Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/15817
Title: Agrimonia eupatoria L. e Equisetum telmateia Ehrh.: perfil polifenólico e capacidade de captação de espécies reactivas de oxigénio
Authors: Correia, Helena Sofia Nogueira 
Orientador: Batista, Maria Teresa Pereira Marques
Silva, Teresa do Carmo Pimenta Dinis e
Keywords: Agrimonia eupatoria; Polifenóis; Antioxidantes; Radicais livres
Issue Date: 2005
Abstract: A Agrimonia!eupatoria!L.!(Rosaceae) e o Equisetum!telmateia!Ehrh.!(Equisetaceae) são duas plantas usadas na medicina tradicional, pelas suas propriedades anti-inflamatórias, sob a forma de extractos hidro-alcoólico e aquoso, respectivamente. Em situações inflamatórias, as células fagocíticas activadas, formam e libertam quantidades elevadas de espécies reactivas de oxigénio!(ROS), que protegem o organismo contra agentes nocivos. No entanto, o excesso de ROS é responsável pela destruição celular e tecidular, que pode ocorrer por acção directa, por degradação oxidativa de componentes celulares essenciais; ou por acção indirecta, por alteração do equilíbrio normal proteases/antiproteases. É sabido que, compostos com actividade antioxidante, nomeadamente, os polifenóis, captam as espécies reactivas de oxigénio e reduzem, deste modo, o stresse oxidativo responsável pela destruição celular, podendo contribuir para a prevenção ou retardamento das situações inflamatórias. Os polifenóis estão presentes em muitas plantas superiores, mas a sua estrutura molecular influencia marcadamente as diversas actividades farmacológicas que lhe têm sido atribuídas. O objectivo do presente estudo, foi verificar se a actividade anti-inflamatória atribuída à agrimónia e ao equisetum estaria relacionada com a sua capacidade de captar espécies reactivas de oxigénio, envolvidas em processos inflamatórios, e tentar estabelecer uma relação entre a composição polifenólica e a actividade antioxidante. Assim, prepararam-se fracções de acetato de etilo, a partir dos respectivos extractos, que foram quimicamente caracterizadas, por cromatografia líquida de alta resolução!(HPLC) acoplada a detecção por díodos!(DAD), a espectrometria de massa!(MS) e com detecção, “on-line”, após reacção química com o p-dimetilaminocinamaldeído!(DMACA). A análise por HPLC/DAD/ESI-MS permitiu concluir que a Agrimonia!eupatoria!L. é constituída, essencialmente, por catequina, procianidinas diméricas!(B1, B2, B3, B6, B7), triméricas!(EEC, C1, C2) e algumas tetraméricas; por glicosilflavonóis derivados da quercetina!(quercetina 3-O-glucósido, quercetina 3-O-galactósido) e do canferol!(canferol 3-O-glucósido), assim como por um derivado acetilado do canferol![canferol 3-O-(6’’-p -cumaroíl)glucósido]; por C-glicosilflavonas, nomeadamente a isovitexina!(6–C–glucosilapigenina); e por ácidos fenólicos!(ácido protocatéquico e ácido p-cumárico). A identificação das procianidinas foi confirmada por reacção química pós-coluna, com o DMACA. No Equisetum!telmateia!Ehrh., a análise por HPLC/DAD/ESI-MS permitiu associar os principais polifenóis presentes a proantocianidinas do tipo!A, derivados da (epi)afzelequina, procianidinas B2 e C1; e a derivados do canferol!(canferol acetil-di-hexose, canferol ramnósido-glucósido, canferol 3-O-glucósido, canferol 3-O-acetilglucósido e canferol acetilglucósido-ramnósido). Paralelamente, os extractos e as fracções foram testados relativamente à sua capacidade de captar espécies reactivas de oxigénio. Ambos, extractos e fracções, apresentaram um elevado potencial antioxidante, como demonstrado pela capacidade de reduzir o radical livre DPPH. Posteriormente, verificou-se que possuíam capacidade para reagir com o O2˙¯, ˙OH, H2O2, HOCl, ONOO¯ e ROO˙, tal como foi avaliado pela inibição da redução do azul de nitrotetrazolio, diminuição da degradação da desoxi-ribose, diminuição da formação do tetraguaiacol, pela protecção da actividade da elastase e pela diminuição da oxidação da di-hidro-rodamina e da R-ficoeritrina, respectivamente. Adicionalmente, inibiram a peroxidação lipídica, como demonstrado pela inibição da formação dos dienos conjugados. De um modo geral, as fracções exibiram actividades significativamente superiores à dos respectivos extractos, apontando para um potencial antioxidante superior. As diferenças de actividades entre extractos e fracções sugerem um envolvimento, dos polifenóis presentes nas fracções, na captação das espécies reactivas, o que nos leva a sugerir que a actividade anti-inflamatória proposta para a Agrimonia!eupatoria!L. e para o Equisetum!telmateia!Ehrh. se deve, pelo menos em parte, à presença de compostos, com significativa actividade antioxidante, como aqueles identificados neste trabalho. No entanto, trabalhos futuros, realizados in!vitro e in!vivo, são necessários para confirmar a actividade antioxidante como mecanismo de protecção dos processos inflamatórios
URI: http://hdl.handle.net/10316/15817
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese de Mestrado Helena Correia.pdf8.76 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

508
checked on Jun 9, 2021

Download(s) 50

613
checked on Jun 9, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.