Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/15570
Title: Percepção de factores de risco e de protecção ao desenvolvimento infantil:a questão da resiliência educacional
Authors: Lopes, Patrícia Esperança 
Orientador: Urbano, Pedro Manuel Malaquias Pires
Keywords: Resilência (psicologia); Desenvolvimento da criança, factores de risco
Issue Date: 2010
Serial title, monograph or event: Percepção de factores de risco e de protecção ao desenvolvimento infantil :a questão da resiliência educacional
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: O presente estudo incide sobre a questão da resiliência psicológica em contexto escolar e, mais especificamente, as percepções que os educadores têm sobre os factores de risco e de protecção ao desenvolvimento infantil, que poderão conduzir à resiliência educacional. O objectivo foi analisar a percepção que os educadores têm dos diferentes factores, bem como verificar se existe correspondência entre as suas percepções e a prática educativa; ou seja, se os agentes educativos podem funcionar como promotores de resiliência educativa através da sua prática. Como tal, avaliaram-se também os diferentes tipos de práticas implementadas e valorizadas pelos educadores de infância, tendo-se procurado analisar possíveis diferenças em função de variáveis como idade do educador, vínculo laboral, local de ensino (público, privado, IPSS) e zona de trabalho (rural ou urbana). No estudo empírico utilizaram-se dois instrumentos concebidos para o efeito, além de uma “Ficha de Dados Sócio-demográficos”: o “Questionário de Caracterização de Práticas Educativas” (QCPE) e o “Questionário de Percepção de Factores de Risco e de Protecção ao Desenvolvimento Infantil” (QPFRPDI). Os sujeitos da amostra foram 139 educadores de infância, com idades compreendidas entre os 22 e os 56 anos de idade, de diversas instituições da zona centro do país. Os resultados obtidos sugerem que os educadores percepcionam, de uma forma geral, os factores de risco e de protecção ao desenvolvimento infantil, não tendo sobressaído diferenças significativas em função das variáveis em estudo. No que respeita às dimensões da prática educativa, verificou-se que existem práticas mais utilizadas, como o “Planeamento de Actividades” e outras menos utilizadas como aquelas relacionadas com a “Participação dos Pais”. São evidentes diferenças significativas na adopção de algumas práticas educativas, em função do tipo de vínculo de trabalho, da idade dos educadores e do local de trabalho. Relativamente à associação entre a percepção dos factores de risco e de protecção ao desenvolvimento e as práticas educativas, podemos dizer que não se verificaram associações entre elas, com excepção para a prática “Participação dos Pais” e o factor “Características da Comunidade”. Ou seja, parece ser evidente, na amostra estudada, uma discrepância entre as concepções e as práticas dos educadores.
This study falls on the question of resilience within a school context, more specifically on the perceptions of educators regarding risk factors and protection of child development which can lead to educational resilience. The objective is to analyze the perception that educators may have of the different factors and to verify if there is any link between their perceptions and their educational practices and therefore if educators are indeed promoters of educational resilience through their own practice. Accordingly we will also evaluate the different types of practices implemented and valued by kindergarten teachers trying to analyze possible differences in function of variables such as the age of the educator, employment conditions, type of school (public, private or IPSS) and area of work (rural or urban). Three instruments conceived for this purpose were used, a “Social-Demographic Data File”, a “Characterization of Educational Practices Questionnaire” (QCPE) and “Perception of Risk Factors and of Protection of Child Development Questionnaire” (QPFRPDI). The subjects of this study were 139 kindergarten teachers aged between 22 and 56 years old from different schools in the center zone of the country. The results suggest that educators, generally speaking, have a perception of risk factors and of protection of child development, without any significant differences regarding the variables in this study. 14 Regarding the dimension of the educational practice it was clear that some practices are utilized more often, like “Activities Planning”, and others less often like “Parent’s Participation”. Significant differences in the adoption of certain educational practices are evident based on employment conditions, age of educators and place of work. In regards to the link between perception of risk factors and protection to development, and educational practices, we can say that such link does not exist, with the exception to the practice “Parent’s Participation” and the factor “Community Characteristics”. In short, a discrepancy is evident between the conceptions and practice of educators. Keywords: Educational resilience, protection factors, risk factors, educational practices, kindergarten teachers, competence.
Description: Dissertação de Mestrado em Psicologia, área de especialização em Psicologia Pedagógica, apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/15570
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Mestrado

Show full item record

Page view(s)

269
checked on Sep 29, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.