Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/698
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorVargues, Isabel Maria Guerreiro Nobre-
dc.date.accessioned2008-12-05T15:02:35Z-
dc.date.available2008-12-05T15:02:35Z-
dc.date.issued1994-02-17en_US
dc.identifier.citationVARGUES, Isabel Nobre - A aprendizagem da cidadania: contributo para a definição da cultura política vintista. Coimbra, 1993.-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/698-
dc.descriptionTese de doutoramento em Letras (História Moderna e Contemporânea) apresentada à Fac. de Letras da Univ. de Coimbra-
dc.description.abstractEm 1820 teve início em Portugal uma revolução legal e administrativa que foi ditada pela implantação do liberalismo, através sobretudo das suas novas práticas políticas parlamentares e constitucionais e, fundamentalmente, pelo exercício efectivo da cidadania. O objectivo do presente trabalho foi o de contribuir para o estudo do complexo movimento da implantação do liberalismo e do constitucionalismo em Portugal através de um novo ângulo: A definição da cultura política vintista. Inegavelmente foi essa cultura política que definiu melhor a nossa identidade nacional ao permitir a emergência de uma nova consciência de cidadania. Iniciamos assim uma reflexão sobre o impacto das Luzes e da Revolução em Portugal e o seu acasalamento com uma linha de acção reformista o que deu origem a um movimento que, sendo simultaneamente revolucionário e regenerador, permitiu a emergência de uma nova cultura política — a liberal. Em seguida, analisamos a cultura política vintista através dos seus conceitos e práticas, textos e discursos e imagens e símbolos. Por fim, anexámos vários quadros porque os consideramos um importante material de suporte a esta investigação. Com o nosso estudo procuramos mostrar como o liberalismo vintista foi uma ruptura com o passado. Invocaram-se desde então, princípios políticos novos, originalmente transmitidos em fórmulas características de uma cultura política, pela primeira vez em Portugal, assente na liberdade. E a partir de 1820, a nova dimensão da liberdade iniciou-se justamente pela aprendizagem do ser cidadão.en_US
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesseng
dc.subjectHistória Moderna e Contemporâneaen_US
dc.titleA aprendizagem da cidadania: contributo para a definição da cultura política vintistaen_US
dc.typedoctoralThesisen_US
uc.controloAutoridadeSim-
item.languageiso639-1pt-
item.fulltextSem Texto completo-
item.grantfulltextnone-
crisitem.author.deptFaculdade de Letras, Universidade de Coimbra-
crisitem.author.researchunitCentre for 20th Century Interdisciplinary Studies-
crisitem.author.orcid0000-0002-8477-3275-
Appears in Collections:FLUC Secção de História - Teses de Doutoramento
Show simple item record

Page view(s) 50

383
checked on Oct 20, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.