Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/27436
Title: Tabagismo na gravidez: implicações sobre a saúde da grávida/puerpera e do feto/lactente: estratégias para a cessação tabágica
Authors: Farinha, Helder Farias Antunes 
Keywords: Tabagismo; Gravidez; Cessação tabágica
Issue Date: 2009
Abstract: Introdução: O tabagismo na gravidez é um problema de saúde pública, com expressão epidemiológica significativa e impacto na saúde e qualidade de vida presentes e futuras quer da mãe quer do novo ser. Alguns dos seus efeitos deletérios são já conhecidos da comunidade científica e médica, quer ao nível da saúde da grávida/puérpera, quer ao nível do feto/recémnascido. Para a execução deste trabalho de revisão foram consultas diversas bases de dados científicas com destaque para PubMed, BioMedCentral, Cochrane Library e a National Guideline Clearinghouse. Objectivos: O presente trabalho tem por primeiro objectivo fazer uma revisão sistematizada da literatura científica, abordando o impacto do tabagismo em aspectos de saúde da grávida/puérpera e feto/lactente já comprovados cientificamente. A fisiopatologia dos danos conhecidos assim como os conhecimentos recentes e dados controversos também são abordados e tratados de forma coerente. Fazer uma revisão das estratégias terapêuticas mais adequadas para a cessação do consumo de tabaco durante a gravidez é o segundo objectivo do trabalho. Desenvolvimento: O tabagismo na gravidez encontra-se associado a abortamento, gravidez ectópica, morte fetal após as 28 semanas de gestação, rotura prematura de membranas, prematuridade, restrição de crescimento intra-uterino, descolamento prematuro da placenta normalmente inserida, placenta prévia, determinados tipos de malformações congénitas, mortalidade pós-natal e síndrome de privação neonatal da nicotina. O recém-nascido apresenta aumento do risco de diabetes mellitus tipo 2, obesidade, neoplasias, alteração da fertilidade masculina, doenças respiratórias, alteração da imunidade, doença de Legg-Calvé- Perthes e alterações comportamentais e do desenvolvimento. A cessação tabágica baseia-se sobretudo em terapêutica não farmacológica, reservando-se a terapêutica farmacológica para os casos que não responderam à terapêutica não farmacológica. Conclusão: O tabagismo na gravidez é um problema que, apesar de se apresentar em aparente remissão, continua a existir na sociedade. É competência médica avaliar correctamente o consumo de tabaco durante a gravidez e informar, orientar e aconselhar as grávidas a não fumar. O sucesso da cessação tabágica pode vir a traduzir-se num decréscimo do número de patologias a que, quer a grávida, quer o recém-nascido estão sujeitos.
Introduction: Smoking in pregnancy is a public health problem, with expression and significant epidemiological impact on present and future health and quality of life of both the mother and the baby. Some of their deleterious effects are already known to the scientific and medical community, both in the health of the pregnant/postpartum women and the fetus/newborn. For the implementation of this work, there were consulted several scientific databases with emphasis on PubMed, BioMedCentral, Cochrane Library and the National Guideline Clearinghouse. Objectives: This work has as its main purpose to make a systematic review of scientific literature, addressing the impact of smoking on health aspects of the pregnant / postpartum women and fetus / infant, already proven scientifically. The pathophysiology of known damages as well as the latest knowledge and controversial data are also addressed and treated consistently. To review the most appropriate therapeutic strategies for the cessation of smoking during pregnancy is the second objective of the work. Development: Cigarette smoking in pregnancy is associated with miscarriage, ectopic pregnancy, stillbirth after 28 weeks of gestation, premature rupture of membranes, prematurity, intrauterine growth restriction, abruptio placentae, placenta previa, certain types of birth defects, postnatal mortality and nicotine withdrawal symptoms in newborns. The baby has an increased risk of type 2 diabetes mellitus, obesity, cancer, changes in male fertility, respiratory diseases, abnormal immunity, Legg-Calve-Perthes disease and behavioral and development changes. Smoking cessation is mainly based on non-pharmacological therapy, reserving the pharmacological treatment for cases that did not respond to nonpharmacological therapy. Conclusion: Smoking in pregnancy is a problem that, despite being in apparent remission, continues to exist in society. Physicians need to have the expertise to accurately assess the tobacco use during pregnancy and inform, guide and advise pregnant women not to smoke. The success of smoking cessation is likely to lead to a decrease in the number of diseases, both in the pregnant women and the newborn.
Description: Trabalho final do 6º ano médico com vista à atribuição do grau de mestre no âmbito do ciclo de estudos de mestrado integrado em medicina, apres. à Faculdade de Medicina de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/27436
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
6º ano MIM - Trabalho Final - Capa.docCapa59 kBMicrosoft WordView/Open
Tabagismo na gravidez.pdfDocumento principal574.49 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

650
checked on Sep 21, 2020

Download(s) 10

1,230
checked on Sep 21, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.