Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1673
Title: Regulação da secreção de catecolaminas pelos receptores muscarínicos em células cromafins
Authors: Duarte, Emília da Conceição Pedrosa 
Keywords: Bioquímica; Catecolaminas; Células cromafins
Issue Date: 16-Nov-1990
Abstract: Os mecanismos de estimulação da secreção de catecolaminas pelos receptores colinérgicos muscarínicos foram estudados em células cromafins isoladas das glândulas supra-renais do porco e mantidas em cultura. A libertação de catecolaminas induzida por agonistas muscarínicos é parcialmente inibida na ausência de Ca2+ livre no meio externo, ou quando os canais de Ca2+ da membrana plasmática são bloqueados por Mg2+, enquanto que a secreção induzida por despolarização com K+ é completamente inibida. Os receptores muscarínicos e a despolarização com K+ induzem aumentos da concentração de Ca2+ no citoplasma ([Ca2+]c). Na ausência de Ca2+ extracelular, os agonistas muscarínicos induzem pequenos aumentos transitórios da [Ca2+]c devidos à mobilização de Ca2+ interno. A libertação de Ca2+ de compartimentos intracelulares é provavelmente induzida pelo inositol 1,4,5-trisfosfato uma vez que observámos aumento da produção de fosfoinositóis após estimulação dos receptores muscarínicos. Estes resultados demonstram que a secreção de catecolaminas induzida pelos receptores muscarínicos envolve o influxo de Ca2+ externo e a mobilização de Ca2+ armazenado em compartimentos intracelulares. A despolarização prolongada das células, condição que inactiva os canais de Ca2+ sensíveis ao potencial, não afecta a libertação de catecolaminas induzida pelos receptores muscarínicos mas inibe completa-mente a secreção induzida por K+. No entanto, a predespolarização das células inibe parcialmente o aumento da [Ca2+]c após estimulação dos receptores muscarínicos. Estes resultados sugerem que os agonistas muscarínicos activam canais de Ca2+ operados pelo receptor e canais de Ca2+ sensíveis à voltagem nas células cromafins. O envolvimento de proteínas G na secreção de catecolaminas foi estudado com a toxina pertussis que inactiva alguns tipos de proteínas G. O tratamento das células com a toxina pertussis aumenta a libertação de catecolaminas induzida por agonistas muscarínicos ou pelo K+. Estes resultados mostram que os receptores muscarínicos envolvidos na secreção de catecolaminas não estão associados a proteínas G substratos da toxina pertussis, mas existem proteínas G sensíveis a esta toxina que inibem a secreção de catecolaminas.
Description: Tese de doutoramento em Ciências (Bioquímica) apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/1673
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Vida - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 50

321
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.