Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/28416
Title: (I)mobilidades em Espaço Urbano: Representações e Práticas em torno da Deslocação Pedonal e Velocipédica em Portugal
Authors: Mantas, Ana Isabel Jorge Soares 
Orientador: Fortuna, Carlos José Cândido Guerreiro
Keywords: automobility; non-motorized transportation; daily mobility; social representations about walking; social representations about urban cycling; walking practices; urban cycling practices; automobilidade; mobilidades suaves; mobilidade quotidiana; representações sociais acerca da deslocação pedonal; representações sociais acerca da deslocação velocipédica não recreativa; práticas de deslocação pedonal; práticas de deslocação velocipédica em espaço urbano
Issue Date: 3-Jul-2015
Citation: MANTAS, Ana Isabel Jorge Soares - (I)mobilidades em espaço urbano : representações e práticas em torno da deslocação pedonal e velocipédica em Portugal. Coimbra : [s.n.], 2015. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/28416
Abstract: A mobilidade quotidiana dos indivíduos, associada às novas configurações e padrões de vida urbana, assume- se como central na cidade fragmentada e especializada, estando ligada ao automóvel como facilitador da vida social. Pode-se mesmo falar de um espaço-tempo associado à automobilidade que subjuga todas as outras formas de deslocação, assim como o espaço da cidade que se transforma, respondendo às necessidades do automóvel. Nos últimos 50 anos a fragmentação e a expansão urbana, associadas a estilos de vida dependentes do automóvel impuseram as suas regras e práticas. Em Portugal, 61,6% dos indivíduos utilizam o automóvel para ir para o trabalho ou para a escola; 11,8% o autocarro; 16,4% caminha e apenas 0,5% utilizam a bicicleta, segundo os resultados dos Censos 2011. Em 2012 ,a taxa de motorização era428,8. Embora estenúmero seja inferior à média registado na União Europeia (483 em 2011), Portugal, nas últimas duas décadas sofreu um grande acréscimo das taxas de motorização. A presença do automóvel na sociedade portuguesa é inquestionável. No entanto, está-se a assistir a alguns indícios de mudança. Por exemplo, em 2009, a Assembleia da República, através da Resolução nº 3, de 5 de Fevereiro, referiu-se à mobilidade suave como forma desejável de deslocação em Portugal, reconhecendo a deslocação pedonal e velocipédica como meios de transporte. Esta discussão tem tido eco na gestão autárquica das cidades, de tal modo que é possível encontrar cada vez mais projetos dirigidos à promoção de formas de mobilidade não motorizada, tais como a construção de ciclovias ou a implantação de serviços de bicicletas de uso partilhado. Estas medidas, ainda bastante incipientes e, em muitos casos , associadas ao que se pode designar como marketing das cidades, não são acompanhadas por uma m udança de comportamentos generalizada. A análise das práticas quotidianas de mobilidade tem de incluir , no entanto, outros fatores além dos meios de transporte. A mobilidade é uma prática social que ocorre nos espaços - tempos da cidade que é atravessada por diferentes ritmos e relações de poder que afetam a vida dos atores sociais móveis. Neste estudo exploro o lugar do peão e do ciclista na vida da cidade que nas últimas décadas privilegiou o automóvel em detrimento dos outros modos de deslocação , dando es pecial relevo à análise dos obstáculos . Para isso , analiso as representações e práticas acerca da des locação pedonal e velocipédica , tal como são percebidas pelos indivíduos, colocando os atores sociais móveis no centro do estudo. De modo a atingir os res ultados pretendidos, foram privilegiadas metodologias de cariz qualitativo , tendo sido realizadas entrevistas semi - estruturadas.
Daily mobility of individuals, linked to the new configuration and patterns of urban life, is assumed to be central in the fragmented and specialized city, being linked to the car as a facilitator of social life. We can speak of a space-time associated to automobility that subjugates all other forms of travel and the very physical space of the city which transforms itself, responding to the necessities of automobiles. In the past fifty years, urban sprawl and fragmentation linked to car-dependent lifestyles has imposed its rules and practices. In Portugal, 61,6% of individuals travel by car every day to go to the work or to school; 11,8% by Bus; 16,4 walk and only 0,5% ride bicycles, according to the results of Censes 2011. In 2012, the motorization rate was 428, 8. Although this number is lower than the EU average (483 in 2011), Portugal, has experienced tremendous growth over the last two decades. The increased presence of automobiles in the Portuguese landscape is unquestionable. However, in the transition from the twentieth century, Portugal witnessed some indications of change. For example, in 2009 the National Assembly through Resolution No. 3, February 5th , referred to non-motorized mobility as a desirable form of travel in Portugal, recognizing walking and biking as modes of transportation. This discussion has been echoed in the municipal management of cities, where there are increasingly projects aimed at promoting non-motorized transportation such as bike lanes or bike sharing. These measures are still very incipient and in many cases are associated with the marketing of cities, without being accompanied by a change in behaviour. However, understanding the daily urban mobility is more than perceive how we move. The mobility it is a social practice that occurs in the space-time of the city that is crossed by different rhythms and power relations that affect the lives of mobile social actors. In this study I propose to explore the place of pedestrians and cyclists in city life that in last decades has privileged the automobile in detriment of other forms of mobility, with a focus in the obstacles. Thus, I reflect on the practices and representations about non-motorized transportation putting the social actor in the centre of the study. Reflection on mobility implies necessarily detaining ourselves on subjective daily experience of mobile social actor as active protagonists of movement. To this end, I employed a qualitative approach using semi-structured interviews
Description: Tese de doutoramento em Sociologia, na especialidade de Cidades e Culturas Urbanas, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/28416
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento
I&D CES - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Deslocação Pedonal e Velocipédica em Portuga.pdf5.48 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

491
checked on Nov 18, 2020

Download(s) 20

958
checked on Nov 18, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.