Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32993
Title: A dignidade das pertenças e os limites do neoliberalismo: catástrofes, capitalismo, Estado e vítimas
Authors: Mendes, José Manuel 
Keywords: Catástrofe; Estado; Capitalismo e neoliberalismo; Vítimas; Performatividade
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Serial title, monograph or event: Sociologias
Volume: 18
Issue: 43
Place of publication or event: Porto Alegre
Abstract: Neste artigo aborda-se a forma como as catástrofes revelam a lógica de funcionamento e de atuação do capitalismo, e como, no limite, os Estados são o garante último de apoio e de reconstituição dos laços sociais e das comunidades, após a ocorrência de um desastre. Argumenta-se que o Estado é o mediador e o recurso de última instância legitimador da integração das sociedades no capitalismo global, e que a linha abissal que define os integrados e os descartáveis ou invisíveis percorre tanto o Sul como as pequenas colónias do Norte, tanto as lógicas de regulação/emancipação como as de apropriação/violência que existem tanto no Norte como no Sul globais. O artigo está estruturado em três partes. Numa primeira, procede-se a uma discussão sobre as novas formas que assumem o capitalismo avançado e o neoliberalismo. Numa segunda parte, discute-se criticamente a noção de risco, e como as catástrofes podem ser reveladoras da lógica do capitalismo e dos limites do neoliberalismo. A terceira parte centra-se no papel das vítimas e dos afetados, e na forma como estes exigem uma análise baseada na performatividade, para além da biopolítica de Michel Foucault ou dos regimes de exceção de Giorgio Agamben.
Colonial prejudice is the key to understanding the difficulty that Europe has in le- arning from the world, that is, to recognise histories, practices, knowledges and solutions beyond the, allegedly universal, history and theories produced in the West. At a time when multiple crises loom over Europe, there appears to be a window of opportunity to, under global learnings and reciprocal recognitions, Europe open up to learn from the South, surpassing the abyssal thinking of modernity. This paper seeks to understand the conditions for global learnings enabling the reinvention of Europe. The argument is threefold: first, Europe’s place in the world is analysed, considering the height of its colonial power and the postcolonial world we live in today; second, the conditions that can allow a new vision of a Europe, from the present that is outside it; finally, examples of mutual learnings in four thematic areas are presented: human rights, economy, democracy and constitutionalism.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32993
ISSN: 1517-4522
1807-0337
DOI: 10.1590/15174522-018004303
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Artigos em Revistas Internacionais

Show full item record

SCOPUSTM   
Citations

1
checked on May 29, 2020

Page view(s) 50

493
checked on Aug 3, 2022

Download(s) 50

289
checked on Aug 3, 2022

Google ScholarTM

Check

Altmetric

Altmetric


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.