DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorGrande, Nuno-
dc.contributor.authorBernardino, Raquel Marina-
dc.date.accessioned2013-04-26T09:52:06Z-
dc.date.available2013-04-26T09:52:06Z-
dc.date.issued2012-12-
dc.identifier.citationBernardino, Raquel Marina Rocha -Coimbra : arquitectura e poder : três pólos universitários, três episódios na cultura arquitectónica portuguesa. Coimbra, 2012por
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/23310-
dc.descriptionDissertação de Mestrado Integrado em Arquitectura, apresentada ao Departamento de Arquitectura da F. C. T. da Univ. de Coimbra.por
dc.description.abstractEmbora não o soubéssemos na altura, o leitmotif que veio a dar origem a esta dissertação surgiu num dos primeiros trabalhos do curso. A (então) recentemente renomeada disciplina de Introdução à Cultura Arquitectónica pedia que de entre os vários temas marcantes da história da arquitectura escritos no quadro, se formasse um grupo e se escrevessem algumas páginas a propósito de um deles. Escolhemos, quase ao acaso, A Arquitectura das Ditaduras. Este trabalho serviu, ainda que sucintamente, como uma introdução ao interesse no tema da relação Arquitectura/Poder, que esperamos seja mais aprofundado nesta dissertação. A relação entre a arquitectura e os vários poderes e ideologias políticas e a forma como estes se materializam em edifícios ficou como interesse particular dentro da disciplina arquitectónica. Queremos reflectir sobre o que está a montante e jusante da Arquitectura, perceber melhor o que, mesmo sendo externo, lhe confere contexto e consequência. Pretendemos pensar a Arquitectura desta perspectiva, como parte política, na génese da sua encomenda, e como parte programática, na sua realização, interdisciplinar e comunitária no uso. Tendo sempre este tema como objectivo para a dissertação, faltava fazê-lo palpável, concreto, faltava um objecto que servisse como caso de estudo. Este surgiu prontamente nas primeiras conversas com o orientador: os 3 pólos universitários de Coimbra, como reflexos privilegiados dos poderes que lhes deram origem, três episódios na Cultura Arquitectónica Portuguesa. Serviria então como base óbvia e essencial a esta dissertação o ensaio de Nuno Grande 3 pólos universitários, 3 faces da arquitectura portuguesa no número 29 da revista Rua Larga. Planeados como novas “cidadelas”, os três Pólos Universitários de Coimbra tornaram-se, a seu tempo, em assentamentos “datados” – mesmo que incompletos – isto é, cristalizados nas suas opções urbanísticas e arquitectónicas.1 O presente estudo surge com a vontade de reflectir sobre a relação Arquitectura/Poder, pensando a arquitectura e o desenho urbano como inevitáveis inscrições do poder, uma vez que as experiências de grande escala serão assim frequentemente apoiadas. Pretendemos compreender o que contextualiza a arquitectura e como esta argumenta o ideário do poder que a sustenta. Tomaremos como casos de estudo três episódios na Cultura Arquitectónica Portuguesa, concretizados nos três pólos da Universidade de Coimbra. Questionaremos nesta relação Arquitectura/Poder as intervenções do ponto de vista do Estado que as encomenda: o que diferencia ou aproxima, na materialização, o desenho encomendado por um regime de poder autoritário, como o Estado Novo, de um regime pós 25 de Abril, numa primeira democratização do acesso ao Ensino Superior? E o que separará ou terão por sua vez em comum com o regime democrático actual no que diz respeito aos edifícios construídos e à cidade desenhada? Interessa-nos, na perspectiva da relação Arquitectura/Poder estudar sistematicamente os três pólos da Universidade. Tendo sido a Cidade Universitária do Estado Novo, Pólo I, objecto de um maior número de estudos, tencionamos colocar os três pólos em contraponto, perceber a encomenda que origina cada um deles, analisando-os do ponto de vista do desenho arquitectónico e de cidade, os aspectos que os distinguem e que os aproximam. Queremos, sobretudo, através dos três pólos, contar a história da cultura arquitectónica portuguesa nesses respectivos momentos. Vários autores exploraram já a relação Arquitectura/Poder. Deyan