Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/21502
Title: Estilos de vida e prevenção primária na saúde oral em ambiente escolar
Authors: Lopes, Pedro André Ferreira Campos. 
Orientador: Quintal, Carlota Maria Miranda
Keywords: Estilos de vida; Prevenção primária; Modelo de Grossman; Saúde oral; Motivações
Issue Date: 12-Dec-2012
Publisher: FEUC
Citation: Lopes, Pedro André Ferreira Campos - Estilos de vida e prevenção primária na saúde oral em ambiente escolar. Coimbra, 2012.
Abstract: A relação entre estilos de vida e saúde está amplamente estudada. Em termos teóricos, esta relação tem sido explicada sobretudo com recurso ao modelo de Grossman. Deste modo, os indivíduos fazem as escolhas, nomeadamente sobre o que consomem e sobre o tempo que dedicam à promoção da saúde, que do seu ponto de vista, melhor representam os seus interesses. A prevenção primária afigura-se cada vez mais como uma via privilegiada para obter ganhos em saúde e para garantir a própria sustentabilidade financeira dos serviços de saúde. A prevenção primária deve por isso ser fomentada, contudo, não chega informar; é necessário perceber quais são as motivações dos indivíduos e com base nelas estimular estilos de vida saudáveis. No caso particular da saúde oral, a prevenção é reconhecidamente eficaz sendo fundamental intervir na infância e adolescência. Assim, o objetivo do presente estudo é conhecer os comportamentos, atitudes e motivações de crianças e adolescentes relativamente à saúde oral. Para atingir o objetivo proposto foi criado e administrado um questionário em três escolas do distrito de Viseu, tendo sido incluídas no estudo crianças dos três ciclos do ensino básico, abrangendo idades dos 8 aos 16 anos. No total foram inquiridas 224 crianças e adolescentes, de ambos os sexos e maioritariamente residentes em zona rural. Em termos de saúde oral autoavaliada, as respostas distribuem-se essencialmente pela categoria ‘boa’ (44.2%) e ‘razoável’ (40.6%). Praticamente todos já foram alguma vez ao dentista e nos últimos 12 meses o principal motivo para o fazerem foi a prevenção, mas 48.5% recorreu ao médico dentista para tratamentos ou devido a dor de dentes. Apenas 14.8% usou serviços públicos. Os alunos consideram-se informados sobre saúde oral, no entanto uma parcela significativa (46%) ignora o efeito da ingestão de alimentos sobre a saúde oral. A escovagem dos dentes é feita diariamente por três quartos dos inquiridos e aprenderam a fazê-lo sobretudo na escola e em casa (mas 43.8% respondeu que sabia como escovar os dentes apenas ‘razoavelmente’). Os resultados obtidos estão de acordo vi com os resultados prévios da literatura, já que as raparigas apresentam melhores hábitos de higiene oral do que os rapazes. Nas motivações para a saúde oral, no geralforam todas consideradas importantes sendo de destacar o hálito fresco (que obteve a percentagem mais alta de respostas na alternativa ‘muito importante’). Pelo contrário, serem obrigados a lavar os dentes foi considerado menos importante. O acesso a guloseimas continua muito facilitado em ambiente escolar. A maior parte escolheria um pão em vez de um bolo para o lanche. Dos que responderam diferentemente, mais de metade referiu que mudaria de opinião depois de terem sido informados sobre a diferença de preços. O Plano Nacional de Saúde 2011-2016 reconhece a necessidade de reativar a promoção da saúde oral feita nas escolas. Pelos resultados aqui relatados, essas intervenções devem continuar a informar, sobretudo no que diz respeito aos procedimentos para uma correta higiene oral e o efeito dos alimentos na saúde oral. Os pais devem ser chamados a participar dada a importância dos conhecimentos adquiridos em casa. O estudo das motivações para a saúde oral deve ser aprofundado e utilizado nas mensagens a passar às crianças e adolescentes para os quais parece ser mais importante ter hálito fresco do que ser capaz de mastigar bem. Por fim, devem ser ponderadas a introdução de barreiras ao acesso a alimentos prejudiciais à saúde em ambiente escolar. Estas podem estar relacionadas com o custo monetário ou custo de oportunidade (dificultando o acesso físico).
Description: Dissertação de mestrado em Gestão e Economia da Saúde, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Carlota Quintal.
URI: http://hdl.handle.net/10316/21502
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese Mestrado Pedro Lopes.pdf10.59 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

570
checked on Sep 21, 2020

Download(s) 20

863
checked on Sep 21, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.