Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/90219
Title: A economia portuguesa dos anos sessenta: uma pesada continuidade
Authors: Reis, José 
Issue Date: 2019
Publisher: Instituto de História Contemporânea
Project: PTDC/IVC-HFC/3826/2014 — POCI-01-0145-FEDER-016871 
Serial title, monograph or event: Uma década, duas formas de autoritarismo: os anos de 1960 em Portugal
Place of publication or event: Lisboa
Abstract: Este texto, que se coloca no campo amplo da economia do desenvolvimento, debruça-se sobre o processo industrialista “moderno”, assente nas indústrias pesadas de base, que marcou e definiu a economia portuguesa dos anos sessenta. Sabendo-se que este é um período de grandes transformações, tanto a nível interno como externo, insiste-se, contudo, no facto de esta ter sido uma pesada continuidade, mais do que um fator de desenvolvimento da economia e da sociedade. Para além da questão essencial da ausência de democracia política, económica e social, o que está em causa é o facto de tal processo, tendo tido enormes consequências em matéria de crescimento do PIB e tendo-se baseado na acumulação de capital, não ter criado emprego e, por isso mesmo, ter tornado o país num “exportador” de força de trabalho, através de uma emigração massiva, em vez de numa economia industrial moderna. Usando como método decantar os contraste que se revelariam com a revolução democrática do 25 de Abril, mostra-se que foi só com esta que se realizaram as transformações que a industrialização desencadeou nas sociedades capitalistas do século XX: adensamento das relações intersetoriais, aumento do emprego, inclusão pelo trabalho através do salário direto e do indireto, infraestruturação material e social, acesso a serviços coletivos. Evidentemente que foram muitos os dilemas e várias as contradições com que o regime se confrontou ao longo de uma década em que desencadeou uma guerra colonial e em que a capacidade de financiamento do Estado teve que ser canalizada para este fim bélico. Tornava-se necessária uma abertura exportadora e Portugal foi fundador da EFTA. Já no fim, iniciaram-se as negociações para o Acordo com o Marcado Comum. Mas os “golpes de asa” não foram suficientes para reorganizar as estruturas do país e para garantir que, pelo menos, uma nova política industrial podia reverter qualitativamente o quadro prevalecente. Muito menos, claro está, para estabelecer as várias formas de democracia. Aquele tipo de indústria cresceu de costas voltadas para o resto da economia e para a sociedade e Portugal acabou a década com a sua condição de periferia europeia redefinida e, por isso, ainda mais consolidada.
URI: http://hdl.handle.net/10316/90219
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Livros e Capítulos de Livros

Files in This Item:
File Description SizeFormat
A economia portuguesa dos anos sessenta_uma pesada continuidade.pdf426.59 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

19
checked on Sep 24, 2020

Download(s)

17
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.