiple sclerosis-related cognitive dysfunction and its potential value for diagnosis and prognosis.
A esclerose múltipla é uma doença inflamatória crónica e desmielinizante do sistema nervoso central. A sua expressão clínica é variável resultando de lesões que podem ocorrer em vários locais do sistema nervoso central, com envolvimento não apenas da substância branca como se pensava, mas também da substância cinzenta cortical e subcortical. Classicamente considerava-se que a disfunção cognitiva associada à esclerose múltipla era uma raridade ou acontecia exclusivamente em estadios avançados da doença. No entanto, estudos recentes têm demonstrado inequivocamente a sua presença numa fase precoce da doença com espectro de gravidade variável. Neste contexto, alguns autores recomendam a realização de baterias neuropsicológicas actualmente ainda não realizáveis por rotina, logo aquando do diagnóstico e posteriormente de uma forma regular. Recentemente, a disfunção cognitiva tem sido proposta como potencial critério auxiliar no diagnóstico precoce de doença e a incorporar nos critérios de diagnóstico actuais de esclerose múltipla (McDonald 2005). Paralelamente, nos últimos anos tem-se constatado a importância dos estudos de imagiologia não convencional, os quais têm permitido demonstrar a presença de lesão neuronal em fase subclínica e a neuroplasticidade cortical associada. Nesta revisão serão abordados os conceitos actuais referentes à fisiopatologia da disfunção cognitiva associada à esclerose múltipla, bem como o seu potencial valor no diagnóstico e prognóstico da doença.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina àrea científica de Neurologia, apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/79676
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Trabalho final.pdf380.33 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

200
checked on Nov 25, 2021

Download(s) 50

427
checked on Nov 25, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.