Sudjic em The Edifice Complex questiona a capacidade que a arquitectura terá de projectar um edifício com um significado inerente. Também Adrian Tinniswood em Visions of Power analisa esta relação ao longo da História, em vários edifícios e regimes assinaláveis que vão desde o Panteão de Adriano em Roma à nova cidade de Paris de François Mitterrand. A origem da Universidade em Portugal foi também já objecto de vários estudos: Joaquim Veríssimo Serrão, em A História das Universidades expõe o contexto na origem das primeiras universidades europeias. A compilação editada pela Fundação Calouste Gulbenkian, História da Universidade em Portugal trata os vários aspectos na origem e primeiros séculos depois da fundação dos Estudos Gerais portugueses. A Universidade na Cidade, prova de doutoramento de Rui Lobo, estuda o período de origem da universidade, respectivo urbanismo e arquitectura, até ao seu desenvolvimento pleno2. Como referência no estudo da reforma de D. João III tomaremos a tese de doutoramento de Walter Rossa, Divercidade: urbanografia do espaço de Coimbra até ao estabelecimento definitivo da Universidade. Pelo mesmo autor, o capítulo A cidade Portuguesa no terceiro volume da História da Arte Portuguesa coordenado por Paulo Pereira e O Verdadeiro Mapa do Universo, de Nuno Grande, servirão como referências quanto ao estudo da reforma Pombalina na Universidade de Coimbra. No livro Cidade Sofia, resultado de um ciclo de conferências no âmbito de Coimbra, Capital Nacional da Cultura 2003, com coordenação de Rui Lobo e Nuno Grande, reflecte-se sobre o programa da cidade universitária em vários exemplos de cidades europeias, em especial, Coimbra nos seus vários pólos. Nuno Rosmaninho em O Princípio de uma “Revolução Urbanística” no Estado Novo analisa, no período de 1934-1940, os primeiros planos para a Cidade Universitária de Coimbra com a intenção de melhor explicar a origem do projecto que nos anos seguintes viria a operar profunda remodelação urbanística na Alta da cidade. Em O Poder da Arte, O Estado Novo e a Cidade Universitária de Coimbra, do mesmo autor, temos uma análise detalhada da intervenção do Estado Novo na Cidade Universitária de Coimbra. O autor analisa a construção dessa cidade como uma das melhores expressões de arquitectura de poder do Estado Novo, afirmando que poucas obras revelarão tão claramente o uso propagandista do património. Várias provas finais de licenciatura em Arquitectura tiveram como objecto de estudo a edificação levada a cabo pelo Estado Novo, algumas das quais analisam a Cidade Universitária de Coimbra. Destas destaca-se a prova Expressão: Fascista? O Percurso da Cidade Universitária de Coimbra como expressão de uma arte política de Sílvia Benedita onde é estudada a cidade universitária como instrumento de um poder. No que diz respeito ao estudo do Pólo II, existe a prova final de Filomena Pinheiro, Pólo II: uma Nova (Univer)Cidade. A dissertação de doutoramento de Maria Madalena Aguiar da Cunha Matos, As cidades e os campi, será referência quanto ao estudo dos edifícios universitários em Portugal. Nos dois pólos mais recentes, a base fundamental do estudo serão necessariamente os documentos consultados no Gabinete para as Novas Construções da Reitoria da Universidade de Coimbra e os documentos cedidos ao Arquivo da Universidade de Coimbra pelo antigo Pró-Reitor, Professor Carlos Sá Furtado. A pertinência do trabalho aqui proposto prende-se com a análise que porá em contraponto, para cada um dos três pólos universitários, o contexto que lhes deu origem, a encomenda e o poder que a sustentou, e como este terá eventualmente condicionado a resposta dos arquitectos no desenho. Pretendemos perceber as intenções da Universidade e de todo o seu desenvolvimento desde a génese da encomenda ao processo de construção. A importância desde estudo estará também na perspectiva da relação Arquitectura/Poder no estudo dos Pólos II e III e a sistematização e contraponto com a cidade universitária de Cottinelli Telmo, já alvo de mais estudos pormenorizados. Assim, no capítulo ZERO, de contextualização e antecedentes, começaremos por fazer uma breve reflexão