Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/13542
Title: Exercício, lactato e cárie dentária
Authors: Figueiredo, Andreia Sofia de Paiva 
Orientador: Ribeiro, Carlos Alberto Fontes
Keywords: Ácido láctico; Saliva; Cárie dentária; Erosão dentária; Exercício; Lactato
Issue Date: 2009
Citation: Figueiredo, Andreia Sofia de Paiva - Exercício, lactato e cárie dentária . Coimbra, 2009
Abstract: O objectivo fundamental do trabalho apresentado neste documento consiste em determinar a influência do lactato a nível da cavidade oral e sua participação na desmineralização dentária, quer no que diz respeito lesões de cárie, quer no que diz respeito lesões de erosão dentária. O ácido láctico produzido pelas bactérias cariogénicas, nomeadamente pelo Streptococcus mutans, desempenha um papel preponderante no surgimento de lesões cariosas a nível do esmalte. Uma lesão de cárie inicial típica caracteriza- -se por um esmalte branco opaco, indicativo de desmineralização activa na sua superfície. Por outro lado e sabendo já que, depois da prática de exercício físico intenso, é segregado ácido láctico para a cavidade oral, sendo que este fica em contacto com os dentes e demais estruturas, equacionamos a hipótese de ele influenciar o surgimento de lesões de erosão dentária. O trabalho realizado passou pela exposição de dentes terceiros molares a quatro soluções de ácido láctico, com valores de pH distintos (3,5; 4,5; 5,5 e 6,8) e por períodos de tempo diferentes (24 horas, 3 dias, 7 dias e 14 dias). Posteriormente foi medida a profundidade de desmineralização causada por esse contacto, realizado de duas formas distintas: contacto contínuo ou contacto intermitente (intercalado com água purificada). As principais contribuições do trabalho aqui apresentado são dadas a seguir. Em primeiro lugar, concluímos que são necessários valores de pH da ordem dos 3,5 ou 4,5 para causarem desmineralização visível ao microscópio óptico. Valores de 5,5 ou 6,8 não causam desmineralização alguma. Em segundo lugar, concluímos que parece não haver uma relação directa entre tempo de exposição e profundidade de desmineralização. Em terceiro lugar, não obtivémos diferenças estatisticamente significativas entre exposição contínua e intermitente e, por último, deparámo-nos com padrões de desmineralização completamente diferentes entre dentes sujeitos à mesma solução de desmineralização, nas mesmas condições.
O objectivo fundamental do trabalho apresentado neste documento consiste em determinar a influência do lactato a nível da cavidade oral e sua participação na desmineralização dentária, quer no que diz respeito lesões de cárie, quer no que diz respeito lesões de erosão dentária. O ácido láctico produzido pelas bactérias cariogénicas, nomeadamente pelo Streptococcus mutans, desempenha um papel preponderante no surgimento de lesões cariosas a nível do esmalte. Uma lesão de cárie inicial típica caracteriza- -se por um esmalte branco opaco, indicativo de desmineralização activa na sua superfície. Por outro lado e sabendo já que, depois da prática de exercício físico intenso, é segregado ácido láctico para a cavidade oral, sendo que este fica em contacto com os dentes e demais estruturas, equacionamos a hipótese de ele influenciar o surgimento de lesões de erosão dentária. O trabalho realizado passou pela exposição de dentes terceiros molares a quatro soluções de ácido láctico, com valores de pH distintos (3,5; 4,5; 5,5 e 6,8) e por períodos de tempo diferentes (24 horas, 3 dias, 7 dias e 14 dias). Posteriormente foi medida a profundidade de desmineralização causada por esse contacto, realizado de duas formas distintas: contacto contínuo ou contacto intermitente (intercalado com água purificada). As principais contribuições do trabalho aqui apresentado são dadas a seguir. Em primeiro lugar, concluímos que são necessários valores de pH da ordem dos 3,5 ou 4,5 para causarem desmineralização visível ao microscópio óptico. Valores de 5,5 ou 6,8 não causam desmineralização alguma. Em segundo lugar, concluímos que parece não haver uma relação directa entre tempo de exposição e profundidade de desmineralização. Em terceiro lugar, não obtivémos diferenças estatisticamente significativas entre exposição contínua e intermitente e, por último, deparámo-nos com padrões de desmineralização completamente diferentes entre dentes sujeitos à mesma solução de desmineralização, nas mesmas condições.
Description: Dissertação de mestrado em Patologia Experimental, apresentada à Fac. de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/13542
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese_mestrado_Andreia Figueiredo.pdf1.83 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

585
checked on Oct 20, 2020

Download(s) 20

779
checked on Oct 20, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.