Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/25965
Title: Adaptação da escala GRIFFITHS para avaliação do desenvolvimento de crianças com baixa visão
Authors: Ferreira, Viviana Patrícia da Silva 
Orientador: Albuquerque, Maria Cristina Petrucci de Almeida
Keywords: Deficiência visual; Avaliação do desenvolvimento; Intervenção precoce
Issue Date: 2012
Abstract: O objetivo deste estudo é analisar o efeito das adaptações para crianças com baixa visão na Escala de Desenvolvimento Mental de Griffiths – Extensão Revista (2006), um instrumento estandardizado de avaliação do desenvolvimento de crianças pequenas. Foram realizados dois momentos de avaliação, sendo que no primeiro momento de avaliação foi aplicada a Escala de Desenvolvimento Mental de Griffiths dos 2 aos 8 anos – Extensão Revista (2006), de acordo com os procedimentos prescritos no Manual. Cerca de duas a quatro semanas depois (M = 22.9 dias; DP = 4.0 dias), realizou-se um segundo momento de avaliação com o mesmo instrumento, mas com as adaptações para a baixa visão, em que apenas foram aplicados os itens em que a criança tinha tido insucesso anteriormente (exceto aqueles que implicavam cronometragem) em cada uma das subescalas. Além disso, foi categorizada a visão de cada uma das crianças através da Escala de Deteção Visual para Perto (Sonksen & Dale, 2002). Os resultados indicam que existem algumas diferenças favoráveis na utilização das adaptações para avaliação do desenvolvimento de crianças com baixa visão, designadamente melhorias dos resultados nas subescalas A. Locomoção, C. Linguagem, D. Coordenação Olho-Mão e E. Realização, bem como na Escala Geral. É possível verificar que na subescala E. Realização houve um aumento de cerca de 10 meses na idade de desenvolvimento e que nas restantes subescalas e na escala geral houve um aumento de alguns meses. Relativamente ao aumento de pontuação, da versão original para a versão com adaptações, todas as crianças, exceto uma, aumentaram a pontuação. Nas subescalas, o número de crianças que aumentou a pontuação varia, situando-se entre um mínimo de 1 ou 2 e um máximo de 18 (subescala E. Realização). É interessante observar que a subescala E. Realização foi aquela em que se encontraram mais resultados com diferenças estatisticamente significativas, sendo esta também a subescala com maior número de itens com adaptações, e em particular com adaptações da categoria 4, aquela que se revelou mais eficaz no que toca ao aumento da pontuação por parte dos sujeitos. Ainda assim, muitos sujeitos aumentaram a pontuação apenas com adaptações de materiais (categoria 2). Será necessário em estudos posteriores aumentar o tamanho da amostra e controlar as variáveis relacionadas com o tipo de dificuldades visuais e, eventualmente, testar outras adaptações que não as utilizadas neste estudo.
The aim of this study is to analyze the effect of adaptations for children with low vision in the Griffiths Scales of Mental Development – Extended Version (2006), a standardized instrument for assessing the development of young children. There were two assessment moments, and in the first the Griffiths Scales of Mental Development – Extended Version (2006) were applied in accordance with the procedures prescribed in the Manual. About two to four weeks later (M = 9.22 days, SD = 4.0 days), there was a second assessment with the same instrument, but with adaptations to low vision, in which only the items, that the child had previously failed (except those that implied timing), in each of the subscales were applied. Moreover, each child visual impairment was categorized through the Scale of Near Detection Vision (Sonksen & Dale, 2002). The results indicate that there are some favorable differences in the use of adjustments to developmental assessment of children with low vision, including improvements of results in subscales A. Locomotor, C. Language, D. Eye and Hand Co-ordination and E. Performance as well as in General Scale. The subscale E. Performance increased about 10 months in the mental age and in the remaining sub-scales and scale general increased some months. Regarding the increase scoring, in the General Scale, all children, except one, increased the score; in Subscales, the increase score varies, ranging between a minimum of 1 or 2 and a maximum of 18 (subscale E. Performance). Interestingly, the subscale E. Performance was the one that get more results with statistically significant differences, and is also the subscale with the highest number of items with adaptations, and in particular with the Category 4 adaptations, the one that proved most effective when it comes to increasing the score. Still, many subjects increased their score with just adaptations of materials (category 2). Subsequent studies will be necessary, in order to increase the size of the sample and controlling the variables associated with the type of visually impaired and eventually test other adjustments than those used in this study.
Description: Dissertação de mestrado em Psicologia do Desenvolvimento, Aconselhamento e Educação, apresentada à Fac. de Psicologia e Ciências da Educação de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/25965
Rights: closedAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy
Show full item record

Page view(s) 20

593
checked on Jul 9, 2019

Download(s)

64
checked on Jul 9, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.