sobre a relação Arquitectura/Poder que será fio condutor da dissertação. Estudaremos brevemente a origem da Universidade em Portugal como antecedente da fixação da instituição em Coimbra. Neste estudo interessar-nos-á particularmente, a mudança definitiva dos Estudos Gerais para Coimbra com a reforma de D. João III. Analisaremos também a reforma levada a cabo pelo Marquês de Pombal e consequentes e particulares reflexos na Universidade de Coimbra. Interessa-nos, mais que fazer um estudo aprofundado que aqui não caberia, fazer uma breve análise, do ponto de vista da relação Arquitectura/Poder da fundação da Universidade e respectivas reformas fundamentais anteriores ao Estado Novo: a de mudança definitiva para Coimbra levada a cabo por D. João III, e a do Marquês de Pombal que rematou o processo de expulsão dos Jesuítas e reforma do ensino, até então monopolizado pela Companhia. Seguiremos depois, no capítulo UM, com os três episódios na arquitectura portuguesa, o primeiro dos quais será o período do Estado Novo, cujas opções tomadas na construção da Cidade Universitária de Coimbra tomaremos como caso de estudo. Interessa-nos perceber a génese do projecto, a sua relação com a cidade existente, o modo como se relaciona com o regime político que o apoia. Saber como nasce a cidade universitária contra a topografia e memória da velha Alta, como é imposta a planta e como aparece a nova linguagem arquitectónica monumental-nacionalista. No capítulo DOIS debruçar-nos-emos sobre o estudo do Pólo II, Pólo das Engenharias, como objecto resultante e, de certa forma, representativo do contexto pós-25 de Abril em Portugal com a democratização do acesso ao Ensino Superior e consequente acréscimo do número de cursos, disciplinas e estudantes. Analisaremos as intenções e condicionantes no concurso para o plano do Pólo II e os desígnios e teoria na base da proposta vencedora dos arquitectos Camilo Cortesão e Mercês Vieira. Tentaremos perceber a resposta de cada um dos arquitectos para os diferentes edifícios e programas, e respectiva concretização numa aparente consistência tipológica e uniformidade formal e material. Interessa-nos perceber a encomenda da Universidade, sob um poder democrático, necessariamente mais difuso. No capítulo TRÊS, o objecto de estudo final será, necessariamente, o Pólo III, das Ciências da Saúde, localizado na zona de Celas, junto do Hospital Universitário inaugurado em 1987. Observaremos as condicionantes impostas no plano do arquitecto Eduardo Rebello de Andrade e a resposta dada no projecto de cada um dos edifícios. Na sua maioria assinadas por ateliers de jovens (colectivos) de arquitectos, e objecto de concurso público, cada um dos edifícios parece assumir-se como um objecto, num aparente novo tipo de racionalismo, eminentemente formal, numa desmaterialização da escala e da leitura de pisos e vãos, que o autonomiza.3 Concluiremos, no capítulo QUATRO, pondo em contraponto os três casos de estudo, desde o contexto na respectiva génese, poder que o apoiou na encomenda e materialização. Compararemos a forma como cada um dos pólos universitários desenhou a cidade e interagiu com o existente, a sua concretização, linguagens utilizadas e respectiva coerência e intenção. Por último, no capítulo Anexos estará o importante ponto de vista de pessoas com um papel chave no processo de construção da Universidade de Coimbra através de entrevistas: o Engenheiro Rui Prata, o Professor Carlos Sá Furtado, o Arquitecto Eduardo Rebello de Andrade e a Doutora Teresa Mendes.por
dc.language.isoporpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectUniversidade de Coimbrapor
dc.titleCoimbrapor
dc.typemasterThesispor
dc.peerreviewedYespor
item.fulltextCom Texto completo-
item.grantfulltextopen-
crisitem.advisor.deptFaculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra-
crisitem.advisor.researchunitCentre for Social Studies-
Appears in Collections:FCTUC Arquitectura - Teses de Mestrado
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Coimbra_Arquitectura e Poder - Raquel Bernardino.pdf101.06 MBAdobe PDFView/Open
Show simple item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.