Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/27958
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSá, Alexandre Franco de-
dc.contributor.authorDrezzadore, Dario-
dc.date.accessioned2014-12-19T12:55:31Z-
dc.date.available2014-12-19T12:55:31Z-
dc.date.issued2014-12-19-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/27958-
dc.descriptionDissertação de Mestrado em Estudos Europeus, orientado pelo Professor Doutor Alexandre Franco de Sá, apresentada ao departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbrapor
dc.description.abstractObjecto do presente trabalho é a evolução dos modelos prevalecentes de exercício do poder na modernidade, evolução assente numa confrontação com o pensamento de Roberto Esposito. Quando a comunidade é pensada como uma proteção face ao seu perigo principal – a exposição violenta à alteridade – ela assume internamente a forma de uma comum divisão. No paradigma social imunitário que Esposito individua, através duma abordagem etimológica e genealógica, vida e poder não são pensados como originariamente separados e sucessivamente unidos, mas como as duas componentes de um único nó que assume sentido unicamente a partir da relação entre elas. O poder não é exterior às dinâmicas da vida mas “vive” juntamente com ela: deste ponto de vista, se a doença fortalece a vida, a sua presença é portanto necessária no interior do próprio corpo comunitário. Para Michel Foucault, a característica principal da biopolítica é o facto de o poder assumir a vida como objecto e como objectivo. A análise de Esposito visa estabelecer uma ligação profunda entre a própria biopolítica e a questão da imunidade, fazendo dessa última categoria a engrenagem portante de toda a modernidade. Para uma biopolítica que leve em conta a vida, em sentido afirmativo, é preciso assumir o perigo da comunidade a objecto de reflexão, sem instrumentalizá-lo nem negá-lo através da imunidade. O pensamento da imanência, pano de fundo nas análises de Esposito, representaria também uma das peculiaridades da filosofia italiana, capaz unicamente de se dotar duma linguagem centrada nas categorias de vida e poder, e nas relações por elas produzidas.por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectFilosofia Políticapor
dc.subjectRoberto Espositopor
dc.subjectBiopolíticapor
dc.subjectComunidadepor
dc.subjectImunidadepor
dc.titleCum-munus: comunidade e poder imanente em Roberto Espositopor
dc.typemasterThesispor
degois.publication.locationCoimbrapor
dc.peerreviewedYespor
dc.identifier.tid201519542-
uc.controloAutoridadeSim-
item.grantfulltextopen-
item.fulltextCom Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
crisitem.advisor.deptFaculty of Arts and Humanities-
crisitem.advisor.researchunitCECH – Center for Classical and Humanistic Studies-
crisitem.advisor.orcid0000-0001-6320-9993-
Appears in Collections:FLUC Secção de Filosofia - Teses de Mestrado
UC - Dissertações de Mestrado
Files in This Item:
File Description SizeFormat
Cum-munus. Comunidade e poder imanente em Roberto Esposito.pdf847.58 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 20

642
checked on Sep 14, 2022

Download(s) 20

1,275
checked on Sep 14, 2022

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.