DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorFerreira, António Gomes Alvesen_US
dc.date.accessioned2008-12-04T14:47:56Z-
dc.date.available2008-12-04T14:47:56Z-
dc.date.issued1996en_US
dc.identifier.citationFERREIRA, António Gomes Alves - A Criança no Portugal de Setecentos: Contributo para o estudo da evolução dos cuidados e das atitudes para com a infância. Coimbra, 1996.-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/961-
dc.description.abstractO estudo apresentado pretende descrever o estado dos cuidados e das atitudes para com a infância a partir de fontes diversificadas produzidas por autores portugueses entre os finais do século XVII e princípios do século XIX, destacando em especial mudanças, resistências, modas, superstições e tendências dominantes. Significativa é a abordagem das obras ligadas à práctica médica onde é possivel distinguir posturas bem diferenciadas: uns, permanecendo apegados à medicina dos antigos, ora tomavam atitudes arrojadas, ora se limitavam a reduzir as dosagens ou a evitar remédios mais fortes; outros, principalmente a partir dos finais do século XVIII, mais atentos às novas tendências da medicina europeia, procuravam impor novos hábitos higiénico-sanitários e terapêuticas mais adequadas à especificidade da infância. No entanto, no que diz respeito aos cuidados prestados aos recém-nascidos, não se registam praticamente diferenças signficativas entre o princípio e o fim do século: eles continuaram a ser totalmente enrolados em faixas e a ser alimentados por amas ou a partilhar com outros os peitos das próprias mães. Relativamente aos aspectos educativos, destaca-se duas perspectivas. Uma, mais tradicionalista, acentuava a necessidade de se impor o respeito e a obediência quase sempre por métodos severos. Outra, mais ligada ao iluminismo europeu, embora continuasse a conferir à educação a função disciplinadora, pretendia que se respeitasse a evolução natural da criança e se evitassem atitudes demasiado constrangedoras e punitivas. Da investigação resulta fundamentalmente claro que as crianças foram sobretudo vítimas das poucas condições que o século oferecia. Mais do que o desconhecer das necessidades e o ignorar das particularidades que influenciavam o desenvolvimento das crianças, era sobretudo a impotência médica, o estado sanitário das povoações, a miséria, a ignorânca supersticiosa das pessoas e a dificuldade de aceitar a desonra que empurravam as crianças para situações dramáticas.en_US
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesseng
dc.subjectHistória da Educaçãoen_US
dc.subjectCiências da Educaçãoen_US
dc.titleA Criança no Portugal de Setecentos: Contributo para o estudo da evolução dos cuidados e das atitudes para com a infância.en_US
dc.typedoctoralThesisen_US
item.grantfulltextopen-
item.fulltextCom Texto completo-
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Doutoramento
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.