Title: Reconstrução crítica do Anfiteatro Romano de Conímbriga
Authors: Medeiros, Miguel Lopes Frazão de 
Keywords: Anfiteatro romeno, Conímbriga
Issue Date: Jul-2016
Abstract: Foi há mais de dois mil anos que a cidade romana de Conimbriga ganhou uma maior dimensão, tanto a nível económico como a nível urbanístico. Foi construída uma série de edifícios e equipamentos públicos que melhoraram o nível de vida do povoado. A cidade sofreu, com o passar dos séculos, várias modificações até à sua invasão pelos Bárbaros que, à segunda tentativa, no ano de 468, conquistam a cidade. Conimbriga, foi vítima de várias invasões até ao século VIII (invasão árabe), no entanto, em 878, com a reconquista do território de Coimbra por D. Afonso III das Astúrias, o oppidum de Conimbriga foi abandonado pelos poucos habitantes que ainda viviam nas ruínas. Estes esconderam-se durante toda a idade média numa aldeia por eles fundada, a norte do planalto, que mais tarde viria a chamar-se de Condeixa e, posteriormente, renomeada para Condeixa-a-Velha. É precisamente nesta aldeia onde estão localizadas as ruínas do Anfiteatro Romano de Conimbriga. Estas, compostas por dois conjuntos de três abóbadas em cada extremo do eixo maior, implantam-se numa bacia topográfica com uma pendente de 15 metros em relação ao topo do planalto. A proposta da Reconstrução Crítica do Anfiteatro Romano de Conimbriga assenta sobre as ruínas, criando uma nova volumetria que interpreta o antigo anfiteatro. Esta nova estrutura vem resolver vários problemas do sítio arqueológico, tais como: recuperar o perímetro da muralha augusta, o que dá outras leituras a Conimbriga; reforçar o antigo percurso de ligação pela costa a Lisboa; criar um equipamento urbano que permite a realização de espetáculos de vários tipos; permitir uma leitura mais clara sobre os processos de apropriação do anfiteatro após o século IV, através da construção de habitações sobre o edifício. Para além disso, este projeto justifica-se pela necessidade de uma melhor articulação dos percursos de visita integrando Condeixa-a-Velha. Este novo edifício, que interpreta a ruína e a implantação excecional do antigo anfiteatro romano de Conimbriga, para além de ter autonomia própria, insere-se numa estratégia global de intervenção no sítio arqueológico.
Over two thousand years ago, the Roman city of Conimbriga gained a larger dimension, both at economical and urbanistic levels. A series of buildings and public facilities were built, improving the living standards. The city suffered, over the centuries, several modifications until its invasion by the Barbarians, who conquered the city, at the second attempt, in the year 468. Conimbriga, suffered several invasions to the eighth century (arab invasion), however, in 878, with the reconquest of the territory of Coimbra by King Afonso III of Asturias, the oppidum of Conimbriga was abandoned by the few people that still lived in the ruins. They lurked throughout the Middle Ages in a village they founded, north of the plateau, later called Condeixa, and afterwards renamed Condeixa-a-Velha. It is precisely in this village where the ruins of the Roman Amphitheatre of Conimbriga are located. These, consisting of two sets of three vaults at each end of the major axis, are implanted in a topographic bowl with a slope of 15 meters from the top of the plateau. The proposal of the Critical Reconstruction of the Roman Amphitheatre of Conimbriga is based on the ruins, creating a new volumetry that interprets the ancient amphitheater. This new structure solves several problems of the archaeological site, such as: retrieve the perimeter of the augustian walls, which gives other viewing points of Conimbriga; strengthening the ancient connection route along the coast to Lisbon; creating an urban equipment that allows the realization of shows of various types; allowing a clearer reading on the amphitheater appropriation processes after the fourth century, through the construction of dwellings on the building. Furthermore, this project is justified by the necessity of a better articulation of visit courses integrating Condeixa-a-Velha. This new building, which interprets the ruin and the exceptional implementation of the ancient Roman Amphitheater of Conimbriga, besides having its own autonomy, is part of a global intervention strategy over the archaeological site.
Description: Dissertação de Mestrado integrado em Arquitectura, apresentada ao Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32923
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCTUC Arquitectura - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Reconstrução Crítica do Anfiteatro Romano de Conimbriga - Miguel Medeiros.pdf93.63 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.