Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/25747
Title: The Demand for Preventive Health Care and Health Insurance: evidence for Portugal
Authors: Oliveira, Sandra Margarida Bernardes de
Orientador: Barros, Pedro Pita
Lourenço, Óscar
Keywords: Prevenção relacionada com a saúde
Disponibilidade para pagar
Estilos de vida
Método de avaliação contingente
Modelos de contagem
Absentismo
Issue Date: 17-Apr-2014
Citation: OLIVEIRA, Sandra Margarida Bernardes de - The demand for preventive health care and health insurance : evidence for Portugal. Coimbra : [s.n.], 2014. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/25747
Abstract: A procura deliberada por cuidados preventivos de saúde deverá ser uma mudança expectável no comportamento dos indivíduos. Decorrente de uma envolvente contextual desafiante e que obriga a uma eficiente alocação de recursos, conduzindo os indivíduos a fazerem melhor uso da informação, rendimento e tempo. Ao longo desta tese apresentamos três ensaios distintos com vários elementos em comum: o estudo e análise de comportamentos individuais no domínio dos cuidados preventivos de saúde e uma dimensão de estilos de vida, utilização de dados individuais e recurso a modelos de regressão não lineares. Os ensaios, mesmo com objetivos diferentes, visam todos contribuir para algo fundamental: a compreensão dos fatores que ajudam a explicar as atitudes individuais relacionadas com comportamentos pró-ativos no domínio da saúde (prevenir), e, por sua vez, como estes esforços de prevenção influenciam algumas decisões individuais. Iniciamos a investigação (primeiro ensaio) com a análise do papel da informação no comportamento do indivíduo face ao processo de decisão associado à disponibilidade para pagar por cuidados preventivos de saúde. Avaliamos se a quantidade e tipo de informação detida pelo indivíduo influência a disponibilidade para pagar pela vacina da gripe A. Recorremos à especificação de um modelo de duas partes para analisar a disponibilidade para pagar, condicional num conjunto de variáveis de controlo, entre elas, as variáveis de informação. Os resultados mostram que o tipo de informação e o veículo privilegiado de informação utilizado pelos alunos, bem como o background dos mesmos, em termos de curso frequentado, influencia a disponibilidade pagar por cuidados de saúde preventivos. O segundo estudo muda o enfoque e explora a prevenção como elemento determinante de um comportamento, absentismo laboral. A nossa intenção foi a de analisar se o consumo de cuidados preventivos ajuda a explicar na taxa de absentismo. A evidência veiculada por esta análise sugere que um comportamento preventivo não influencia a decisão de faltar ao trabalho. Contudo, esta análise contém algumas limitações, designadamente na qualidade dos dados para medir comportamento preventivo. Finalmente, regressamos à prevenção como comportamento individual a explicar e analisamos as determinantes da decisão simultânea dos indivíduos de adotar comportamentos preventivos primários e secundários. Daremos especial enfoque ao papel do desemprego neste consumo. O interesse desta investigação reside no facto: 1) o desemprego pode conduzir o individuo a um pior estado de saúde geral; 2) por outro lado, numa situação de desemprego os indivíduos ficam com mais tempo livre para atividades promotoras de saúde, quer prevenção primária quer secundária; 3) se os desempregados usarem o seu tempo nessas atividades promotoras de saúde, poderá ter um efeito positivo no estado de saúde dos indivíduos, que de algum modo pode amenizar o efeito negativo do desemprego nesse mesmo estado de saúde. A principal mensagem a extrair deste estudo é que o desemprego influencia a procura de cuidados de saúde, embora o mesmo não se possa afirmar para a procura simultânea de cuidados preventivos. Apesar de algumas limitações, principalmente relativas à qualidade dos dados disponíveis, o desenvolvimento desta tese permite concluir que os comportamentos preventivos dos indivíduos são explicados multifactorialmente e que, pelo menos do ponto de vista teórico, também influenciam outras realidades da vida dos indivíduos.
The deliberate search for preventive health care should be an expected change in the behaviour of individuals. Due to a challenging and engaging context, an efficient allocation of resources is expected, leading individuals to make better use of information, income and time. Along this thesis we will present three distinct essays, each of them following a different methodological approach. However, they all have a common element: the analysis of the consumption of preventive health care and its relationship with individuals' health behaviour, the use of individual data and nonlinear models. The essays, even with different goals, were developed to contribute for something essential: an understanding of the factors that help explain individual attitudes toward proactive health behaviour (prevention), and in turn, how these preventing efforts could influence individual decisions. We started the research (first essay) exploring the impact of information possessed by the individual on his behaviour during a pandemic of H1N1 virus. We assess whether the information and the vehicle of information influence the willingness to pay for H1N1 flu vaccine. We developed a questionnaire, which we gave to a sample of 4193 university students (from Portugal, Greece and Spain). Its objective was to collect data on the WTP for an influenza shot during a pandemic period, along with other information about the individual. We adopted a Two-part model to analyse the research question. The results show that students tend to react differently depending on the source of information and whether they have a predisposition for buying the vaccine. The main medium of information appears to reinforce this decision. The second essay changes the focus and explores prevention as a crucial element in absenteeism behaviour. Our intention was to examine whether the use of preventive care explain the absenteeism rate. The evidence confined on essay analysis suggests that a preventive behaviour does not influence the decision to miss work. However, this analysis has some limitations, in particular, the quality of data to measure preventive behaviour. Finally, we return to prevention and individual behaviour to explain and analyze the determinants of simultaneous decision of individuals to adopt primary and secondary preventive behaviours. We will give special focus to the role of unemployment in consumption.The interest of this research was: 1) unemployment may lead the individual to a poorer general health status, 2) on the other hand, unemployed individuals have more free time to use preventive health care, either primary or secondary prevention, 3) if the unemployed use their free time in these health-promoting activities, could have a positive effect on the health status of individuals who somehow can mitigate the effect of unemployment. The main result from this study is that unemployment influences the demand for preventive health care, although the same is not true for the simultaneous demand for preventive care. Despite some limitations, especially regarding the quality of available data, the development of this thesis support the conclusion that preventive behaviours of individuals are explained by multifactors and that, at least from a theoretical point of view, also influences other dimensions of lifestyle.
Description: Tese de doutoramento em Economia, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
Peer review: Yes
URI: http://hdl.handle.net/10316/25747
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_sandra_oliveira.pdf2.34 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.