Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/9784
Title: Epigrafia romana da região de Bragança
Authors: Redentor, Armando
Keywords: Epigrafia romana -- Bragança
Issue Date: 2002
Publisher: Instituto Português de Arqueologia
Citation: REDENTOR, Armando - Epigrafia romana da região de Bragança. Lisboa : Instituto Português de Arqueologia, 2002. 334 p. (Trabalhos de Arqueologia; 24). ISBN 972-8662-06-8
Abstract: Estuda-se integralmente o material epigráfico romano da região de Bragança, a qual, em termos administrativos hodiernos, se cinge aos concelhos de Bragança, Macedo de Cavaleiros e Vinhais. Reportam-se ao século XVII as primeiras referências epigráficas relativas ao território bragançano, mas só a partir do final de Oitocentos é que se concentram esforços para estudar e valorizar científica e patrimonialmente as inscrições regionais. Em catálogo actualizado e rigoroso englobam-se todos os documentos epigráficos referentes à região, incluindo alguns inéditos, bem como leituras corrigidas. Constam aí 138 epígrafes (incluídos fragmentos), além de uma falsificação, que são estudadas segundo critérios multifacetados, desde a sua materialidade e execução até aos conteúdos escritos e iconográficos. São as inscrições funerárias que predominam, sobretudo as associadas a estelas, mas também se documentam textos votivos, em altares consagrados a divindades indígenas ou clássicas, honoríficos, registados em pedestais para louvor de imperadores, e viários, presentes nos marcos da via XVII do Itinerário de Antonino que corria por este território estabelecendo a ligação entre Bracara Augusta e Asturica Augusta, duas das três capitais conventuais do Noroeste peninsular, tendo sido sob a alçada desta última urbe que no contexto do quadro administrativo romano ficou o território visado neste estudo. Caracterizam-se isoladamente as diferentes categorias de monumentos e no caso das estelas chega a ensaiar-se uma tipologia baseada na estrutura da sua ornamentação e, acessoriamente, em critérios epigráficos, defendendo-se a existência na depressão de Bragança de uma officina epigráfica directamente relacionada com um dos grupos tipológicos estabelecidos. Os textos epigrafados são também objecto de análise, sendo a simplicidade da sua estrutura o traço mais marcante: os votivos, endereçados a Aernus, Bandua, Laesus ou a Júpiter, completam-se com a menção do dedicante e uma fórmula final, por vezes pouco corrente; os funerários raramente vão além da identificação do defunto, da indicação da sua idade, não sendo usados com regularidade os habituais formulários. Aspectos técnicos da produção epigráfica, como a paginação ou os tipos de letra, são também abordados. Pesem embora as dificuldades experienciadas relativamente à datação das inscrições, admite-se que a produção epigráfica local se desenvolve a partir de meados do século I d.C., continuando até ao século IV, ainda que o documento epigráfico mais antigo, que reveste carácter oficial, date de 2 a.C. A análise da antroponímia e das fórmulas onomásticas mostra um claro predomínio de população livre, autóctone, que juridicamente considerámos em larga maioria peregrina. O carácter rural e periférico da região de Bragança na época romana, ainda que propício a permanências, não inviabilizou a chegada de influências externas. Do ponto de vista artístico, as estelas funerárias assumem-se como o tipo de monumento mais exuberante e nelas se imiscuem influências iconográficas indígenas com outras de sabor alóctone, introduzidas pela via da presença romana; se na esfera simbólica parecem veicular uma concepção escatológica baseada na imortalidade da alma e num destino astral dos mortos, são iconograficamente o espelho privilegiado de uma aculturação que está também patente noutros aspectos que igualmente se desprendem da análise epigráfica na sua globalidade, como, por exemplo, o onomástico. O objectivo básico do trabalho passa pelo conhecimento tão rigoroso quanto possível das fontes epigráficas regionais, mas de forma alguma se esgotam as possibilidades de análise deste manancial.
This monograph is a comprehensive study of Roman epigraphic material found in the region of Bragança, which, in present administrative terms, encompasses the municipalities of Bragança, Macedo de Cavaleiros and Vinhais. The first epigraphic references to the territory of Bragança date to the 17th century. However, it is only toward the end of the 1800’s that concentrated efforts were made to study the regional inscriptions and to accord them scientific and patrimonial value. All the epigraphic documents referring to the region, including some which are unpublished, as well as corrected readings are presented here in an accurate and updated catalogue. The catalogue contains 138 inscriptions (including fragments) and one forgery, which are treated according to different criteria – from the material and methods used in their execution to the iconographic and written contents. Funerary inscriptions predominate, especially those associated with the stelae. Also documented are votive texts on altars consecrated to indigenous or classical divinities, honorific texts registered on pedestals in praise of the emperors, and milestone-inscriptions on the route XVII of the Antonine Itinerary which ran through this territory linking Bracara Augusta and Asturica Augusta – two of the three conventual capitals of the Northwest of the Peninsula. Within the context of the Roman administrative plan, the territory considered in this study came under the jurisdiction of Asturica Augusta. The different categories of monuments are characterized independently and, in the case of the stelae, a typology based on the structure of their ornamentation is attempted. Based on epigraphic criteria, one can defend the existence in the basin of the Bragança area of an epigraphic officina directly related to one of the established typological groups. The epigraphic texts are also subject to analysis, the most striking feature of which is the simplicity of their structure: the votives, addressed to Aernus, Bandua, Laesus or Jupiter are completed with a reference to the offerer and a final formula, at times very unusual. The funerary inscriptions rarely go beyond the identification of the deceased and his age in which the habitual formulae are not regularly used. Technical aspects of epigraphic production, such as pagination or letter types, are also considered. Although difficulties were encountered with respect to the dating of the inscriptions, one can say with some certainty that local epigraphic production developed from the middle of the 1st century AD to the 4th century, even though the oldest epigraphic document endowed with an official character is dated to year 2 BC. The analysis of personal names and of onomastic formulae show a clear predominance of a free, indigenous population, which, juridically speaking, we consider largely peregrine. The rural and peripheral character of the region of Bragança in Roman times, although favourable to permanency, did not render the arrival of external influences impossible. From an artistic point of view the funerary stelae are considered to be the most exuberant type of monument in which indigenous iconographic influences are mixed with others of a foreign flavour introduced through the Roman presence. If in the sphere of symbolism they appear to transmit an eschatology based on the immortality of the soul and on the astral destiny of the dead, they are iconographically the reflection of an acculturation that is also disengaged from epigraphic analysis in its globality as, for example, the onomastic. The basic objective of this work is to present the regional epigraphic sources as accurately as possible, but in no respect does it exhaust the possibilities for future analysis of this abundant source.
Description: A monografia publicada corresponde integralmente à dissertação de mestrado em Arqueologia apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra orientada pelo Doutor José d' Encarnação
URI: http://hdl.handle.net/10316/9784
ISBN: 972-8662-06-8
Appears in Collections:FLUC Secção de Arqueologia - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Epigrafia romana na região de Bragança.pdf2.71 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.