Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/25159
Title: Marcadores de neoplasia e de infeção por vírus JC em cólon humano
Authors: Pratas, Maria Inês Freitas
Orientador: Almeida, Luís Manuel da Costa Marques de
Salvador, Jorge António Ribeiro
Keywords: Neoplasias colorrectais; Poliomavirus JC humano
Issue Date: 2012
Abstract: Introdução - O cancro colo-retal (CCR) é o segundo tipo de cancro mais prevalente em Portugal, em ambos os sexos e o terceiro a nível mundial, apenas no sexo masculino. Julga-se que a infeção pelo poliomavírus humano JC (JCV) estimula o desenvolvimento tanto de CCR como de outros tipos de cancro. Esta infeção surge na infância, podendo persistir durante toda a vida do indivíduo. A medula óssea é um reservatório bastante importante do JCV e é o local mais provável da transformação neurotrópica deste (Tan et al., 2009). A expressão do genoma do JCV, em diversos ensaios com animais, resultou na indução de vários tumores. O antigénio-T (Ag-T) e a agnoproteína, proteínas virais, cooperam juntas para a oncogénese do JCV. A maioria dos adenocarcinomas do cólon expressa proteínas virais (Del Valle & Khalili, 2010). As mutações no genoma da p53 são das alterações genéticas mais comuns no desenvolvimento do CCR (Iacopetta, 2003). Objetivos - Estudar polimorfismos da p53 em CCR com JCV e tentar relacionar lesão e vírus. Material e métodos - Em amostras de tecido fresco de CCR e de mucosa adjacente e não adjacente a este (n=66) (grupo de estudo) e de mucosa normal (n=21) (grupo controlo), avaliou-se a presença de sequências de DNA do JCV, pela técnica de Nested-PCR e estudaram-se polimorfismos da p53, pelas técnicas de PCR, purificação e sequenciação. Resultados e discussão - A estimativa de um maior “risco” de sequências de DNA do JCV ocorre: em adenocarcinoma (RC=14.40; IC95%=3.286-63.11), em mucosa adjacente (RC=6.857; IC95%=1.265-6.481) e em mucosa não adjacente (RC=4.333; IC95%=1.155- 16.25) versus mucosa normal (grupo-controlo); tendencialmente, em adenocarcinoma e em mucosas, adjacente e não adjacente, mais do que em mucosa normal. Conclusões - Na mucosa colo-retal, a presença de JCV é a exceção em grupo-controlo e a regra em grupo com adenocarcinoma, parecendo haver tropismo do vírus JC por esta lesão. Ao confirmar-se a tendência para um maior número de mutações da p53 em adenocarcinoma e em mucosas, adjacente e não adjacente a esta lesão, as terapias génicas profiláticas, moduladoras e curativas podem ser muito importantes.
Introduction - The colorectal cancer (CRC) is the second most prevalent type of cancer in Portugal, in both sexes, and the third of the worldwide level, only in males. It is believed that infection with the human polyomavirus JC (JCV) stimulates the development of both CRC as well as other types of cancer. This infection appears in childhood and may persist throughout the life of the person. Bone marrow is a reservoir that is very important and the most likely location of the transformation of neurotropic JCV (Tan et al., 2009). Expression of the genome of JCV, in various tests with animals, resulted in the induction of various tumors. The T-antigen (Ag-T) and the agnoprotein, are viral proteins, that cooperate together to oncogenesis of JCV. The majority of colon adenocarcinomas expresses viral proteins (Khalili & Del Valle, 2010). Mutations in the genome of p53 are the most common genetic alterations in the development of CRC (Iacopetta, 2003). Objectives - Study the p53 polymorphisms in CRC with JCV and try to connect the lesion and the virus. Materials and Methods - In samples of fresh tissue of CRC and normal mucosa, adjacent and not adjacent to this lesion (n = 66) (study group) and normal mucosa (n = 21) (control group), evaluated the presence of JCV DNA sequences by nested PCR technique and were studied polymorphisms of p53 by PCR, purification and sequencing. Results and discussion - The estimative of the biggest “risk" of DNA sequences of JCV occurs: in adenocarcinomas (OR=14.40; CI95%=3.286-63.11), in adjacent mucosa (OR=6.857; CI95%=1.265-6.481) and in non-adjacent mucosa (OR=4.333; CI95%=1.155- 16.25) versus normal mucosa (control group); tendentiously, in adenocarcinoma and mucosa, adjacent and non-adjacent, more than in normal mucosa (control group). Conclusions - In the colorectal mucosa, the presence of JCV is the exception in the control-group and the rule in the group with adenocarcinoma, there seems tropism of JC virus by this lesion. By confirming the trend for an increased number of mutations in p53 adenocarcinoma and mucosa, adjacent and non-adjacent to this lesion, the prophylactic, modulators and curative gene therapies can be very important.
URI: http://hdl.handle.net/10316/25159
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado
FFUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Maria Inês Pratas.pdf2.64 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

422
checked on Nov 25, 2021

Download(s) 50

485
checked on Nov 25, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.