Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/81397
Title: Os casos de Hiperostose Idiopática Difusa na Coleção de Esqueletos Identificados do séc. XXI:Um contributo para a Identificação Individual
Other Titles: The cases of Diffuse idiopathic skeletal hyperostosis in the 21st Century Identified Skeletal Collection: A Contribution for the Individual Identification
Authors: Veiga, Ana Paula Ramalho
Orientador: Marques, Carina
Gonçalves, Francisco Manuel Andrade Corte Real
Keywords: HID; Antropologia Forense; Identificação; Fator de identidade; DISH; Forensic Anthropology; Identification; Identification factor
Issue Date: 29-Sep-2017
Serial title, monograph or event: Os casos de Hiperostose Idiopática Difusa na Coleção de Esqueletos Identificados do séc. XXI:Um contributo para a Identificação Individual
Place of publication or event: Laboratório de Antropologia Forense da Universidade de Coimbra
Abstract: Objetivos: A Hiperostose Idiopática Difusa (HID) é uma doença reumática crónica, não inflamatória, caracterizada por afetar as enteses raquidianas, particularmente o ligamento vertebral comum anterior na região ântero-lateral direita do segmento torácico, e extra-raquidianas. Os dois objetivos primordiais desta dissertação foram estudar a prevalência e perfil epidemiológico desta doença na Coleção de Esqueletos Identificados do séc. XXI (CEI/XXI) da Universidade de Coimbra e explorar a possível utilidade desta doença para a Antropologia Forense, nomeadamente como auxiliar no estabelecimento do perfil biológico (sexo e idade à morte) e o seu potencial como fator de individualização.Metodologia: Os esqueletos da CEI/XXI foram selecionados com base nos seguintes parâmetros: idade igual ou superior a 20 anos de idade à morte, sexo e idade conhecidos, 58,3% da coluna vertebral observável. A conjugação destes parâmetros resultou num total de 227 esqueletos observáveis. O diagnóstico de HID foi realizado segundo os critérios de Rogers e Waldron (2001). Para a realização de radiografias foram selecionados os esqueletos que apresentavam seis ou mais vértebras com anquilose no ligamento vertebral comum anterior (n=20).Resultados: A prevalência de HID na CEI/XXI foi de 18,1% (41/227), ao sexo masculino pertenciam 25 (23,1%) indivíduos e ao sexo feminino 16 (13,4%). A média de idade à morte dos indivíduos com HID (n=41) foi de 78,0 anos (d.p=10,9, mediana=80,0, intervalo=31-92 anos). No sexo masculino apurou-se uma média de idade de 70,4 anos (d.p.=8,0, mediana = 82,0, intervalo=61-92 anos) e no sexo feminino de 80,5 anos (d.p.=10,9, mediana=80,0, intervalo=31-92 anos). As diferenças entre a idade à morte dos indivíduos com e sem HID não se revelaram estatisticamente significativas. No entanto, foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os sexos e os indivíduos com e sem HID. A média do número de vértebras com anquilose do ligamento vertebral comum anterior no osso seco e na análise radiográfica foi muito semelhante.Discussão e conclusão: A variável idade à morte, apesar de não apresentar diferenças significativas entre os indivíduos com e sem HID segue o padrão esperado e notado noutros estudos de contexto clínico e paleopatológico. Também a variável sexo segue o padrão da maioria dos estudos de contexto clínico e paleopatológico. Ou seja, existem mais indivíduos com HID do sexo masculino e a prevalência da doença aumenta com o aumento da idade à morte. Contudo, não nos permite tirar conclusões claras sobre a associação da HID com a determinação do sexo e estimativa da idade à morte. Apenas permite dizer que, perante um indivíduo com HID, a probabilidade deste ser do sexo masculino é superior à de ser do sexo feminino e que é provável que tenha mais de 40 anos de idade à morte. No que à análise radiográfica diz respeito, verificou-se que a média de vértebras com anquilose no osso seco é praticamente igual à média verificada na análise radiográfica post mortem, permitindo assim sugerir que esta possa ser uma ferramenta útil em Antropologia Forense como fator de individualização. Para se conseguir conclusões mais assertivas quanto ao papel da HID na identificação individual seria importante a presença de Raio-X ante mortem dos indivíduos, conseguindo-se assim fazer verdadeiras comparações entre dados ante e post mortem.
Aims: Diffuse idiopathic skeletal hyperostosis (DISH) is a chronic, non-inflammatory rheumatic disease characterized by enthesial alterations, observed particularly in the anterior longitudinal ligament in the right anterolateral thoracic region and entheses of the appendicular skeleton. The two main aims of the present dissertation are to study the prevalence of this disease in the University of Coimbra’s 21st Century Identified Skeleton Collection (ISC/XXI) and to explore the possible usefulness of this condition in Forensic Anthropology, namely in aiding the establishment of the biological profile (sex and age at death) and its potential as an individualization factor.Methodology: The ISC/XXI skeletons were selected according to the following criteria: over 20 years of age at death, known sex and age at death, 58.3% of the vertebral column observable (n=227). The diagnosis of DISH was performed according to Rogers and Waldron (2001) criteria. The selection of individuals for radiographic exam was based on the presence of six or more vertebrae with ankyloses through the anterior longitudinal ligament (n = 20).Results: The prevalence of DISH in the ISC/XXI was 18.1% (41/227), 25 (23.1%/108) were male and 16 (13.4%/119) female. The mean age at death of individuals with DISH (n=41) was 78.0 years of age (sd.=10.9, median=80.0, age range=31-92 years of age). In males, the mean age was 70.4 years old (sd=8.0, median=82.0, age range=61-92 years of age) and in females was 80.5 years old (sd=10.9, median=80.0, age range=31-92 years of age). Differences between sex and the age at death of individuals with and without DISH were not statistically significant. The mean number of vertebrae with ankylosis of the anterior longitudinal ligament in the dry bone and radiographic analysis was very similar.Discussion and conclusions: The variable age at death, although not significant, follows the expected pattern shown on other clinical and paleopathological studies. The variable sex also follows the pattern of most studies. Meaning that there are more male individuals with DISH and the prevalence of the disease grows with increasing age at death. However, based on this, one cannot draw clear conclusions about the association of DISH with determination of sex and age at death. It only allows us to say that an individual with DISH is more likely to be male than female and is likely to be over 40 years of age. Regarding the radiographic analysis, it was confirmed that the average of vertebrae with ankylosis in the dry bone is very similar to the average verified in the radiographic analysis. DISH can be an important element to Forensic Anthropology as an individualization factor. In order to establish further conclusions about the role of DISH in individual identification, future studies comparing ante mortem and post mortem X-rays are needed.
Description: Dissertação de Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses apresentada à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/81397
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Ana Paula Ramalho Veiga - HID.pdf3.36 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

468
checked on Nov 25, 2021

Download(s) 50

716
checked on Nov 25, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons