Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/100695
Title: AUTOMEDICAÇÃO EVIDÊNCIA DO INQUÉRITO NACIONAL DE SAÚDE 2019
Other Titles: SELF-MEDICATION EVIDENCE FROM THE 2019 NATIONAL HEALTH SURVEY
Authors: Cavadas, Verónica José Pessoa Barros Alves dos Santos
Orientador: Tavares, Aida Isabel Pereira
Ferreira, Pedro Augusto Melo Lopes
Keywords: automedicação; medicamentos não prescritos; medicamentos venda livre; medicamentos não sujeitos a receita médica; determinantes em saúde; self-medication; non-prescription drugs; over-the-counter medicines; over-the-counter medications; health determinants
Issue Date: 29-Nov-2021
Serial title, monograph or event: AUTOMEDICAÇÃO EVIDÊNCIA DO INQUÉRITO NACIONAL DE SAÚDE 2019
Place of publication or event: Cantanhede, Coimbra, Portugal
Abstract: Encontramos na literatura diferentes conceitos de automedicação o que tem vindo a ser consensualizado pela definição da Organização Mundial de Saúde (OMS) que reforça esta prática como o uso de medicamentos aprovados e disponíveis, para aquisição sem prescrição, seguros e efetivos. Em Portugal o conceito de automedicação está associado à utilização de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM). Com o objectivo de identificar determinantes na automedicação recorremos aos dados do Inquérito Nacional de Saúde (INS) 2019. A variável dependente automedicação (toma/não toma MNSRM) foi obtida pela questão: “Nas últimas 2 semanas, tomou ou usou algum medicamento, produto natural ou vitaminas que não tenha sido receitado por um médico?”. Relativamente às variáveis explicativas, consideraram-se variáveis socioeconómicas, bem como variáveis referentes ao estado de saúde e o acesso a consulta, exame ou tratamento médico não satisfeita por dificuldades financeiras. Estimamos um modelo de regressão logística multivariada. Os resultados mais relevantes mostram que o nível de escolaridade apresentou um efeito significativo no consumo de MNSRM. Um resultado semelhante foi encontrado em relação ao rendimento. Os estudantes apresentaram uma probabilidade 33,5% superior de toma de MNSRM, do que o resto da população. A autoapreciação do estado de saúde revelou um efeito negativo no consumo. Os indivíduos com problemas crónicos apresentaram uma probabilidade superior de consumo de MNSRM em relação aos indivíduos sem problemas crónicos. A falta de acesso a consultas médicas por dificuldades financeiras aumentou a probabilidade de o doente consumir MNSRM em 34,9%, em relação aos doentes que recorreram às consultas. No que diz respeito às potenciais implicações políticas deste trabalho, o reconhecimento do papel dos prestadores de cuidados de saúde na educação e controlo do uso dos medicamentos, em particular na automedicação, fomentando a prática segura do autocuidado e a sensibilização para a notificação de eventos adversos, poderão contribuir para prevenir danos imediatos ou a longo prazo. Esperamos que o nosso trabalho contribua para uma política concertada entre a Literacia em Saúde e o uso racional dos medicamentos.
In the literature, we find different concepts of self-medication. The WHO has defined such practice as the use of safe and effective medicines which have been approved and are available for purchase without prescription. In Portugal, the concept of self-medication is associated with the use of over-the-counter (OTC) medication. Aiming at identifying the determinants of self-medication, we used data from the 2019 National Health Survey. The dependent variable “self-medication” (takes/does not take OTC) corresponds to the answer to the following question: “In the last 2 weeks, have you taken or used any medicine, natural product or vitamins which were not prescribed by a doctor?”. In what concerns explanatory variables, socioeconomic variables were considered, as well as variables concerning the health status and the access to doctor’s appointments, exams or medical treatment not satisfied due to financial struggles. A multivariate logistic regression model was estimated. The most relevant results show that the level of education had a significant effect in the consumption of OTC. A similar result was found for the level of income. Students have a 33,5% higher probability of taking OTC than the rest of the population. Self-appreciation of one’s health status revealed a negative effect on consumption. Individuals with chronic conditions have a higher probability of consumption of OTC than those without. The lack of access to medical appointments due to financial difficulties increase the probability of OTC consumption by 34,9% when compared to those who attended consultations. In regard to the political implications of this work, the acknowledgement of the role of healthcare workers in the education and control of the use of medications, in particular self-medication, fomenting the safe practice of self-care and raising awareness of the importance of notifying in case of adverse events can contribute to the preventions of immediate or long-term damage. We hope our work can contribute towards an aligned policy between health literacy and the rational use of medication.
Description: Dissertação de Mestrado em Gestão e Economia da Saúde apresentada à Faculdade de Economia
URI: http://hdl.handle.net/10316/100695
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
DocFinalMestrado_vFinal20211017.pdf991.53 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons