Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/14925
Title: O enfermeiro e as técnicas não farmacológicas no controlo da dor : informação-aplicação
Authors: Sousa, Maria de Fátima Cardoso de Oliveira de 
Orientador: Quartilho, Manuel João
Keywords: Dor -- prevenção e controlo; Terapias complementares; Enfermeiros
Issue Date: 2009
Citation: Sousa, Maria de Fátima Cardoso de Oliveira de - O enfermeiro e as técnicas não farmacológicas no controlo da dor : informação-aplicação. Coimbra : [ed. do autor], 2009
Abstract: A dor é uma das principais causas de sofrimento humano, comprometendo a qualidade de vida das pessoas, interferindo no seu bem - estar físico e psicossocial. Se nem sempre é possível os profissionais de saúde eliminarem a dor, os enfermeiros pelo contacto frequente que têm com os doentes desempenham um papel fundamental na implementação de acções para o seu controlo, através da aplicação de técnicas não farmacológicas, reduzindo o sofrimento associado à dor não aliviada. O controlo da dor torna-se mais eficaz quando envolve técnicas farmacológicas e não farmacológicas (tais como o relaxamento, a massagem, a distracção, a aplicação de calor e do frio, entre outras). Estas últimas são, na sua maioria, de baixo custo e de fácil utilização podendo serem ensinadas aos doentes e cuidadores e aplicadas em meio hospitalar e no domicílio. A questão central que orientou esta investigação diz respeito à informação que os enfermeiros possuem sobre as técnicas não farmacológicas e a aplicação das mesmas no controlo da dor. Este estudo contou com uma amostra constituída por 138 enfermeiros prestadores de cuidados.Trata-se de um estudo descritivo correlacional, em que os dados foram obtidos através da aplicação de um questionário constituído, por questões inerentes aos dados pessoais e profissionais e por um conjunto de afirmações que permitiram conhecer a informação que os enfermeiros possuem sobre técnicas não farmacológicas no controlo da dor. A análise estatística realizada revelou que 97,1% dos enfermeiros possuem informação sobre as técnicas não farmacológicas no controlo da dor. O nível de informação que os enfermeiros possuem sobre estas técnicas é diferente consoante a sua categoria profissional. Os enfermeiros com formação específica sobre “a dor e as técnicas não farmacológicas no seu controlo” demonstraram possuir mais informação sobre as mesmas. Os enfermeiros que aplicam sempre estas intervenções apresentaram um valor médio de informação mais elevado. Verificou-se uma diferença acentuada no número de enfermeiros que refere aplicar sempre as técnicas não farmacológicas no controlo da dor (n=10), nunca (n=11) e no número que refere aplicar algumas vezes (n=117). O facto do Plano Nacional de Luta Contra a Dor contemplar as técnicas não farmacológicas para o controlo da dor é desconhecido para 45,65% dos elementos da nossa amostra. Somente 35,5% dos enfermeiros que participaram no estudo realizou formação específica sobre a Dor e técnicas não farmacológicas no seu controlo. Confirma-se que a frequência de formação sobre “a dor e as técnicas não farmacológicas no seu controlo” promovem um aumento da informação e consequentemente uma maior aplicação destas técnicas. Tal facto demonstra que o investimento na formação nesta área torna-se vital para o alívio da dor e promoção da qualidade de vida dos que dela padecem.
Pain is one of the main causes of human suffering, affecting people’s quality of life and intervening in their well-being as physical as pychosocial. Nevertheless pain is not always possible to eliminate, there are a range of nonpharmacological techniques that seems to be efficient in reducing the suffering with non relieved pain; Once nurses are one the health-care professionals who have more frequent contact with patients, they play a major role in the implementation of actions for the pain control, such as nonpharmacological techniques. Pain control seems to be more efficient when using both pharmacological and nonpharmacological techniques (such as positioning, relaxation, massage, distraction, application of heat and cold, among others). Nonpharmacological techniques have some advantages such as low cost, easy application and can be taught to the patient and to their caregivers and also be applied both at hospital and home. The main question that guided this study was to discover nurses’ knowledge about nonpharmacological techniques and the frequency of their application in pain control. The study was a descriptive correlational and included 138 nurses working with patients. Data was collected using a questionnaire with personal and professional questions and by a set of affirmations in order to identify the nurses’ knowledge about nonpharmacological techniques. The statistic analysis showed that 97,1% of the nurses considered in the study had some knowledge about nonpharmacological techniques of pain control. The knowledge level that the nurses possess on these techniques was different depending on their professional background. Nurses with specific training on “Pain and nonpharmacological techniques in its control” showed to possess more knowledge. Nurses who always applied those techniques demonstrated a higher level of knowledge on it. The study puts in evidence a big variance in the number of nurses that always apply nonpharmacological techniques in pain control (n=10), never apply (n=11) and sometimes apply (n=117). The study showed that 45,65% of the elements of our sample did not know that National Plan of Fight Against Pain contemplates the nonpharmacological techniques to pain control. Only 35,5% of the nurses participating in the study carried out specific training on “Pain and nonpharmacological techniques in its control”. The study result seems to point out that training on “Pain and the nonpharmacological techniques in its control” promotes better knowledge and consequently an increase in the application of these techniques. Such fact demonstrates that the investment in this area training is vital for pain relief and promotion of life quality of those who suffer from it.
Description: Dissertação de mestrado em Medicina (Psiquiatria Cultural), apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/14925
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação_mestrado_Fátima Sousa.pdf1.76 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 5

1,627
checked on Sep 22, 2020

Download(s) 1

13,226
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.