Title: Cymbopogon citratus and its polyphenols as potential phytotherapeutic products: an in vivo approach
Authors: Costa, Gustavo Franco Ferreira da 
Orientador: Batista, Maria Teresa
Figueiredo, Isabel V.
Keywords: Cymbopogon citratus (DC). Stapf (Poaceae), vulgarmente conhecida como erva-príncipe, é um arbusto perene tropical originário do Sudeste Asiático. Nos países asiáticos e latino-americanos, é uma planta comummente consumida como bebida ou condimento aromático. A esta planta são lhe atribuídas propriedades antifúngicas, insecticidas, antidiabéticas, antissépticas, antimutagénicas, anticancerígenas e anti-inflamatórias. Na verdade, extratos aquosos das folhas secas são utilizados, durante todo o ano, na medicina popular para o tratamento de úlceras pépticas e problemas inflamatórios. Recentemente, alguns compostos fenólicos, tais como os glicósidos da luteolina e da apigenina e os taninos condensados, foram identificados e relacionados com efeitos antioxidantes e antiinflamatórios. O objetivo deste trabalho foi i) validar um método analítico para a quantificação de compostos fenólicos de C. citratus; ii) estudar a influência da época de colheita e da qualidade da planta na composição fenólica e na atividade antioxidante do infuso usado na medicinal popular; iii) caracterizar os taninos por HPLC-PDA-ESI/MSn ; iv) validar os usos tradicionais da infusão como antiinflamatória in vivo; v) obter uma formulação tópica para avaliar a permeação dos compostos fenólicos e a sua actividade anti-inflamatória; vi) traçar o perfil farmacocinético dos principais compostos fenólicos em ratos. Três extractos - infusão (CcI), macerado com etanol a 50% (CcM50%) e macerado com etanol absoluto (CcM100%) - foram preparados e um método de HPLC-PDA, simples e eficiente, foi validado com êxito, pela primeira vez, para a identificação simultânea e quantificação dos ácidos fenólicos e flavonóides. Diferentes infusões foram também obtidas a partir de folhas colhidas em diferentes épocas (Abril, Junho, Julho, Agosto e Setembro) e diversos graus de qualidade (Alto, Médio e Baixo). Foi verificado que o conteúdo em polifenóis e a capacidade antioxidante do CcI estão fortemente relacionados com a qualidade da planta. O ensaio dos fenóis totais mostrou uma perda substancial de Agosto para Setembro. Além disso, foi possível descobrir o melhor mês para a colheita da planta no sentido de obter o máximo teor de cada grupo fenólico: Abril e Junho, para ácidos hidroxicinâmicos; Junho e Setembro, para flavonóides; e Junho, Julho e Agosto, para taninos. Independentemente do grupo de compostos fenólicos estudado, o seu conteúdo foi sempre inversamente proporcional ao grau de envelhecimento das folhas. Para todas as espécies oxidantes testadas, as amostras de alta qualidade apresentaram os melhores resultados como antioxidantes. A CcI foi fraccionada por cromatografia em coluna e fracções ricas em polifenóis, nomeadamente ácidos fenólicos (CcPA), flavonóides (CcF) e taninos (CcT) foram obtidos. A CcT foi caracterizada por HPLC-PDA-ESI/MSn , revelando a presença de pro-desoxi-antocianidinas hetero-diméricas, juntamente com algumas proantocianidinas comuns. Estas estruturas flavânicas hetero-diméricas foram descritas, pela primeira vez, nesta planta e consistem em unidades de luteoliflavano ou apigeniflavano ligados a uma flavanona, naringenina ou eriodictiol, podendo apresentar-se na forma livre ou glicosilada. CcI, CcF e CcT foram testados in vivo. A CcI, administrada antes e após o estímulo etanólico, reduziu significativamente a incidência e a gravidade das lesões gástricas e, consequentemente, o índice ulceroso, corroborando o uso tradicional desta planta no alívio dos sintomas da gastrite e/ou das úlceras pépticas. Por outro lado, CcI, CcF e CcT foram administrados por via oral a ratos, para avaliar o efeito anti-inflamatório no ensaio do edema da pata induzido pela carragenina. O efeito observado para a dose mais alta (68.24 mg/kg), 82.30%, foi muito semelhante ao obtido pelo fármaco de referência utilizado (diclofenac - 10 mg/kg), 84.00%. Por outro lado, as fracções CcF (7.42 mg/kg) e CcT (5.96 mg/kg) contribuíram significativamente para o efeito anti-inflamatório (59 e 61%, respectivamente). A actividade anti-inflamatória tópica de CcI foi também estudada. Os resultados sugerem que os flavonóides, principalmente, a luteolina 7-Oneohesperidósido, a cassiaoccidentalin B, o carlinósido e o cinarósido, podem contribuir para o efeito anti-inflamatório tópico verificado. Formulações tópicas de CcF (0.6%), CcT (0.3%) e CcF+CcT (0.66%+0.34%) foram também testados in vivo, e os resultados obtidos sugerem que os taninos e flavonóides possuem também uma significativa actividade e que um sinergismo deverá ocorrer pela função das duas fracções fenólicas. Todas as amostras testadas demonstraram ausência de toxicidade in vivo. A análise farmacocinética foi realizada no plasma, fígado e rim e mostraram que os compostos presentes no CcI não foram detectados in vivo após uma administração oral de dose única. Ao contrário, os metabolitos, luteolina 7-Oglucurónido e luteolina 3'-O-sulfato, demonstraram possuir maior biodisponibilidade, sendo provavelmente os principais flavonóides responsáveis pela actividade anti-inflamatória anteriormente descrita. Em conclusão, este trabalho desenvolveu um método para quantificar os compostos fenólicos de C. citratus; apontou a importância da colheita, do armazenagem e do embalamento do material vegetal, a fim de tirar as máximas vantagens dos compostos fenólicos a utilizar; e demonstrou a sua actividade antiinflamatória in vivo, sistémica e tópica, utilizando doses não tóxicas, que suporta o uso tradicional da infusão de erva-príncipe. Além disso, os flavonóides e taninos das folhas de C. citratus foram destacados como compostos bioativos, incentivando o desenvolvimento de novos produtos anti-inflamatórios, fitoterápicos ou nutracêuticos.
Issue Date: 9-May-2016
Citation: COSTA, Gustavo Franco Ferreira da - Cymbopogon citratus and its polyphenols as potential phytotherapeutic products : an in vivo approach. Coimbra : [s.n.], 2016. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/29994
Abstract: Cymbopogon citratus (DC). Stapf (Poaceae), commonly known as lemongrass, is a tropical perennial shrub originated from the Southeast Asia. This plant is reported to possess antifungal, insecticidal, anti-diabetic, anti-septic, anti-mutagenic, anti-carcinogenic activities as well as anti-inflammatory. In fact, aqueous extracts of dried leaves are used all over the year in folk medicine for the treatment of peptic ulcers and inflammatory conditions. Recently, some phenolic compounds, such as luteolin and apigenin glycosides and condensed tannins, were identified and related to both antioxidant and anti-inflammatory properties. The purposes of this work were to i) validate an analytical method for quantification of phenolic compounds of C. citratus; ii) study the influence of harvest time and plant quality on the phenolic composition and antioxidant activity; iii) characterize the tannins; iv) validate the traditional uses of lemongrass infusion as anti-inflammatory in vivo; v) obtain a topical formulation to evaluate the phenolic compounds permeation and their anti-inflammatory activity; vi) trace the pharmacokinetic profile of the main phenolic compounds in rats. Three different extracts: infusion (CcI), 50% aqueous ethanol (CcM50%) and ethanol (CcM100%) extracts were prepared and a simple and efficient RP-HPLC-PDA method was successfully validated for simultaneous identification and quantification of phenolic acids and flavonoids. Infusions were also obtained from different harvest dates (April, June, July, August and September) and quality grades (High, Medium and Low). It was verified that the content on polyphenols and the antioxidant capacity of CcI is strongly related with the quality of the plant. The total phenols assay showed a substantial loss from August to September. It was possible to find out the best month to harvest the plant to get the most of each phenolic group: April and June for hydroxycinnamic acids; June and September for flavonoids; June, July and August for tannins. Regardless the group of phenolic compound addressed, its content was always inversely proportional to the degree of leaves ageing. For all tested oxidant species, the high-quality samples exhibited the best antioxidant results. CcI was fractionated by column chromatography and polyphenol-rich fractions, namely phenolic acids (CcPA), flavonoids (CcF) and tannins (CcT) were obtained. CcT was characterized by HPLC-PDA-ESI/MSn, revealing the presence of proanthocyanidin hetero-dimers, along with some common procyanidin dimers. These hetero-dimeric flavan structures have been described for the first time in lemongrass and consist of apigeniflavan or luteoliflavan units linked to a flavanone, either naringenin or eriodictyol, and may occur as aglycone or glycosylated forms. For the in vivo assays, CcI, CcF and CcT were tested. CcI administered before and after ethanol stimulus, significantly reduced the incidence and severity of gastric lesions and, consequently, the ulcer index, corroborating the traditional medicinal use of this plant to ameliorate gastritis and/or peptic ulcers symptoms. On the other hand, CcI, CcF and CcT were orally administered to rats, in order to evaluate the anti-inflammatory effect at the carrageenan-induced paw edema assay. The observed effect by CcI (68.24 mg/kg), 82.30% of edema inhibition, was very similar to that obtained by the reference NSAID used (diclofenac, 10 mg/kg), 84.00%. On the other hand, flavonoid (7.42 mg/kg) and the tannin-rich (5.96 mg/kg) fractions significantly contributed for the anti-inflammatory activity on the edema volume (59 and 61%, respectively). The topical anti-inflammatory activity of CcI was also addressed. The results suggest that flavonoids, mainly, luteolin 7-O-neohesperidoside, cassiaoccidentalin B, carlinoside and cynaroside, may contribute to the topical anti-inflammatory effect. CcF (0.6%), CcT (0.3%) and CcF+CcT (0.66%+0.34%) topical formulations were also tested, and the results obtained suggest that tannins and flavonoids also possess a significant activity and that a synergistic mechanism of action may occur. In fact, edema inhibitions of 43%, 47% and 59% were respectively verified, being CcF+CcT effect very close to that of 1% diclofenac (65.9%). Pharmacokinetic analysis was performed in plasma, liver and kidney and showed that the compounds present in CcI are not detected in vivo after a single-dose oral administration. In contrary, the metabolites, luteolin 7-O-glucuronide and luteolin 3’-O-sulfate, present at the highest bioavailability, are probably the main responsible for the anti-inflammatory activity previously reported. In conclusion, this work has developed a method to quantify the phenolic compounds contained in C. citratus; pointed the importance of harvesting and storing the plant material, in order to take the maximum advantages from the phenolic compounds use; and demonstrated, in safe doses, its anti-inflammatory activity, using an in vivo approach, which supports the traditional use of lemongrass infusion. Furthermore, C. citratus leaves flavonoids and tannins were highlighted as bioactive compounds, encouraging the development of new anti-inflammatory drugs or nutraceuticals.
Description: Tese de doutoramento em Ciências Farmacêuticas, na especialidade de Farmacognosia e Fitoquímica, apresentada à Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/29994
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Cymbopogon citratus and its polyphenols as potential phytotherapeutic products.pdfDocumento principal4.66 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.