Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/28958
Title: Relação entre literacia em saúde, adesão à terapêutica e crenças sobre a medicação de uma população utilizadora de medicamentos no Brasil
Authors: Melo, Lilia Carlia Francisca de 
Orientador: Castel-Branco, Maria Margarida
Fernandez-Llimós, Fernando
Keywords: Literacia em saúde; Adesão à terapêutica; Conhecimento do doente sobre medicação
Issue Date: 2015
Abstract: Introdução: A literacia em saúde pode ser definida como sendo o grau no qual as pessoas são capazes de compreender e avaliar uma informação para enfrentar as exigências dos diferentes contextos de saúde, de forma a mantê-la no decurso da vida. A literacia em saúde é cada vez mais necessária no enquadramento socioeconómico atual, na medida em que os indivíduos têm um papel cada vez mais activo nas decisões relacionadas com a saúde. Uma literacia em saúde inadequada tem influência na adesão à terapêutica e, consequentemente, nos resultados em saúde. Também as crenças nos medicamentos podem influenciar a adesão à terapêutica. Objectivos: Analisar o desempenho do Newest Vital Sign (NVS) e identificar a capacidade preditiva deste instrumento para identificar indivíduos com potencial de baixa adesão à terapêutica farmacológica e com crenças negativas sobre o uso de medicamentos. Métodos: O estudo decorreu de Março a Julho de 2014 na unidade básica de saúde “Céu Azul” em Valparaíso de Goiás, Brasil. A proposta de participação na investigação foi feita pelo investigador a cada indivíduo. Os critérios de inclusão foram: indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos; com capacidade para ler e escrever; sem comprometimento cognitivo; a tomar medicamentos. A investigação foi realizada com aplicação de um questionário sócio-demográfico, um questionário para avaliar o nível de literacia em saúde (NVS), um questionário para avaliar as crenças em relação à medicação (Beliefs about Medicines Questionnaire - BMQ - Crenças específicas) e um questionário para avaliar a adesão à terapêutica (os 7 itens dicotómicos do Morisk Medication Adherence Scale. MMAS-8). Resultados: Os 301 indivíduos incluídos no estudo tinham idade média de 42,6 anos (DP=15,0), 225 eram mulheres (74,75% dos indivíduos) e distribuíam-se em 224 de raça branca (74,4% dos indivíduos), sendo o resto de raça negra. A pontuação do NVS foi de 1,2 (de 6 pontos possíveis), sendo que 92,6% acertaram até 3 questões, o que indica possibilidade de uma literacia limitada em saúde. É possível verificar através destes resultados uma inadequada literacia em saúde, já que grande percentagem dos inqueridos acertou apenas 1 a 2 respostas (67,7%), havendo 21,9% dos indivíduos que não acertaram em qualquer resposta do NVS. Em relação ao questionário de crenças acerca da medicação, o score da diferença entre as subescalas de necessidades e preocupações foi de -1,22, o que é indicativo de não adesão à terapêutica, uma vez que há um predomínio das preocupações e não das necessidades relacionadas com a medicação. Conclusão: A utilidade do NVS em uma população com uma limitada literacia em saúde dificultou o poder preditivo do NVS para avaliar a adesão à medicação. O fraco desempenho apresentado sugere que o NVS não é útil como instrumento a ser utilizado em indivíduos de uma população normal que visita um centro de saúde no Brasil. De facto, não foi possível predizer, a partir do NVS, a adesão à medicação. Em relação ao BMQ foi possível verificar que os indivíduos possuem um alto score de preocupações acerca da medicação e isso se relaciona negativamente com a adesão, o que indica uma menor probabilidade de adesão à terapêutica na população em estudo. Com isto ficou demonstrado que o BMQ é um instrumento útil para aplicação em utilizadores de centro de saúde no Brasil
Introduction: The health literacy can be defined as the degree that people are able to understand and evaluate an information to face the demands from different health contexts in order to maintain health in the course of life. The health literacy is increasingly necessary in the current socio-economic framework, to the extent that individuals have an increasingly active role in decisions relating to health. An inadequate health literacy influences on compliance and therefore in health outcomes. Also beliefs in medicines can influence adherence to therapy. Objectives: To analyze the performance of the Newest Vital Sign (NVS) and identify the predictive power of this instrument to identify individuals with potential for low adherence to pharmacological treatment and negative beliefs about the use of medicines. Methods: The study took place from March to July 2014 in the basic health unit "Ceu Azul" in Valparaiso of Goiás, Brazil. The proposed participation in the research was done by the interviewer to each individual. The main inclusion criteria were: individuals aged over 18 years; ability to read and write; without cognitive impairment; taking medications. The research was conducted by applying a socio-demographic questionnaire, a questionnaire to assess health literacy level (NVS), the Beliefs about Medicines Questionnaire (BMQ - Specific Beliefs) and a questionnaire to assess the adherence to therapy (7 dichotomous items of Morisk Medication Adherence Scale. MMAS-8). Results: 301 subjects included in the study had a mean age of 42.6 years (SD = 15.0), 74.75% were women and distributed in 224 white skin (74.4% of subjects), and the rest of the black race. The NVS score was 1.2 (6 possible points) and 92.6% hit issues to 3, indicating the possibility of a limited health literacy. It's possible to check these results through an inadequate health literacy, since a large percentage of surveyed shot just 1-2 responses (67.7%), with 21.9% of individuals who did not hit any response from the NVS. Regarding the questionnaire of beliefs about the medication score of the difference between the subscales (NC) was -1.22, which is indicative of non-adherence to therapy; which is indicative of non-adherence, since there is a predominance of the concerns and needs not related to the medication. Conclusion: The use of NVS in a population with limited health literacy hindered the predictive power of the NVS to assess medication adherence. The weak performance presented suggests that the NVS is not useful as a tool to be used in a normal population of individuals who visit a health center in Brazil. In fact, it was not possible to predict, from the NVS, medication adherence. Regarding the BMQ was possible to verify that individuals have a high score of concerns about the medication and this relates negatively with adherence, which indicates a lower probability of adherence to therapy in the study population. With this demonstrated that the BMQ is a useful tool for use in health center users in Brazil.
Description: Dissertação de mestrado em Farmácia (Farmacologia Aplicada), apresentada à Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/28958
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Lilia.pdf1.75 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

737
checked on Sep 24, 2020

Download(s) 10

1,328
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.