Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/100299
Title: “Outside the bubble”: exploring youth (in)equalities in the context of the Erasmus+ Programme
Other Titles: "Fora da bolha": uma exploração das desigualdades da juventude no contexto do Programa Erasmus+
Authors: Freitas, Joana Cristina Rodrigues
Orientador: Vieira, Cristina Maria Coimbra
Keywords: youth inequalities; Erasmus+; social inclusion; Vocational Education and Training;; youth policies; desigualdades dos jovens; Erasmus+; inclusão social; Ensino e Formação Profissional; políticas de juventude
Issue Date: 21-Feb-2022
Serial title, monograph or event: “Outside the bubble”: exploring youth (in)equalities in the context of the Erasmus+ Programme
Place of publication or event: Porto
Abstract: A inclusão e a necessidade de abordar os desafios enfrentados pelas gerações mais jovens estão, mais do que nunca, na agenda de instituições políticas globais, profissionais e investigadores. Inclusivamente, o ano de 2022 foi proclamado o Ano Europeu da Juventude, em reconhecimento das dificuldades acrescidas decorrentes da pandemia Covid-19. Neste contexto, o Programa Erasmus+ tem por missão criar condições equitativas para os jovens de hoje, reduzindo as desigualdades e aumentando a inclusão;com um orçamento dobrado e novas estratégias, mas ainda apresentando uma retórica que é mais alvo do que as pessoas orientadas. Ao reconhecer que existem desigualdades 'invisíveis' no acesso a oportunidades, este estudo pretende ajudar a 'rebentar a bolha' do Erasmus+.Esta dissertação analisa criticamente o Programa Erasmus+ e identifica algumas das oportunidades e desafios deste enquanto potencial ferramenta de inclusão. Nomeadamente, sugere-se que o termo político 'jovens com menos oportunidades' e a ideia de desvantagem comparativa podem representar desafios éticos, conceituais e metodológicos para tanto para investigadores como para atores do projeto. A prossecução do objetivo de fazer do Erasmus+ um programa inclusivo e gerador de inclusão beneficiaria de novas discussões e abordagens práticas a este conceito, a fim de adoptar uma abordagem menos funcionalista às desigualdades entre os jovens, como tal desenvolvida no sector da Juventude. Com base nestes argumentos e numa breve apresentação de alguns conceitos e pressupostos em torno das desigualdades entre os jovens, o estudo avança para uma fase empírica que coloca o foco sobre aqueles que são visados, mas muitas vezes não consultados: jovens que enfrentam situações de desvantagem e que nunca participaram no Erasmus+. Para tal, foi realizado um inquérito quantitativo não experimental no formato de questionário online com uma amostra intencional formada por 40 alunos de instituições de Ensino e Formação Profissional (EFP) com um foco na internacionalização da cidade do Porto, Portugal. A escolha de investigar o Erasmus+ no setor de EFP em detrimento de outros é explicitada por meio de uma caracterização aprofundada do mesmo ao nível europeu e nacional, que demostra que os estudantes destes programas educativos correspondem ao perfil de participante desejado. Além disto, a revisão de literatura demonstrou que o EFP, similarmente ao Erasmus+, apresenta pontos de melhoria na forma como aborda os objetivos e necessidades dos jovens. A análise dos dados revelou que os participantes do estudo avaliam positivamente os esforços relacionados com inclusão no Erasmus+ desenvolvidos nas suas escolas e em relação ao próprio programa, mostrando interesse e intenção em participar na mobilidade de aprendizagem. A distribuição quase uniforme de preferências relativamente a tipos de apoio e outras medidas contribui para reforçar a asserção de que abordar a inclusão é um trabalho interdisciplinar que deve continuar a ser desenvolvido.
Inclusion and the need to address the challenges faced by younger generations are more than ever on the agenda of global political institutions, practitioners, and researchers. 2022 has even been pronounced the European Year of Youth in recognition of the heightened difficulties deriving from the Covid-19 pandemic. In this context, the Erasmus+ Programme adopts the mission of creating a level playing field for the youth of today by reducing inequality and increasing inclusion, with a doubled budget and new strategies, but still presenting a rhetoric that is more target than people oriented. By acknowledging there are 'invisible' inequalities in accessing opportunities, this study aims to help ‘pop the bubble’ of Erasmus+.This dissertation critically analyses the Erasmus+ Programme and identifies some of the opportunities and challenges of it as possible tool for inclusion. Namely, it suggested that the political term 'young people with fewer opportunities' and the idea of comparative disadvantage might pose ethical, conceptual, and methodological challenges to researchers and project actors alike. Thus, the pursuit of Erasmus+ as a Programme that is inclusive and generates inclusion would benefit from further discussion and practical approaches to this concept, in order to take a less functionalist approach to youth inequalities, as such developed by the Youth sector. Building on these arguments and a brief presentation of some concepts and assumptions surrounding youth inequalities, the study moves onto an empirical phase that puts the spotlight on those who are targeted but often not consulted: young people facing disadvantaged situations who have never participated in Erasmus+. For that, a non-experimental quantitative survey design in the format of an online questionnaire was conducted with a purposive sample formed by 40 students of internationalised Vocational Education and Training (VET) institutions from the city of Porto, Portugal. The choice to research Erasmus+ in VET instead of other sectors is cleared through an in-depth characterisation of it at the EU and national level, which shows students in this type of education match the profile of participants targeted. Moreover, the literature review demonstrates that VET, like Erasmus+, shows room for improvement in the way it addresses the goals and needs of young people. The data analysis reveals that the participants in the study positively evaluate the Erasmus+ inclusive efforts developed in their schools and have a positive outlook towards the programme itself, showing an interest and intent to participate in learning mobility. The rather uniform distribution of preferences regarding types of support and other measures strengthens the argument that addressing inclusion is an interdisciplinary affair that should be further pursued.
Description: Dissertação de Mestrado em Intervenção Social, Inovação e Empreendedorismo apresentada à Faculdade de Economia
URI: http://hdl.handle.net/10316/100299
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Joana_Freitas_Outside_The_Bubble_Erasmus_Inequalities_2022.pdf4.29 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons