Title: Territórios de Água | Water Territories
Authors: Nunes, Adélia 
Moreira, Claudete Oliveira 
Paiva, Isabel 
Cunha, Lúcio Sobra da 
Keywords: Água;Território;Ordenamento do território;Ordenamento territorial;Geografia;Recursos naturais;Recursos paisagísticos;Recursos hídricos;Paisagem;Paisagens de água;Hidrogeografia;Hidropolítica;Geopolítica;Diálogo hídrico;Qualidade hídrica;Qualidade da água;Qualidade da água superficial;Monitorização em tempo real;Consumos de água;Papel dos consumidores;Poupança de água;Água potável urbana;Emissários submarinos;Robótica aquática;Poluição;Impactos ambientais;Conflitos pela água;Conflitos sócio-ambientais;Uso eficiente da água;Sustentabilidade;Medidas de sustentabilidade energética;Matriz energética;REN;Acessibilidade;Áreas rurais;Cidade;Espaço urbano;Reabilitação urbana;Espaços verdes;Mar;Rio;Água doce;Rios sustentáveis;Territórios ribeirinhos;Recursos hídricos;Recursos hídricos no Brasil;Bacia hidrográfica;Caudais;Água subterrâneas;Aquíferos;Ravinas;Ravinas do Corgo;Ribeiras;Levadas;Pôços Amazônicos;Áreas estuarinas;Zona de Proteção Especial;Áreas Protegidas;Espaços verdes urbanos;Linha de costa;Zona costeira;Cordão dunar frontal;Erosão costeira;Dinâmica natural;Dinâmica hídrica;Dinâmica hidrológica;Hidrodinâmica cársica;Exsurgências;Escoamento;Escoamento superficial;Contaminação;Contaminação de aquíferos;Alterações climáticas;Variabilidade climática;Episódios hidrometeorológicos intensos;Precipitação;Tendências na precipitação;Águas pluviais;Perigosidade;Vulnerabilidade;Índice de suscetibilidade;Multi-resiliente;Riscos;Riscos naturais;Risco de inundação;Risco em bacias hidrográficas;Riscos hidrometeorológicos;Análise do risco;Seca;Cheias;Inundação;Inundações;Inundações em meio urbano;Áreas inundáveis;Incêndios florestais;Acreção;Erosão dos solos;Erosão hídrica;Atividade antrópica;Uso do solo;Mudanças no uso do solo;Mudanças no coberto vegetal;Espécie exótica;Acácias autralianas;Acacia melanoxylon;Acacia dealbata;Acacia melanoxylon;Medidas de mitigação;Unidades de conservação;Planejamento em recursos hídricos;Políticas da água;Gestão ecológica da paisagem;Gestão da água;Gestão da bacia hidrográfica;Gestão de recursos hídricos;Gestão Patrimonial de Infraestruturas de águas pluviais;Governança das bacias urbanas;Pacto de autarcas;PDM’s;Turismo;Turismo fluvial;Turismo de iates;Iatistas;Turismo de natureza;Turismo sustentável;Turismo rural;Oferta turística;Hotelaria;Empreendimentos turísticos;Percepção do turismo;Patrimônio hidrológico;Património hidrológico;Hidrossítios;Geoturismo urbano;Museu;Museologia;Museu das águas da Amazônia;Desenvolvimento local;Identidade local;Cultura;Pesca artesanal;Comunidade piscatória;Perfis topográficos;Análise espacio-temporal;Cartografia;Cartografia hidrográfica;Deteção remota;SIG;WebSIG;Software livre;Free Open Source;Geoportal;Geobrasões;Base de dados espacial;Modelação espacial;Modelação hidrológico-hidráulica;Algoritmo BASFFMODEL;Linguagem python;Autómatos celulares;Manuel Lopes;Literatura;Geografia literária;As-águas;Bacia do rio Alva;Frente ribeirinha;Infraestuturas portuárias;Imaginários e percepção do Gerês;Percepção ambiental;Sensibilização ambiental;Educação ambiental;Educação para o risco;Aprendizagem formal;Ensino da Geografia;Didática da Geografia;Programa educativo;Metas curriculares;Estratégias pedagógicas;Notícia como recursos pedagógico;Extensão universitária;Rio Alva;Rio Arunca;Rio Arouce;Rio Beça;Rio Branco;Rio Corgo;Rio Mondego;Rio Segura;Rio Trocantins;Rio Uíma;Rio Zêzere;Rio dos Fornos;Rio Parnaíba;Vale do Jordão;Valle do Ricote;Ria de Aveiro;Usina de Tucuruí;Barcarena;Seirós;Folques;Reserva Natural do Estuário do Tejo;Campos do Jordão;Ilha da Atalaia;Ilha da Madeira;Maciço de Sicó;Vila Franca de Xira;Porto Velho;João Pessoa;Tbilisi;Sinaloa;Abaetetuba;Rondônia;Belém;Pará;Parati;Amazônia;Amazónia;Portugal;Norte de Portugal;Centro de Portugal;Gerês;Espanha;Brasil;Cabo Verde;Nova Zelândia;México;Palestina;Cisjordânia;Ilhas Fiji;Korovisilou;Pacífico
Issue Date: 9-Sep-2016
Publisher: CEGOT, Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Coimbra
