Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/26812
Title: Disfunção endotelial em crianças com obesidade
Authors: Pires, António Manuel Guerra Santos 
Orientador: Seiça, Raquel
Sena, Cristina
Keywords: obesiade pediátrica; disfunção endotelial
Issue Date: 12-May-2015
Citation: PIRES, António Manuel Guerra Santos - Disfunção endotelial em crianças com obesidade. Coimbra : [s.n.], 2015. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/26812
Abstract: A obesidade caracteriza-se por um processo pró-inflamatório crónico que resulta na lesão do endotélio. O consequente desequilíbrio na produção de mediadores que normalmente regulam a homeostasia vascular, particularmente a biodisponibilidade do óxido nítrico, favorece um ambiente pró-aterosclerótico propício ao desenvolvimento da doença cardiovascular. Estudos anatomo-patológicos em crianças com excesso de peso, evidenciam lesões do endotélio que se traduzem nos precursores da lesão aterosclerótica. No entanto, as repercussões metabólicas e cardiovasculares raramente são sintomáticas em idade pediátrica, sendo detectadas apenas através de biomarcadores ou alterações morfológicas do coração e dos vasos. OBJETIVO Este projecto teve como objectivo avaliar clínica,analítica e imagiologicamente alterações precoces sugestivas de disfunção endotelial e a sua intercorrelação em crianças com obesidade, seguidas na Consulta de Risco Cardiovascular do Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital Pediátrico de Coimbra, possibilitando a caracterização da nossa população obesa pediátrica, contribuindo, assim, para a prevenção da doença cardiovascular associada à obesidade. MATERIAIS E MÉTODOS Realizámos um estudo observacional e transversal, realizado num coorte de crianças com obesidade, seguidas na Consulta de Risco Cardiovascular do Serviço de Cardiologia Pediátrica do HPC-CHUC,EPE. Foram incluídas neste estudo 121 crianças com obesidade, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 6 e 17 anos. Para efeitos comparativos, foi incluído um grupo controlo composto por 40 crianças com um índice de massa corporal normal. As variáveis analisadas foram: idade, género, índices de adiposidade (índice de massa corporal, circunferência abdominal e percentagem de massa gorda), parâmetros hematológicos e bioquímicos, função tiroideia, função renal, insulina, índice de insulino-resistência, adipocinas (leptina e adiponectina), marcadores inflamatórios (proteína C-reativa ultrassensível, proteína quimioatrativa dos monócitos-1), E-selectina, dimetilarginina assimétrica, número de células progenitoras circulantes, lípidos e lipoproteínas plasmáticas, diâmetros ecocardiográficos de ventrículo esquerdo, massa ventricular esquerda, espessura relativa da parede, índice de massa ventricular esquerda e espessura da camada íntima-média da artéria carótida comum. Os parâmetros e as suas relações estatísticas foram analisados através do programa estatístico SPSS® 20.0, com um nível de significância de p <0.05. RESULTADOS Para além dos parâmetros hematológicos, ionograma, transaminases, função renal e tiroideia, todos os outros parâmetros analisados apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre os grupos em estudo, superiores no grupo obeso, excetuando a lipoproteína de alta densidade, mais baixa neste estudo. Na generalidade, verificámos correlações significativas entre os índices de adiposidade, adipocinas e marcadores inflamatórios com os lípidos e lipoproteínas plasmáticas, índice de insulino-resistência, diâmetros ecocardiográficos de ventrículo esquerdo, massa ventricular esquerda, índice de massa ventricular esquerda, espessura da camada íntima-média da artéria carótida comum e com os marcadores de ativação endotelial, particularmente no grupo de rapazes. Evidenciámos que o número de células progenitoras endoteliais circulantes está aumentado na população obesa com evidência de ativação endotelial. Observámos correlações entre estes parâmetros e as comorbilidades da obesidade, nomeadamente, insulino-resistência, hipertensão arterial, dislipidémia e hipertrofia ventricular esquerda.
Obesity is characterized by a chronic, low grade, pro-inflammatory process that ultimately results in endothelial dysfunction. The ensuing imbalance in the synthesis of mediators that normally regulate vascular homeostasis, particularly nitric oxide (NO) bioavailability favor a proatherosclerotic status that contributes towards adult cardiovascular disease. Anatomopathological studies in children with excess weight have shown endothelial changes that represent the precursors of the atherosclerotic lesion. Although the impact of endothelial dysfunction rarely manifest clinically during infancy, evidence of endothelial activation is provided through biomarkers, as well as, related cardiac and vascular morphological changes.
Description: Tese de doutoramento em Ciências da Saúde, no ramo de Medicina, apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/26812
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Disfunção endotelial em crianças com obesidade.pdf4.7 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

345
checked on Dec 22, 2021

Download(s) 20

683
checked on Dec 22, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.