Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1585
Title: Outros sabores do passado : as análises de oligoelementos e de isótopos estáveis na reconstituição da dieta das comunidades humanas do Mesolítico Final e do Neolítico Final-Calcolítico do território português
Authors: Umbelino, Cláudia Isabel Soares 
Orientador: Cunha, Eugénia Maria Guedes Pinto Antunes da
Pérez-Pérez, Alejandro
Keywords: Antropologia Biológica; Paleodiet; Trace elements; Carbon and nitrogen stable isotopes; Human and faunal bones; Late Mesolothic; Late Neolithic/Chalcolithic, Portugal
Issue Date: 12-Jun-2006
Abstract: A presente dissertação tem por desígnio central a caracterização da dieta das comunidades humanas que ocuparam o território português durante o Mesolítico final e o Neolítico final/Calcolítico, mediante a realização de análises químicas dos ossos, concretamente de oligoelementos e dos isótopos estáveis de carbono e de azoto. Encerrando a dieta uma componente biológica indissociável das expressões de natureza comportamental assume a maior relevância na compreensão do modo de adaptação dos indivíduos ao meio ambiente e, por conseguinte, dos padrões de subsistência perfilhados, pelo que com a sua investigação procura-se aportar um novo olhar sobre as comunidades de caçadores-recolectores-pescadores e agro-pastoris, em essência trazer a lume outros sabores do passado. Para o efeito são perscrutados os cocheiros de Muge (Cabeço da Amoreira, Cabeço da Arruda e Moita do Sebastião) e do Sado (Arapouco, Cabeço das Amoreiras, Cabeço do Pez, Poças de S. Bento e Vale de Romeiras), datados grosso modo entre 7500 e 5500 anos BP, e seis sítios arqueológicos do Neolítico final/Calcolítico ( Abrigo da Carrasca, Eira Pedrinha, Gruta dos Alqueves, Hipogeu de S. Paulo, Pai Mogo I e Tholos Cabeço da Arruda), com balizas cronológicas que se situam entre 4780 e 3800 anos BP. Com o intuito de determinar as concentrações dos diferentes elementos presentes nos ossos foram submetidos à análise instrumental por activação com neutrões (INAA) 200 amostras ósseas, correspondentes a 186 indivíduos humanos e a 14 animais. A análise dos isótopos estáveis de carbono e de azoto no colagénio de ossos humanos foi realizada num total de 18 amostras ósseas humanas. Dos resultados auferidos é de salientar a constatação de marcadas diferenças no regime alimentar entre as comunidades do Mesolítico final e as do Neolítico final/Calcolítico, mais diversificado nas primeiras, baseado na exploração de um amplo espectro de recursos alimentares disponíveis do Tejo e do Sado, designadamente de origem marinha e terrestre, animal e vegetal. A importância relativa dos alimentos marinhos na dieta é mais acentuada nos concheiros de Muge, com uma proporção da ordem dos 50%, do que nos seus congéneres do Sado, onde estes recursos constituem aproximadamente 30% da dieta. As sociedades agro-pastoris do Neolítico final/Calcolítico exibem uma maior homogeneidade, uma vez que se baseiam sobretudo em alimentos de origem terrestre, sendo todavia, de notar uma certa diversidade no que respeita à relevância da agricultura e da pastorícia nas distintas comunidades. A pastorícia representa uma actividade económica de peso apenas nos grupos populacionais do interior, Abrigo da Carrasca e Gruta dos Alqueves, costituindo a agricultura cerealifera e de leguminosas a actividade preponderante, pese embora a intensidade da sua exploração seja, mais uma vez, variável. O contributo dos alimentos marinhos não é significativo, com excepção do Hipogeu de S. Paulo, onde estes compõem perto de 32% da dieta. A heterogeneidade constatada, quer nas comunidades do Mesolítico final, manifestamente mais acentuada, quer nas do Neolítico final/Calcolítico parece decorrer de adaptações particulares ao seu meio ambiente. PALAVRAS-CHAVE Paleodiedas, Oligoelementos, Isótopos estavéis de carbono e de azoto, Ossos humanos e faunísticos, Mesolítico final, Neolítico final/Calcolítico, Portugal.
The present thesis main purpose is the diet characterization of the human communities who occupied the Portuguese territory between the Late Mesolithic and the Late Neolithic/Chalcolithic, through chemical analysis of bones, namely trace elements and carbon and nitrogen stadie isotopes. Since diet encloses a biological component inseparable from the expressions of behavioural nature, it assumes a major relevance in the comprehension of how individuals adapt to their environments and therefore of the subsistence patterns adopted. So, with this investigation a new insignt into these nunter-gatherers-nsners and agro-pastoral communities is pursued, essentiany, it is our purpose to oring to light other flavours from the past. With this aim the Muge shell middens (Cabeço da Amoreira, Cabeço da Arruda and Moita do Sebastião) and their counterparts of Sado /Arapouco, Cabeço das Amoreiras, Cabeço do Pez, Poças de S. Bento and vale de Romeiras) dated between 1500 and 5500 BP are anaryseo, as wen as six Late Neolithic/Chalcolithic archaelogical sites , Abrigo da Carrasca EiraPedrinha, Gruta dos Alqueves, Hipogeu de S. Paulo, Pai Mogo I and Tholos Cabeço da Arruda, with choronological boundaries between 4780 and 3800 BP. The trace elements analysis took place at Instituto Tecnológico e Nuclear, in Sacavém, Portugal, where by means of instrumental neutron activation analysis (INAA) the concentrations of the elements Ca, Sr, Zn,Ba, MG, Mn and y existent in human and raunai bones were determined, in a total of 200 samples, corresponding to 186 human individuals and 14 animal ones. The carbon and nitrogen stable isotopes analysis of human bone collagen was performed in a total of 18 human bone samples. From the resuits obtained it is important to nignngnt the marked amerences in diet between the Late Mesolithic and Late Neolithic/Chalcolithic populations, more diverse on the first ones, based on the exploration of a large spectrum of the available food resources in Tejo and Sado estuaries, namely of marine and terrestrial, animal and vegetable sources. The relative importance of marine food in diet is more pronounced in the Muge shen middens,with a proportion of 50%, than in the sadd ones, where these resources made up nearry 50% of the diet. The agro-pastoral societies from the Late Neolithic/Chalcolithic show a greater homogeneity, since they primarily rest on terrestrial foods. Nevertheless, it should be noted some diversity in respect to the importance of agriculture and herding of livestock in the amerent communities the neroing of investock represents an important economic activity ony in the inner population groups, Abrigo da Carrasca and Gruta dos Alqueves, being the cereal and leguminous cultivation the main activity, although the intensity of its exploration is, once again, variable. The contribution of marine food is not significant, except to Hipogeu de S. Paulo, where they made up almost 32% of the diet, the observed neterogenery dotn in Late Mesonthic, ciearry more pronounced, and in the Late Neolithic/Chalcolithic seems to resuit from particular adaptatains to their environments.
URI: http://hdl.handle.net/10316/1585
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:I&D CIAS - Teses de Doutoramento
FCTUC Ciências da Vida - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

395
checked on Apr 23, 2019

Download(s)

50
checked on Apr 23, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.