Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/100720
Title: O IMPACTO NA QUALIDADE DE VIDA DA SÍNDROME DE APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO
Other Titles: The impact on quality of life of obstructive sleep apnea syndrome
Authors: Carvalho, Cláudia Sofia Cortesão
Orientador: Ferreira, Pedro Augusto Melo Lopes
Keywords: Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono; Tratamento com CPAP; Sonolência Diurna Excessiva e Qualidade de Vida; Obstructive Sleep Apnea Syndrome; CPAP treatment; and Excessive Daytime Sleepiness; Quality of Life
Issue Date: 30-Nov-2021
Serial title, monograph or event: O IMPACTO NA QUALIDADE DE VIDA DA SÍNDROME DE APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO
Place of publication or event: FEUC
Abstract: A Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) é um distúrbio respiratório, de prevalência em crescendo. A SAOS está associada a elevado risco cardiovascular e a pobre Qualidade de Vida (QV). O tratamento gold-standard é o Continuous Positive Airway Pressure (CPAP), contudo os seus efeitos ao nível da QV ainda não se encontram completamente conhecidos.O objetivo do presente estudo foi avaliar a QV e a Sonolência Diurna Excessiva (SDE) em doentes com SAOS, sob tratamento com CPAP.O tipo de estudo foi observacional, descritivo e transversal. A amostra foi constituída por 158 doentes com diagnóstico de SAOS e sob tratamento desde o ano de 2019 no Centro Hospitalar de Leiria. Para avaliar o impacto do tratamento foi avaliada a SDE através da Escala de Sonolência de Epworth (ESE) e a QV através do questionário EQ-5D-5L.A amostra foi maioritariamente constituída por doentes do sexo masculino (67,7%) e com idade média de 63 anos. Tratou-se de uma população com múltiplos fatores de risco cardiovasculares, como a obesidade (IMC = 31,6 ± 4,6 kg/m2) e a hipertensão arterial (66,5%), e com várias patologias conhecidas. O Índice de Apneia-Hipopneia (IAH) médio prévio ao uso do CPAP era de 30,7 ± 19,1 eventos/hora. Todos os doentes se encontravam aderentes e bem-adaptados ao CPAP, com compliance de 88,9 ± 14,9% e utilização média de 6,1 ± 2,1 horas. Após o tratamento, a média da ESE passou de 9,1 ± 5,5 para 4,6 ± 4,2. A QV média avaliada foi de 0,78 ± 0,2, com mais problemas moderados a graves nas dimensões Mobilidade, Dor/Mal-Estar e Ansiedade/Depressão, e com as mulheres a apresentarem pior QV (p < 0,001). Verificou-se que quanto maior a idade pior a autoavaliação do estado de saúde (EQ-VAS), com p = 0,047. A QV encontrou-se negativamente associada às várias doenças conhecidas e aos fatores de risco cardiovasculares. A gravidade da SAOS, determinada pelo IAH e pelos restantes índices de PSG não se mostrou relacionada com a QV. A SDE e a QV encontram-se negativamente relacionadas (p = 0,01). A compliance ao CPAP encontra-se positivamente relacionada com a EQ-VAS (p = 0,05).Os doentes com SAOS, mesmo sob tratamento, apresentaram pobre QV. Tal deve-se ao impacto da SDE e ao fato de serem doentes com múltiplas patologias associadas. As mulheres apresentam pior QV, com mais SDE, e com possível associação a insónia e a ansiedade/depressão. A avaliação dos sintomas relativos à SAOS mostrou-se assim fundamental na apreciação dos resultados de um tratamento. Por fim, verificou-se que a QV não se apresentou relacionada com a gravidade da SAOS.Face aos nossos resultados a avaliação da QV mostrou-se essencial nesta população. Para tal, é necessários que os centros de medicina sono estejam sensibilizados para esta realidade e munidos dos instrumentos que permitem medir a QV, sejam eles questionários genéricos ou específicos da doença. Assim como a aplicação da ESE é uma medição fulcral nas várias fases da doença, mas em particular na avaliação da eficácia terapêutica.No início do tratamento com CPAP é fundamental desmistificar o ventilador e ter um acompanhamento apertado, para que o doente se sinta confortável, tanto a nível físico como psicológico.
The Obstructive Sleep Apnea Syndrome (OSAS) is a respiratory disorder, with increasing prevalence. OSAS is associated with high cardiovascular risk and poor Quality of Life (QoL). The gold-standard treatment is Continuous Positive Airway Pressure (CPAP), however its effects on QoL are not yet fully known.The aim of the present study was to evaluate QoL and Excessive Daytime Sleepiness (EDS) in patients with OSAS undergoing CPAP treatment.The type of study used was observational, descriptive and cross-sectional. The sample consisted of 158 patients diagnosed with OSAS and undergoing treatment since 2019 at the Leiria Hospital Center. To assess the impact of treatment, EDS was assessed using the Epworth Sleepiness Scale (ESS) and QoL using the EQ-5D-5L questionnaire.The sample consisted mostly by male patients (67.7%) with a average age of 63 years. It was a population with multiple cardiovascular risk factors, such as obesity (BMI = 31.6 ± 4.6 kg/m2) and arterial hypertension (66.5%), and with several known pathologies. The mean Apnea-Hypopnea Index (AHI) prior to the use of CPAP was 30.7 ± 19.1 events/hour. All patients were adherent and well-adapted to CPAP, with a compliance of 88.9 ± 14.9% and a mean use of 6.1 ± 2.1 hours. After treatment, the average ESS changed from 9.1 ± 5.5 to 4.6 ± 4.2. The mean QoL assessed was 0.78 ± 0.2, with more moderate to severe problems in the dimensions of Mobility, Pain/Illness and Anxiety/Depression, and women presenting worse QoL (p<0.001). It was found that the older in age, the worse the self-assessment of health status (EQ-VAS), with p = 0.047. QoL was found to be negatively associated with several known diseases and cardiovascular risk factors. The severity of OSAS, determined by the AHI and other PSG index, was not related to QoL. EDS and QoL are negatively related (p = 0.01). Compliance with CPAP is positively related to EQ-VAS (p = 0.05).Patients with OSAS, even under treatment, had poor QoL. This is due to the impact of EDS and the fact that they are patients with multiple associated pathologies. Women have a worse QoL, with more EDS, and with a possible association with insomnia and anxiety/depression. The evaluation of symptoms related to OSAS proved to be fundamental in assessing the results of a treatment. Finally, it was found that QoL was not related to the severity of OSAS.In view of our results, the assessment of QoL proved to be essential in this population. For this, it is necessary that the sleep centers are sensitive to this reality and equipped with instruments that allow measuring QoL, whether generic or disease-specific questionnaires. Just as the application of ESS is a key measure in the various stages of the disease, but particularly in the assessment of therapeutic efficacy.At the beginning of CPAP treatment, it is essential to demystify the ventilator and have a close monitoring, so that the patient feels comfortable, both physically and psychologically.
Description: Dissertação de Mestrado em Gestão e Economia da Saúde apresentada à Faculdade de Economia
URI: http://hdl.handle.net/10316/100720
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
DissertaçãoFinal_Cláudia Carvalho.pdf1.27 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons