Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/11765
Title: O Teorema da Equivalência Ricardiana: Discussão Teórica e Aplicação à Economia Portuguesa
Authors: Marinheiro, Carlos José Fonseca 
Orientador: Andrade, João de Sousa
Issue Date: Jan-1996
Abstract: Ao longo desta dissertação procurámos avaliar, primeiro num plano teórico e depois empiricamente, para o caso da economia portuguesa, o Teorema da Equivalência Ricardiana. A tese ricardiana sustenta que para um dado montante de despesa pública a substituição de impostos por dívida não tem qualquer efeito na procura global nem na taxa de juro. Como a dívida apenas adia os impostos para o futuro, os consumidores, simultaneamente contribuintes, antecipando a subida dos impostos futuros, vão reagir à redução de impostos aumentando a sua poupança, adquirindo os títulos de dívida pública entretanto emitidos. Assim, como a poupança privada aumenta no mesmo montante que o défice orçamental, a taxa de juro mantém-se inalterada. O défice não provoca qualquer redução do ritmo de acumulação do stock de capital, nem nenhum agravamento das contas externas. A dívida pública não afecta a riqueza do sector privado. Então, em termos de efeitos na economia, o financiamento da despesa pública por dívida pública é equivalente ao financiamento por impostos. A presença de horizontes temporais finitos pode invalidar a equivalência, porque uma parte do serviço da dívida incumbe às gerações seguintes àquela que beneficiou da emissão da dívida. Este problema é resolvido, por Robert Barro, pela suposição da existência de uma cadeia de doações altruístas que liga todas as gerações. Assim como cada indivíduo se preocupa com o bem-estar dos seus descendentes, mesmo que a amortização da dívida não ocorra durante o seu período remanescente de vida, ele não aproveitará a redução de impostos para aumentar o seu consumo, porque isso reduziria o bem-estar dos seus descendentes. Ele irá aumentar a sua doação no montante necessário para que os seus descendentes possam fazer face ao serviço da dívida. Muito embora tenha sido David Ricardo o primeiro a formular a equivalência, levantamos a questão de saber se Ricardo era neste ponto particular ricardiano. Concluimos que embora Ricardo formule a equivalência in point of economy, aliás de uma maneira muito próxima da de Barro, rapidamente nega a sua validade de facto. Ricardo considera que os contribuintes sofrem de ilusão fiscal, e por isso são enganados pelo método de financiamento: no caso de financiamento por dívida pública o contribuinte subestima as suas responsabilidades fiscais, julga que está mais rico do vi que aquilo que efectivamente está. Analisamos também a posição da escola italiana, no virar do século e ainda o pensamento de Keynes. Efectuamos uma análise crítica das condições necessárias à verificação da equivalência. Analisamos o impacto do crescimento económico. Referenciamos as circunstâncias que provocam uma interrupção daquela cadeia de doações altruístas, como é o caso da existência de famílias sem filhos, ou que tendo-os não se preocupam com eles. Constatamos que a existência de imperfeições no mercados de capitais, como sejam a existência de restrições de liquidez e imperfeições no mercado de crédito, fazem com que os indivíduos reajam à redução de impostos aumentando o seu consumo, não se verificando portanto a equivalência. Também a utilização de impostos mais próximos dos reais, em vez dos impostos lump-sum, conduzem a um afastamento da equivalência. Efectuamos o estudo das perspectivas neo-clássica e keynesiana dos défices orçamentais, e da relação entre a equivalência e a Teoria do Rendimento Permanente/ Ciclo de Vida. Relatamos o resultado de um inquérito, por nós efectuado, aos estudantes desta Faculdade, onde procuramos avaliar qual o grau de conhecimento do valor de algumas das variáveis mais relevantes para que os consumidores se possam comportar de uma forma ricardiana. Chegamos à conclusão de que a nossa amostra subvaloriza o valor da dívida total, sobrevaloriza a dívida externa e apresenta um comportamento díspar em relação às receitas das privatizações. A resenha dos inúmeros trabalhos empíricos publicados sobre a equivalência demonstrou que os testes não são conclusivos. Os testes empíricos centram-se na função consumo e nos efeitos do défice orçamental nas taxas de juro. Na literatura não encontrámos nenhum estudo que testasse a equivalência para o caso da economia portuguesa. Efectuamos o teste da equivalência para a economia portuguesa. Utilizamos para além do Método dos Mínimos Quadrados Ordinários, o estudo de relações de cointegração, segundo o método de Johansen. No estudo da relação entre o défice e a taxa de juro efectuamos um estudo de causalidade e também, para termos em conta a crescente integração dos mercados de capitais, um modelo SUR para oito países industrializados (incluindo Portugal). Os resultados relativos à função consumo são vii inconclusivos. Pelo que ficamos sem saber se os consumidores aumentam a sua poupança, em resposta a um acréscimo da dívida pública, como prevê a tese da equivalência. Se os consumidores se comportassem de forma ricardiana, não existiria qualquer relação entre o défice e a taxa de juro, mas esta hipótese é claramente rejeitada pelos dados. Desta forma, tendo em conta as condições necessárias para que a equivalência se verifique, os resultados do nosso inquérito à sensibilidade dos estudantes às questões da dívida pública, os resultados globalmente inconclusivos do estudo da função consumo, e os resultados claramente contra a equivalência no estudo relativo à taxa de juro, concluimos que muito dificilmente se poderá verificar a equivalência na economia portuguesa. O que significa que existem custos de manipulação da política orçamental.
Description: Dissertação de mestrado em Economia Europeia apresentada à Fac. de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/11765
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
O Teorema da Equivalência Ricardiana.pdf840.71 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

340
checked on Sep 14, 2020

Download(s)

109
checked on Sep 14, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.