Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/28597
Title: A tomografia computorizada e os marcadores biológicos na avaliação da síndrome aórtica aguda
Authors: Pimenta, Tiago Marques 
Orientador: Donato, Paulo
Graça, Bruno Miguel
Keywords: Tomografia por emissão computorizada; Marcadores biológicos; Aorta
Issue Date: 2014
Abstract: A Síndrome Aórtica Aguda (SAA) é incomum, grave e requer um diagnóstico e tratamento precoces em virtude de se associar a elevadas taxas de mortalidade. No seu algoritmo diagnóstico estão habitualmente incluídos uma avaliação laboratorial sumária e exames imagiológicos, sendo o método de imagem mais comumente utilizado na sua abordagem inicial a tomografia computorizada (TC), a qual permitirá excluir o diagnóstico em muitos dos casos em que é colocada essa suspeita. Por outro lado, são também usados biomarcadores como os D-dímeros, leucócitos, proteína C reactiva (PCR), creatina cinase (CK) e troponina I como indicadores de probabilidade no diagnóstico. Neste trabalho seleccionou-se uma amostra de doentes submetidos a angiografia torácica e/ou abdominal por TC multidetectores com suspeita de SAA ou com esse diagnóstico confirmado, num período de três anos (2010-2012), com posterior recolha dos dados relativos ao doseamento sérico dos biomarcadores referidos acima. Realizou-se uma avaliação demográfica e da prevalência da SAA, verificou-se a relação entre a suspeita e a confirmação do diagnóstico através da TC e compararam-se os doseamentos séricos médios entre os doentes com e sem SAA. Verificou-se uma baixa prevalência da SAA no conjunto de TC realizadas (aproximadamente 1,09%), num total de 33 casos; o diagnóstico foi confirmado apenas em cerca de um quarto dos casos em que existia uma suspeita inicial. O doseamento dos biomarcadores PCR, CK e troponina I não mostrou propriedades diagnósticas favoráveis. Quanto aos leucócitos, apesar de terem sido encontradas médias com diferença significativa entre grupos, não parecem ter utilidade como ferramenta diagnóstica na SAA. Os D-dímeros apresentaram um valor preditivo negativo de 92% para o valor de corte de 1,57 µg/mL, mostrando assim ser o biomarcador com maior utilidade na SAA, pois a sua exclusão será muito provável para valores inferiores aos referidos. Para este valor de corte, a acuidade diagnóstica foi de 88%, embora a utilidade como ferramenta de exclusão se considere superior à sua utilidade como forma de confirmar o diagnóstico. Concluiu-se com este trabalho que a TC é um método imagiológico útil no esclarecimento da suspeita de SAA, permitindo excluir esse diagnóstico na sua maioria. Consideramos que o doseamento sérico dos D-dímeros deverá fazer parte de uma abordagem diagnóstica integrada com a realização de exame imagiológico, pois poderá contribuir para excluir ou elevar a suspeita de SAA, seleccionando de uma forma mais eficiente os doentes que devem ser melhor estudados por TC.
Acute Aortic Syndrome (AAS) is uncommon, serious and requires early diagnosis and treatment due to its high mortality rates. Its diagnostic algorithm typically includes a basic laboratory evaluation and imaging modalities. The most commonly used imaging modality in the initial management of this syndrome is the computed tomography (CT), which will exclude the diagnosis in many suspected cases. On the other hand, biomarkers as D-dimers, leukocytes, C-reactive protein (CRP), creatine kinase (CK) and troponin I are also used as indicators of diagnostic probability. In our study, we selected a sample of patients undergoing thoracic and/or abdominal multidetector CT angiography with suspected AAS or with this diagnosis confirmed, during a three-year period (2010-2012), with subsequent collection of data on the serum assay for the referred biomarkers. We conducted a brief demographic evaluation and studied the prevalence of AAS, verified the relationship between suspicion and confirmation of diagnosis by CT and compared the values of serum assays between patients with and without AAS in our sample. There was a low prevalence of AAS diagnosed by CT (approximately 1,09%); there were 33 cases of AAS and the diagnosis was confirmed in only about a quarter of the suspected cases. PCR, CK and troponin I didn't show satisfactory diagnostic properties. As for leukocytes, although significant mean difference between groups was found, they don’t seem to have utility as a diagnostic tool for AAS. D-dimers showed a negative predictive value of 92% at a cutoff of 1,57 µg/mL, thus proving to be the most useful biomarker in AAS, once its exclusion is very likely below those values. At this cutoff, the diagnostic accuracy was 88%, although its usefulness for exclusion of AAS is considered to exceed its usefulness as a way to confirm the diagnosis. We concluded that CT is a useful imaging method in clarifying the suspicion of AAS, allowing its exclusion in the majority of cases. We consider that determination of serum D-dimers should be part of an integrated diagnostic approach with the imaging examination, once it may help exclude or raise the suspicion of AAS, selecting in a more efficient manner those who should be better studied by CT.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina (Imagiologia Médica), apresentada á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/28597
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado
UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TC e Biomarcadores no Diagnóstico da SAA, FMUC, 2014, Tiago Marques Pimenta.pdf555.41 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

219
checked on Sep 28, 2022

Download(s)

178
checked on Sep 28, 2022

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.