Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32959
Title: Vitamina D
Authors: Ferreira, Ana Carolina Freitas Reis 
Orientador: Carvalheiro, Manuela
Bastos, Margarida
Keywords: Vitamina D; Osteomalacia; Idoso
Issue Date: 2013
Abstract: O atual interesse em torno da vitamina D é motivado por duas forças impulsionadoras: a tendência de agravamento mundial da insuficiência nutricional da vitamina D, sendo já reconhecida como um problema de saúde pública e os recentes achados acerca das suas ações endócrinas e não hormonais. O impacto da hipovitaminose D é, então, alvo de imensos estudos, que visam não só aferir os grupos de maior incidência, os seus fatores de risco e as suas consequências clínicas, como também avaliar a metodologia diagnóstica mais adequada e a potencial resolução deste défice, através da suplementação de vitamina D. Objetivos Neste trabalho, pretende-se reunir os mais recentes conhecimentos no âmbito da deficiência da vitamina D, através de uma pesquisa detalhada da Literatura consagrada e indexada, com recurso a bases de dados e artigos de referência. Desenvolvimento A vitamina D é uma pró-hormona, obtida por síntese endógena cutânea ou por fonte dietética, cujo metabolito ativo desempenha ação fundamental na remodelação esquelética e equilíbrio fosfo-cálcico. Para além disso, é provável que esta vitamina seja operacional em outros cinco sistemas fisiológicos, gerando importantes respostas biológicas: muscular, imunológico, cardiovascular, neurológico e ginecológico. Do mesmo modo, reconhece-se uma função de relevo da vitamina D, no controlo do ciclo celular e no processo patológico do cancro. A fonte major de vitamina D é a luz solar e, na ausência dessa fonte, é difícil ou mesmo impossível obter uma quantidade adequada de vitamina D da dieta, para satisfazer as necessidades do corpo. O status corporal da vitamina D é preferencialmente estudado através do doseamento de calcifediol: concentrações inferiores a 20ng/ml traduzem uma deficiência. A suplementação, sob a forma de ergocalciferol ou colecalciferol, constitui a melhor solução terapêutica para a deficiência de vitamina D no homem, sendo segura e de baixo custo. Existem escassos relatos acerca da sua toxicidade. Conclusões De acordo com os atuais conhecimentos, a suplementação de vitamina D está apenas indicada para a resolução e prevenção dos distúrbios osteometabólicos a si associados, sendo ainda prematuro assegurar algum papel preventivo, noutras patologias crónicas. Além disso, a investigação orientada sobre os benefícios do rastreio populacional da hipovitaminose D deve continuar, de modo a que sejam demonstradas estratégias com viabilidade e custo-eficácia, bem como vantagens em termos de resultados com impacto na saúde. Assim, é ainda precoce recomendar o rastreio em larga escala, estando este apenas indicado a grupos de risco específicos.
The current interest surrounding vitamin D is motivated by two driving forces: the aggravation trend of vitamin D global nutritional insufficiency, which is now recognized as a public health problem and the recent findings about their hormonal and non hormonal actions. Thereby, the hypovitaminosis D impact is a huge target of many studies that aim to assess not only the groups with the highest incidence, its risk factors and its clinical consequences, as well as evaluating the most appropriate diagnostic methodology and potential resolution of this deficit through supplementation of vitamin D. Objective This work is intended to bring together the latest knowledge in the context of vitamin D deficiency, via a detailed survey of the devoted and indexed literature using databases and reference articles. Development Vitamin D is a prohormone, obtained of dietary source or by endogenous skin synthesis, whose active metabolite plays fundamental action in skeletal remodeling and phosphocalcic balance. In addition, it is likely that this vitamin is operating in five other physiological systems, generating significant biological responses: muscle, immune, cardiovascular, neurological and gynecological. Similarly, it is recognized a relevant function of vitamin D in cell cycle control and cancer disease process. The vitamin D major source is sunlight and in the absence of such source is difficult or even impossible to obtain an adequate amount of vitamin D in the diet, to meet the body's needs. The body's vitamin D status is preferably studied by dosing calcifediol: concentrations below 20ng/ml reflect a deficiency. The supplementation in the form of ergocalciferol or cholecalciferol is the best solution for the vitamin D deficiency treatment in man and is safe and low cost. There are few reports about its toxicity. Conclusion According to current knowledge, vitamin D supplementation is indicated only for prevention and resolution of associated osteometabolic disorders and it’s still premature to ensure some preventive role in other chronic conditions. Moreover, research on the benefits of targeted screening population of hypovitaminosis D should continue to create strategies with feasibility and cost-effectiveness as well as having an impact on health outcomes. Thus, it is early to recommend screening on a large scale, so that is only indicated in specific risk groups.
Description: Trabalho de mestrado integrado em Medicina area científica de Endocrinologia, apresentado á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/32959
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
CORPO TESE.pdf573.96 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 5

1,035
checked on Oct 20, 2020

Download(s) 1

10,498
checked on Oct 20, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.