Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32788
Title: O papel de Portugal no processo de transição para a independência de Angola (1974-1976)
Authors: Esteves, Maria Teresa Pereira 
Orientador: Freire, Maria Raquel
Nascimento, Daniela
Keywords: Portugal; Angola; Descolonização; Independência; Autodeterminação
Issue Date: 26-Sep-2016
Publisher: FEUC
Serial title, monograph or event: O papel de Portugal no processo de transição para a independência de Angola (1974-1976)
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Esta dissertação propõe-se analisar o papel de Portugal no processo de transição para a independência de Angola entre 1974 e 1976 no contexto externo do período pós Segunda Guerra Mundial (1945) e Guerra Fria (1945-1991) e no contexto interno português, que abrange o período pré revolucionário, o golpe militar do 25 de Abril de 1974 e o período de transição (1974-1976). O período posterior ao Acordo de Alvor será exposto no último capítulo. A abordagem será feita segundo a leitura de três modelos teóricos das Relações Internacionais: Realismo neoclássico, Sistemas-mundo e Teoria Pós colonial. O argumento desta tese é o de que não houve real autodeterminação dos povos de Angola porque Portugal entregou o poder a Movimentos não representativos das populações e favoreceu o MPLA. O conceito de autodeterminação é analisado segundo a perspectiva dos três modelos teóricos que se complementam para validar a hipótese e confirmar o argumento. Como metodologia, são utilizadas fontes primárias e secundárias que permitem uma análise qualitativa dos resultados. Os dados da análise permitiram concluir que a política externa portuguesa para Angola, durante o período de transição, foi determinada sobretudo por factores estruturais como a conjuntura da Guerra Fria, embora os factores de ordem interna relacionados com as percepções, ideias e ideologias também tenham sido relevantes. Em consequência da actuação do Estado português, condicionada por factores externos e internos, a autodeterminação dos povos não se realizou porque houve uma apropriação do conceito por parte dos diversos actores (Movimentos nacionalistas, Estados, Organizações Internacionais) que o instrumentalizaram com o fim de aumentar o seu poder no sistema internacional.
Description: Dissertação de mestrado em Relações Internacionais (Estudos da Paz e da Segurança), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Maria Raquel Freire e Daniela Nascimento.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32788
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE_papel_Portugal_independência_Angola_ 1974-1976.pdf724.35 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

582
checked on Nov 20, 2019

Download(s) 10

1,390
checked on Nov 20, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.