Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/28109
Title: Bases de Schiff Aromáticas como Sensores Óticos em Solução e em Sólidos Mesoporosos
Authors: Soares, André Filipe Beirão 
Orientador: Burrows, Hugh
Silva, Mónica
Keywords: Química; Ambiente; Base de shiff; Sensores ópticos
Issue Date: Sep-2014
Citation: Soares, André Filipe Beirão/Bases de Schiff Aromáticas como Sensores Óticos em Solução e em Sólidos Mesoporosos
Abstract: O presente estudo foi estruturado em duas partes. Na parte I, o objetivo consiste em avaliar as propriedades fotofísicas das bases de Schiff e testar potencias aplicações como sensores óticos para diferentes catiões metálicos (Zn(II), Cd(II), Hg(II), Mn(II), Pb(II)) quando em solução com uma base de Schiff. Verifica-se que o sistema torna-se mais estável relativamente à hidrólise, utilizando 95% de isopropanol para a formação dos complexos de metais luminescentes. Da primeira parte podem ser tiradas conclusões quanto à ocorrência de vários efeitos, tais como, os efeitos do metal e dos ligandos no sistema fotoluminescente e também a seletividade do sistema em relação aos vários metais estudados, sendo que à maior seletividade para o catião Zn(II) em relação aos outros catiões como pode ser visto mais à frente neste estudo. Devido à presença de limitações no sistema, mais propriamente em termos de desestabilização através da ocorrência de hidrólise dos ligandos, vai ser discutido na parte II, deste estudo a minimização deste efeito através da incorporação do sistema numa matriz porosa. Nesta parte, é descrita a formação de complexos de zinco (II) e cádmio (II) imobilizados no zeólito NaY. Os dois complexos sintetizados, são formados pelas bases de Schiff tetradentadas N,N’–bis(salicilideno)-1,2-diaminoetano e N,N’–(5-bromo-salicilideno)-1,2-diaminoetano e pelos metais Zn(II) e Cd(II), pelo método de síntese in-situ que se enquadra na genericamente designada síntese ship-in-a-bottle e é utilizada quando o tamanho dos complexos ou ligandos é superior aos canais de acesso ao interior da matriz onde se vai encapsular o complexo de metal [31,32]. Neste método, recorre-se a reagentes precursores cujo tamanho e geometria permitem a sua difusão pelos canais de acesso às cavidades (no caso do zeólito). Os precursores encapsulados, reagem entre si dando origem ao complexo pretendido no interior da matriz. Também se utiliza o método do ligando flexível, pois o ligando precursor (salen) é suficientemente flexível para entrar pelos poros de 7.4 Å.
URI: http://hdl.handle.net/10316/28109
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCTUC Química - Teses de Mestrado

Show full item record

Page view(s) 50

319
checked on Sep 23, 2021

Download(s) 50

681
checked on Sep 23, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.