Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/18111
Title: O que é que os médicos e farmacêuticos sabem sobre o sistema de preços e comparticipação de medicamentos em Portugal ?
Authors: Jerónimo, Ana Sofia Roxo 
Orientador: Ribeiro, Carlos Alberto Fontes
Keywords: Medicamentos; Comparticipação; Preço; Médicos; Farmacêuticos
Issue Date: 7-Dec-2011
Publisher: FEUC
Citation: Jerónimo, Ana Sofia Roxo - O que é que os médicos e farmacêuticos sabem sobre o sistema de preços e comparticipação de medicamentos em Portugal ?. Coimbra, 2011
Abstract: O sistema de preços e comparticipação dos medicamentos em Portugal tem vindo a alterar-se, adaptando-se tanto à evolução tecnológica e desenvolvimento social como às necessidades de sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde. Estas alterações têm sido frequentes e implicam que os principais envolvidos no sistema, nomeadamente médicos e farmacêuticos, que lidam directamente com o doente, tenham necessidade de se adaptar a novas regras, apreender novos conceitos e conhecer as abordagens políticas, para que eles próprios possam comprometer-se com estas, acomodando-as no seu trabalho de prescrição e aconselhamento. Este estudo teve como objectivo avaliar o nível de conhecimento, conhecer os principais meios de informação e a opinião de médicos e farmacêuticos sobre o sistema preços e comparticipação de medicamentos em Portugal. Para tal, foi construído um inquérito e aplicado a um painel de 118 médicos e 149 farmacêuticos de várias áreas de actividade e a exercer em Portugal. Em geral, os farmacêuticos têm maior conhecimento do que os médicos sobre o sistema. Os médicos e farmacêuticos responderam correctamente, em média, a 47%±17% e 70%±18%, respectivamente, das perguntas de conhecimento. As opiniões foram semelhantes entre médicos e farmacêuticos no que concerne às afirmações apresentadas. Destaca-se que a maioria dos inquiridos se preocupa com o custo da terapêutica e é da opinião que o sistema tem evoluído em prejuízo do doente. Alguns aspectos do sistema, nomeadamente a elevada complexidade e falta de transparência, foram criticados negativamente por ambos. É ainda de salientar que 66,1% dos médicos e 71,8% dos farmacêuticos inquiridos classificam como “razoável” o sistema de preços e comparticipações de medicamentos em Portugal. A maioria dos médicos e farmacêuticos que aceitou participar no inquérito apontou, como principais fontes de informação sobre o tema, o programa informático do local de trabalho (73,7% e 69,1%, respectivamente) e o site do Infarmed (58,5% e 97,3%, respectivamente). Os médicos destacaram ainda o Prontuário Terapêutico (n=73;61,9%) e os Delegados de Informação Médica (n=62;52,5%), e os farmacêuticos a troca de informação com colegas de trabalho (n=82;55%). Os resultados revelaram que há falhas nesta matéria na formação académica dos profissionais inquiridos e que estes têm interesse pelo tema. Deverá haver maior concertação na transmissão de informação entre os vários agentes envolvidos na política de preço e comparticipação de medicamentos, nomeadamente quando surge alguma alteração à lei. Poderá pensar-se em reorganizar o sistema de comparticipação, tornando-o mais transparente e de fácil aplicação e compreensão, promovendo o envolvimento e responsabilização dos seus intervenientes.
Description: Dissertação de mestrado em Gestão e Economia da Saúde, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Carlos Alberto Fontes Ribeiro.
URI: http://hdl.handle.net/10316/18111
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado
UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Ana_Jerónimo_tese_MGES_2011.pdf3.25 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

272
checked on Aug 10, 2022

Download(s) 50

275
checked on Aug 10, 2022

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.