Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/802
Title: Funções da via temporoamónica no hipocampo do rato : fisiologia e comportamento.
Other Titles: Functions of the temporoammonic pathway in the hippocampus of the rat : physiology and behavior
Authors: Remondes, Armando Miguel Caseiro Pires 
Orientador: Schuman, Erin M.
Keywords: Ciências Biomédicas
Issue Date: 17-Jul-2004
Abstract: O hipocampo e estruturas circundantes no córtex temporal medial são necessários para a formação, consolidação e evocação de memórias episódicas (Eichenbaum 2000; Morris et al. 1982; Zola-Morgan and Squire 1986; Zola-Morgan et al. 1986). A informação penetra no hipocampo através de duas vias principais, vindas do córtex entorrinal. O influxo cortical mais bem caracterizado no hipocampo tem por base a via trissináptica: axónios da camada II do córtex entorrinal (EC) entram nesta formação como parte da via perfurante (PP) e a informação por eles transmitida é processada sequencialmente nas áreas "CA" do hipocampo (CA3-CA1), para retornar ao córtex sob a forma de trens de potenciais de acção das células piramidais da área CA1 (Amaral and Witter 1989; Witter et al. 1989). Menos conhecida, a via temporoamónica (TA) compreende os axónios provenientes da camada III do córtex entorrinal, que estabelecem directamente sinapses nas dendrites apicais da área CA1 - stratum lacunosum moleculare (Cajal 1968; Steward and Scoville 1976; Witter et al. 1989). O modelo celular geralmente aceite para a formação de memórias é a plasticidade de longo termo – potenciação (LTP) e depressão (LTD). Estes fenómenos caracterizam-se por uma alteração persistente da transmissão sináptica, em resposta a variados protocolos de estimulação. Na presente tese demonstramos que a via temporoamónica possui capacidades plásticas intrínsecas, exibindo potenciação de curto prazo (1hora) e longo prazo (até 8 horas), in vitro (fatias de hipocampo de rato). A potenciação exibida (potenciação de longo termo - LTP) depende da actividade dos receptores NMDA (tal como noutros sistemas neuronais) e da actividade dos canais de cálcio de tipo L. Além disso, é insensível ao bloqueio dos receptores GABAA e, curiosamente, depende da actividade dos receptores GABAB. Demonstra-se também que esta via de processamento exerce uma notável modulação sobre a plasticidade exibida pela via trissináptica, bem como no fluxo de informação do hipocampo para o córtex (através das células piramidais de CA1). Curtas sequências (10 pulsos) de estímulos a alta-frequência (100Hz) podem, dependendo da sua relação temporal com determinadas respostas nas células de CA1 (evocadas na via trissináptica), aumentar ou diminuir a probabilidade destas células exibirem potenciais de acção. A médio-longo prazo, as mesmas sequências ao serem induzidas de forma a precederem trens de actividade nas colaterais de Schaffer, conseguem reduzir os níveis de LTP gerados em resposta a sequências curtas de alta-frequência neste segmento da via trissináptica. A via temporoamónica exibe plasticidade bidireccional (LTP e LTD, mediante estimulação adequada). Esta plasticidade pode, por seu turno, aumentar ou diminuir a intensidade dos fenómenos modulatórios descritos. Demonstramos pois que, além de possuir capacidades fisiológicas de armazenamento de informação, esta via de processamento pode modular a actividade e plasticidade do circuito de informação no hipocampo, ao interferir com os fenómenos relativos à via trissináptica. São relativamente raros os trabalhos que demonstram uma dependência de determinadas funções da formação do hipocampo, em relação a vias específicas de processamento de informação nesta parte do cérebro. No nosso trabalho, pretendemos investigar qual o papel da via temporoamónica nas funções de memória e aprendizagem. Desenvolvemos para o efeito um protocolo de coordenadas estereotáxicas, a fim de lesionar a via temporoamónica em ratos anestesiados. Uma vez lesionados, testamos os mesmos animais num protocolo bem conhecido de aprendizagem e memória espacial em roedores – "Morris Water Maze". Os nossos resultados demonstram que a integridade da via temporoamónica não é indispensável para a aquisição de memórias, mas é crucial para a sua consolidação. No contexto de dados recentes (Brun et al. 2002; Moser and Moser 2003; Nakazawa et al. 2003), estes resultados sugerem uma participação activa da via temporoamónica na consolidação de memórias. Temos como hipótese que esta via é uma fonte permanente de informação neocortical para o hipocampo. Esta informação seria a contribuição cortical para a comunicação hipocampo-córtex, na qual se pensa estar baseada a progressiva consolidação de memórias.
Description: Tese de doutoramento em Ciências Biomédicas apresentada à Fac. de Medicina da Univ. de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/802
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 50

412
checked on Sep 15, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.