Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/101740
Title: Cidades Líquidas: Paisagens urbanas do Mondego-Coimbra
Authors: Alves, Bruno Franco
Orientador: Fortuna, Carlos José Cândido Guerreiro
Peixoto, Paulo Jorge Marques
Keywords: rios urbanos; frentes de água; Mondego; Coimbra; sociabilidade; urban rivers; waterfront; Mondego; Coimbra; sociability
Issue Date: 13-Jun-2022
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Nos últimos cinquenta anos, as paisagens de diversas cidades têm sido alteradas a partir da transformação dos rios urbanos e das suas frentes de água. No rio Mondego, a construção do sistema de barragens e do Açude-Ponte em Coimbra permitiu que o seu caudal fosse estabilizado no perímetro urbano, o que resultou em um espelho de água ao longo da cidade e impulsionou uma série de intervenções urbanas de requalificação da frente de rio. A pesquisa cujos resultados se apresentam sintetizados nesta tese tomou como objeto de análise sociológica o rio Mondego e a sua relação com a cidade de Coimbra. Assumindo como premissa que a história dos rios também revela a história das cidades e dos seus modos de vida, parte-se da interrogação genérica sobre o papel do rio Mondego para a constituição da paisagem urbana de Coimbra. A pesquisa aborda a influência dos rios no surgimento das cidades, em seu desenvolvimento urbano e morfologia, bem como o seu papel na conformação das urbanidades enquanto modo de vida na cidade. O caráter socionatural é sugerido como estatuto ontológico dos rios urbanos e, analiticamente, são manejados os conceitos de arranjos socionaturais e de práticas sociais para reforçar uma alternativa à dicotomia entre cultura e natureza como via pela qual a produção do espaço fluvial é frequentemente encarada. Ainda no sentido de fornecer um enquadramento geral do tema, os processos de reconversão e requalificação de frentes de rio pelos quais vêm passando as cidades pós-industriais são apresentados a partir das experiências concretas de transformação desses espaços em várias cidades do Globo, bem como é discutida a sociabilidade hídrica enquanto forma específica de interação social nesses espaços. Como estudo de caso, analisa-se o rio Mondego, os seus usos, as intervenções urbanas e as sociabilidades que se manifestam no espaço fluvial a partir da virada para o século XX, período anterior à estabilização do seu caudal, e as recentes transformações pelas quais esse rio urbano passa na atualidade. A pesquisa empírica assenta em uma abordagem de cariz qualitativo e combina a presença no terreno para observação direta por meio de caminhadas e entrevistas, inquéritos por questionários, análise documental, jornalística e imagética, por meio das quais se almeja extrair informações e dados sobre como os usos sociais do rio, seu papel socioeconômico, sua dimensão simbólica e seu espaço na paisagem urbana foram alterados neste período. O método regressivo-progressivo proposto por Henri Lefebvre é mobilizado para compreender a produção socioespacial do rio. São abordados os momentos pretéritos de cheia e de seca do rio (rio água e rio areia) para que se possa perceber a forma como o rio era vivido na cidade e o tipo de sociabilidade a que ele estava relacionado para então retornar ao tempo presente e elucidar o rio espelho, isto é, como ele se tornou um espaço de ludicidade usado para refletir a imagem de uma Coimbra contemporânea que é moderna, flexível, dinâmica: uma cidade líquida. A presença física dos elementos água e areia concretiza o argumento da agência dos elementos não-humanos e do espaço na vida social ao mostrar como as cheias, as secas e a posterior estabilização do rio implicaram no ritmo e no cotidiano da cidade e ajudaram a moldar diversas formas de sociabilidade e a converter uma paisagem fortemente marcada pela ruralidade em uma paisagem urbana que se entrelaça aos modelos globais propostos para a requalificação das cidades.
In the last fifty years the landscapes of several cities have been altered through the transformation of urban rivers and their waterfronts. In the case of the Mondego River, the construction of the dam system and the weir in Coimbra allowed its flow to be stabilized in the urban perimeter, which resulted in a water mirror along the city and boosted a series of urban interventions for the requalification of the riverfront. The research whose results are synthesized in this thesis took the Mondego River and its relationship with the city of Coimbra as the object of sociological analysis. Assuming as premise that the history of rivers also reveals the history of cities and their ways of life, we start from the generic question about the role of the Mondego River in the constitution of the urban landscape of Coimbra. The research addresses the influence of rivers in the emergence of cities, in their urban development and morphology, as well as their role in the conformation of urbanities as a way of life in the city. The socionatural character is suggested as the ontological status of urban rivers and, analytically, the concepts of socionatural arrangements and social practices are handled to reinforce an alternative to the dichotomy between culture and nature as a way through which the production of river space is often seen. In order to provide a general framework for the theme, the processes of reconversion and requalification of riverfronts that post-industrial cities have been undergoing are presented based on concrete experiences of transformation of these spaces in various cities around the globe, and water sociability is discussed as a specific form of social interaction in these spaces. As a case study, the Mondego River is analysed, its uses, the urban interventions and the sociabilities that manifest themselves in the river space from the turn of the twentieth century, the period before the stabilization of its flow, and the recent transformations that this urban river undergoes nowadays. The empirical research is based on a qualitative approach and combines field presence for direct observation by means of walks and interviews, questionnaire surveys, documentary, journalistic and imagistic analysis, through which we aim to extract information and data on how the social uses of the river, its socio-economic role, its symbolic dimension and its space in the urban landscape were altered in this period. The regressive-progressive method proposed by Henri Lefebvre is mobilized to understand the socio-spatial production of the river. The past moments of flood and drought of the river (water and sand river) are approached in order to understand how the river was experienced in the city and the type of sociability to which it was related. Then we return to the present time and elucidate the mirror river, that is, how it became a space of playfulness used to reflect the image of a contemporary Coimbra that is modern, flexible, and dynamic: a liquid city. The physical presence of the elements water and sand concretizes the argument of the agency of non-human elements and space in social life by showing how floods, droughts and the subsequent stabilization of the river implied the rhythm and daily life of the city and helped to shape various forms of sociability and to convert a landscape strongly marked by rurality into an urban landscape that is interwoven with the global models proposed for the requalification of cities.
Description: Tese de Doutoramento em Sociologia apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.
URI: https://hdl.handle.net/10316/101740
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:I&D CES - Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento
FEUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Tese Bruno DCCU - Cidades Liquidas.pdf14.38 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s)

143
checked on May 22, 2024

Download(s)

5
checked on May 22, 2024

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.