Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/26015
Title: Tsunamis e cidades resilientes : estratégia para Lisboa ribeirinha : entre Alcântara e o Terreiro do Paço
Authors: Pratas, João Pedro Ataíde Archer Guerra 
Orientador: Lousa, António
Keywords: Tsunami; Catástrofe ambiental; Cidade, estudos
Issue Date: Feb-2014
Citation: Pratas, João Pedro Ataíde Archer Guerra - Tsunamis e cidades resilientes : estratégia para Lisboa ribeirinha : entre Alcântara e o Terreiro do Paço. Coimbra: [s.n.], 2014.
Abstract: As nossas Costas e cidades costeiras estão cada vez mais vulneráveis, a riscos humanos e naturais. Do vasto leque de catástrofes, o estudo incide apenas no Tsunami. Actualmente existe uma grande desinformação e desconhecimento principalmente no âmbito das políticas urbanas de protecção, mitigação, arquitectura e urbanismo. Como tal pretendeu‐se não só estudar o desastre natural, mas também as formas e práticas preventivas que acautelem as nossas cidades e territórios de forma mais adaptada com o meio ambiente. Após um período em Valparaíso (pesquisa), e em Santiago do Chile (trabalho no PRES Constitución) o autor observou atentamente o processo de reconstrução urbana costeira do país, bem como as metodologias utilizadas, após o terramoto e tsunami de Fevereiro de 2010. Na segunda vertente agora em território português, continuou a investigação focando o trabalho a partir de perspectivas e abordagens práticas, que têm a ver com o (re)fazer cidade, nomeadamente na concepção de processos de mitigação e prevenção, de modo a serem integrados num projecto urbano de larga escala de Lisboa Ribeirinha. Em particular, Lisboa necessita de uma estratégia e gestão de evacuação dada a ausência no presente de qualquer plano. Criando novos dispositivos entre cidade e rio, com a principal preocupação da prevenção e salvaguarda humana e contribuindo para uma melhoria urbana ribeirinha. Tendo como objectivo principal o de divulgar e de lançar o debate.
Our Coasts and coastal cities are increasingly vulnerable to natural and human hazards. From the wide range of disasters, the study focuses specifically on the Tsunami. Currently there is great unawareness and misinformation particularly within the urban policies of protection, mitigation, architecture and urbanism. As such it is intended not only to study the natural disaster, but also the ways and preventive practices that which beware our cities and territories in the manner that better suits the environment. After a period in Valparaiso (research), and Santiago de Chile (work in PRES Constitución) the author noted carefully the process of coastal urban reconstruction, as well as the methodologies used, after the earthquake and tsunami of February 2010. In the second part now in Portuguese territory, he continued the research focusing his work from perspectives and practical approaches related with the (re) making of the city, including the development of processes for mitigation and prevention, in order to be integrated into an urban large‐scale project for the Lisbon riverfront. In particular, Lisbon needs a strategy and management of evacuation given the absence ‘at present’ of any plan. Creating new devices between city and river, with the main concern of prevention and safeguarding human life and contributing to a riverside urban improvement. The principal aim is to promote and launch the debate.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Arquitectura, apresentada ao Departamento de Arquitectura da F. C. T. da Universidade de Coimbra, sob a orientação do Prof. Doutor António Portovedo Lousa.
URI: http://hdl.handle.net/10316/26015
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCTUC Arquitectura - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
João Pratas - Tsunamis e cidades Resilientes.pdf29.25 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

418
checked on Sep 21, 2020

Download(s) 20

1,089
checked on Sep 21, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.