Abstract: A água é um recurso natural de grande valor económico, ambiental e social, fundamental à subsistência e bem-estar do Ser Humano e dos ecossistemas terrestres. A sua disponibilidade assinala, todavia, grandes contrastes, tanto em termos espaciais como temporais. Daí resultam problemas relacionados com a sua escassez ou excesso (por exemplo as secas e as cheias/inundações), a que se associam o crescente consumo humano e de alguns setores de atividade, a degradação da sua qualidade e as variações recentes na sua quantidade impostas pelas mudanças climáticas. Recurso vital, essencial à produção de bens e serviços, manancial de biodiversidade, fonte de inspiração e de lazer, mas também de conflito, a gestão das águas superficiais e subterrâneas requer uma visão holística, que concilie as necessidades humanas, o desenvolvimento económico e a proteção dos ecossistemas naturais, por forma a não comprometer a sua sustentabilidade. Neste livro, denominado Territórios de Água, analisam-se e discutem-se múltiplas dimensões ligadas à água, em vários territórios nacionais e internacionais, encontrando-se dividido em quatro partes principais. A primeira parte, dedicada à análise dos Riscos e Dinâmicas Hidrológicas, aborda vários exemplos associados à manifestação de riscos e outras dinâmicas hidrológicas, privilegiando-se as dinâmicas fluviais, como resultado das complexas interações entre os elementos físicos e antrópicos presentes. Na parte II, Água, Cidade e Turismo, os ambientes aquáticos emergem com usos tão diferen- ciadores e inovadores que lhes dão um carácter multifuncional. Contudo, num mundo cada vez mais dominado pelas grandes concentrações urbanas, o incremento nas necessidades de consumos, quer pelo crescimento da população, quer pelas atividades relacionadas com a água, obrigam a uma reflexão sobre a sua própria fragilidade, sobretudo em termos de qualidade, servindo de ensejo para a valorização das temáticas da sustentabilidade territorial e do estudo de modos de redução de impactes ambientais. As paisagens de água emergem, no entanto, cada vez mais com valor cultural, lúdico, de entretenimento e turístico. Neste “novo” cenário, o lazer e o turismo adquirem significados económicos, sociais, culturais e simbólicos particularmente relevantes. Os rios, os estuários, os lagos, o mar são hoje palco de novas utilizações - turismo náutico, iatismo, turismo fluvial, animação turística, rotas e itinerários de visitação turística em ambiente marítimo e fluvial, praias fluviais, desportos e atividades radicais, pesca desportiva, entre outras. Na parte III, denominada Políticas e Gestão da Água, são abordadas políticas que atribuem um papel importante e determinante à água, enquanto elemento ambiental e recurso natural. São igualmente, discutidos problemas e questões ligadas à gestão da água, que se prendem com a desigual distribuição e acesso, com sua qualidade e com a necessidade de adotar novos modelos de governação ao nível da bacia hidrográfica, em particular, e ao nível domínio hídrico, em geral. Perante estes grandes desafios, tanto formuladores de políticas como planificadores precisam de fazer muito mais para melhor compreender e gerir com eficiência e sustentabilidade os recursos hídricos de que dispomos. A última parte, Água, Educação e Cultura, reflete a importância que a educação pode ter na construção de novos conceitos, na mudança de hábitos e no diálogo intergeracional. Apesar das questões ligadas à água, enquanto tema educacional, poderem ser abordadas sob diversas perspetivas e em várias áreas disciplinares, na Geografia emergem sob duas perspetivas principais: a água enquanto recurso e os riscos associados à água. Neste contexto, é importante educar para a preservação da água enquanto recurso e para a mitigação das consequências da manifestação dos riscos climático-hidrológicos e de poluição, através da adoção quer de medidas coletivas, quer de medidas individuais. Por último, a água emerge como um dos elementos centrais da reprodução não somente material mas também simbólica dos territórios, capaz de captar materialidades, espacialidades e imaterialidades, que se manifestam de maneira simbólica, imaginária, afetiva, mas sempre complementares, nas interpretações geográficas. A água assume-se, assim, neste século, como um recurso estratégico e a sua gestão corresponde a um desafio transversal à sociedade, por envolver não só as comunidades científica, política, empresarial e ligada à gestão territorial, mas também cada cidadão, nas suas ações individuais e/ou coletivas.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32286
ISBN: 978-989-20-6860-2
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Geografia - Livros e Capítulos de Livros
I&D CEGOT - Livros e Capítulos de Livros

Show full item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.