Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1781
Title: Estratigrafia e sedimentologia da formação de Figueira da Foz: Aptiano a Cenomaniano do sector norte da Bacia Lusitânica
Authors: Dinis, Jorge Manuel Leitão 
Orientador: Reis, Rui Paulo Bento Pena dos
Keywords: Estratigrafia e Paleontologia; Geologia
Issue Date: 17-Feb-2000
Citation: Estratigrafia e sedimentologia da formação de Figueira da Foz: Aptiano a Cenomaniano do sector norte da Bacia Lusitânica. Coimbra: [s.n.], 1999, XVI, 381 p.
Abstract: A instalação, para norte, da acreção oceânica ao longo da margem oeste (sectores do Tejo, Ibérico e Galiza) ocasionou a rotação anti-horária e translação para leste da Ibéria, e ainda tensão intraplaca. A exumação do manto (Berriasiano sup.) e início da acreção oceânica no sector Ibérico (Barremiano) gerou empolamento, halocinese, carsificação e intrusão de diques no sector norte da Bacia Lusitânica. As litofácies, elementos arquitecturais, paleocorrentes, dados de subsuperfície e paleontologia da Formação de Figueira da Foz permitiram a identificação de três macrossequências: - FF1 (Aptiano sup.): limitada pela descontinuidade "breakup", a progradação inicial (base do cortejo pós-rifte tardio) reflecte o empolamento do noroeste da Ibéria devido ao começo da acreção oceânica no sector da Galiza. A subsequente subida eustática com máximo no Aptiano terminal ocasiona retrogradação e "on-lap" do Membro de Calvaria (planície entrançada não confinada) e do Membro de Famalicão, uma planície fluvial a deltaica ligada a uma plataforma mista. - FF2 (Albiano): correlaciona-se a base do ciclo, a máxima progradação do Membro de Salgueira, com o início da acreção oceânica no Golfo da Biscaia. Aquele sistema entrançado a divagante passa lateral e superiormente ao Membro de Gondemaria (rios arenosos divagantes) e distalmente ao Membro de Faneca, uma frente de delta entrançado a prodelta, com lagos e lagunas salobres. O máximo eustático do Albiano superior está registado na plataforma carbonatada marinha a oeste. - FF3 (Cenomaniano inferior a base do superior): a transpressão da Ibéria com a Eurásia e a compressão com África, bem como uma descida supraregional do nível do mar, podem explicar a progradação, na base do ciclo, dos membros de Salgueira e de Gondemaria. Para oeste e acima estas unidades transitam ao Membro de Caldelas, um delta entrançado com influência mareal e lugunas com salinidade variável, que passa distalmente ao Membro de Cachucho - considerado como um prodelta sobre uma plataforma mista com planícies supramareais e lagunas. Após uma progradação menor do Membro de Caldelas (queda eustática ?), a deposição marinha carbonatada inicia-se na área em estudo no Cenomaniano inferior terminal, ocorrendo a máxima transgressão no Cenomaniano superior basal.
Description: Tese de doutoramento em Geologia (Estratigrafia e Paleontologia) apresentada à Fac. de Ciências e Tecnologia da Univ. de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/1781
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Terra - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 50

368
checked on Jul 9, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.