Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/30706
Title: O papel da aterosclerose na demência
Authors: Nunes, Ana Luísa da Silva de Sousa 
Orientador: Veríssimo, Manuel Teixeira
Moura, José Manuel dos Santos Pereira de
Keywords: Demência; Doença de Alzheimer; Demência Vascular; Aterosclerose; Epidemiologia; Fisiopatologia; Fatores de risco; Envelhecimento
Issue Date: 2015
Abstract: Introdução: O aumento progressivo da esperança média de vida, responsável pelo envelhecimento da população, tem promovido o crescimento da prevalência de doenças crónicas e cardiovasculares, como são exemplo a demência e a aterosclerose (ATS), respetivamente. Nos últimos anos, a hipótese de existir uma relação entre a ATS e a demência tem sido alvo de discussão. A sua comprovação seria ideal para investigar a probabilidade da terapêutica da ATS constituir um recurso capaz de atrasar a progressão da patologia demencial, ou mesmo, uma solução para a sua incurabilidade. A elaboração da presente dissertação teve como principal objetivo a averiguação literária de uma possível relação entre a ATS e a demência. Métodos: O motor de busca PubMed, disponibilizado pela National Library of Medicine, foi utilizado para pesquisa de múltiplos artigos, após a introdução de uma combinação de diferentes palavras-chave. Também se procedeu à leitura de alguns livros relacionados com o tema em questão. Resultados: A doença de Alzheimer (DA) é o tipo de demência mais frequentemente diagnosticado. As placas senis e as tranças neurofibrilhares constituem as alterações histopatológicas típicas desta doença. A demência vascular (DV) é o segundo tipo mais comum de demência. Apresenta uma subclassificação, de acordo com o mecanismo fisiopatológico subjacente. As doenças vasculares que se associam à DV são a doença de pequenos vasos, a ATS das artérias cerebrais e a microangiopatia amilóide cerebral. A formação das placas ateroscleróticas, características da ATS, é melhor explicada pela Hipótese de Resposta à Lesão. Para além da idade, também a genética e o ambiente constituem fatores de risco das patologias demencial e aterosclerótica. Relativamente à relação entre a ATS e a demência, apesar de algumas controvérsias, a maioria dos estudos corrobora essa hipótese. Discussão e conclusão: Tanto a demência como a ATS se relacionam com o envelhecimento e partilham diversos fatores de risco, o que sugere um mecanismo subjacente comum, e portanto, uma relação entre ambas. A comunidade científica cada vez mais acredita que essa relação é válida, pois grande parte dos estudos comprova que a ATS aumenta o risco de desenvolvimento de demência, sobretudo se intracraniana ou carotídea. A necessidade de obter mais e melhor informação neste âmbito é indiscutível.
Introduction: The gradual increase in the average life expectancy, responsible for the aging population, has been promoting prevalence growth of chronic and cardiovascular disease, as for example, dementia and atherosclerosis (ATS), respectively. In recent years, the hypothesis that there is a relationship amongst ATS and dementia has been under discussion. Its proof would be ideal and necessary to investigate ATS therapy probability of being a resource capable of delaying demential pathology progression, or even, a solution to its incurability. The preparation of this dissertation aimed to a literary investigation of a possible relationship between atherosclerosis and dementia. Methods: PubMed, provided by National Library of Medicine, was used to search and further reading of multiple articles, after introducing a combination of different keywords. Reading some books related to the subject was also carried out. Results: Alzheimer’s disease (DA) is the most frequently diagnosed type of dementia. The senile plaques and neurofibrillary tangles constitute the common histopathologic alterations of this disease. Vascular dementia (DV) is the second most common type of dementia. It presents a subclassification according to the underlying pathophysiological mechanism. The vascular diseases associated to DV are small vessel disease, cerebral arteries ATS and cerebral amyloid microangiopathy. Atherosclerotic plaques formation, typical of ATS, is best explained by the Response-to-Injury Hypothesis. In addition to age, genetics and environment are also risk factors for demential and atherosclerotic pathologies. Regarding the relationship between ATS and dementia, despite some controversies, most studies corroborate this hypothesis. Discussion and conclusion: Both dementia and atherosclerosis relate to aging and share several risk factors together, suggesting a common underlying mechanism, and therefore, a relationship amongst them. The scientific community increasingly believe that this relationship is valid because most of the studies proves that ATS raises the risk of developing dementia, especially if intracranial or carotideal. The need for more and better information in this field is unquestionable.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina (Geriatria), apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/30706
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese.pdf383.65 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 5

1,709
checked on Sep 14, 2020

Download(s) 50

434
checked on Sep 14, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.