Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10316/20295
Título: O «Vértice» de uma Renovação Cultural. Imprensa periódica na formação do Neo-Realismo (1930-1945)
Autor: Dias, Luís Augusto Costa 
Orientador: Torgal, Luís Reis
Pita, António Pedro
Palavras-chave: Vértice (publicação periódica); Imprensa periódica
Data: 9-Jul-2012
Citação: DIAS, Luís Augusto Costa - O «Vértice» de uma renovação cultural. Imprensa periódica na formação do neo-realismo (1930-1945). Coimbra : [s.n.], 2012. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/20295
Resumo: Procurando dar respostas a uma linha de pesquisa aberta pelo grupo de Correntes Artísticas e Movimentos Intelectuais sediada no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra, o presente trabalho visou inquirir se o Neo-Realismo português constituiu uma corrente estética, portador de uma visão estética própria e alternativa aos modelos seus contemporâneos, a partir do território histórico em que os seus protagonistas se confrontaram em (e com) determinadas circunstâncias da vida cultural e política. Tratava-se de saber se (e como) o Neo-Realismo resistiu ou não a um apelo exclusivamente diacrónico, num tempo em que importantes batalhas pareciam sugerir aos escritores e artistas um empenhamento imediato da literatura e da arte em torno de um conteúdo; mas também se a doutrinação estética então produzida, com maior ou menor lucidez que a urgência da realidade e os níveis de maturidade dos seus autores teriam permitido, sustentou as práticas criativas; e, finalmente, se as respostas da criação literária, artística e ensaística evidenciaram, por parte dos protagonistas, resultados concordantes, unívocos ou, pelo contrário, terão aberto soluções dissonantes ou justapostas. Para tal, foram empreendidas investigações no sentido de recensear os percursos pessoais e as trajectórias de grupos aí onde os afloramentos exploratórios, espontâneos na criação e na reflexão deram lugar a uma organização da espontaneidade num amadurecimento em público – processo de formação em que o surgimento de tais protagonistas em publicações periódicas juvenis, num longo período entre 1931 e 1940, se desvelou como processo discursivo, de pensamento e de criação em devir, até ao momento da sua consagração como autores e, conjuntamente, como movimento cultural.
Descrição: Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de História da Cultura, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/20295
Direitos: openAccess
Aparece nas coleções:FLUC Secção de História - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato
Vértice.pdf4.53 MBAdobe PDFVer/Abrir
Anexo.pdf2.64 MBAdobe PDFVer/Abrir
Mostrar registo em formato completo

Visualizações de página 50

462
Visto em 1/jul/2020

Downloads 10

2.004
Visto em 1/jul/2020

Google ScholarTM

Verificar


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.