Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/15509
Title: Egas Moniz : representação, saber e poder
Authors: Correia, Manuel da Encarnação Simões
Orientador: Pereira, AnaLeonor
Pita, João Rui
Keywords: Moniz, Egas, 1874-1955 -- vida e obra
Issue Date: 23-Mar-2011
Citation: CORREIA, Manuel da Encarnação Simões - Egas Moniz : representação, saber e poder. Coimbra : [s.n.], 2010
Abstract: A singularidade de um cientista de um país semi-periférico como Portugal, ter conseguido, em 1949, a maior distinção científica do Século XX – o Prémio Nobel – tem suscitado a questão de saber que diferenças no seu trajecto, no alcance dos resultados das suas investigações científicas, e nas condições em que viveu, explicam um tão elevado grau de reconhecimento de que foi objecto, em contraste com outros cientistas portugueses, ao longo do século passado. Sem embargo da profusa e interessante bibliografia disponível, designadamente resultante da investigação encetada pelo Grupo de História e Sociologia da Ciência do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra – CEIS20, no âmbito do qual desenvolvemos o presente trabalho, foram identificados, nesse acervo bibliográfico, três tipos de fragilidades relativamente aos quais importava aprofundar a investigação, de modo a produzir um conhecimento mais satisfatório. Em primeiro lugar, as circunstâncias em que Egas Moniz foi nomeado para o Prémio Nobel, referidas vaga e incompletamente na literatura disponível; em segundo lugar, o evitamento generalizado das polémicas que acompanharam as descobertas científicas de Egas Moniz, o seu papel estimulante para o entendimento dos problemas que elas se propunham resolver; em terceiro lugar, a mitificação da figura, por via de um enviesamento biográfico que omitia ou referia mitigadamente aspectos centrais das suas práticas sociais, culturais e políticas. A investigação levada a cabo nos arquivos da fundação Nobel revelou um conjunto de documentos inéditos que veio acrescentar informação indispensável para a compreensão do processo de avaliação e recompensa científica que dominou o século XX. Foi, de facto, o Prémio Nobel que promoveu e consolidou internacionalmente a figura de Egas Moniz. É um aspecto central para a história e sociologia da ciência, quer na óptica da representação de Egas Moniz, quer na perspectiva do estudo dos dispositivos de avaliação e recompensa científica do século XX. Por isso, as sucessivas nomeações de Egas Moniz para o prémio Nobel, as razões invocadas da parte dos seus pares para o nomearem, em contraposição às apreciações e comentários dos avaliadores do Comité Nobel, fornecem uma boa base para a compreensão das práticas e dos valores associados à cultura dos cientistas. À luz da nova documentação revelada fica patente um conjunto de limitações derivado de adaptações discutíveis do legado de Alfred Nobel e de normas de organização institucional que impedem o escrutínio tempestivo dos actos do comité Nobel. Como se pode depreender a partir da análise do dossier de Egas Moniz, a espécie de moratória de 50 anos que impede a divulgação dos fundamentos para aceitação ou recusa de cientistas nomeados, a margem de arbitrariedade, decisões injustificadas e métodos duvidosos, afectam as deliberações do Comité Nobel. Assim, ao longo do nosso trabalho, pretendemos Primeiro, desmontar parte do intricado processo de nobelização; Segundo, contestar a ideia difusa de que o alcance e o investimento de Egas Moniz na sua carreira política foram despiciendos e, Terceiro, propor a recomposição do perfil biográfico de Moniz, agregando-lhe os aspectos que lhe conferem maior densidade social, cultural e histórica, sublinhando os principais pontos de contacto entre o indivíduo e a sua época, que o mesmo é dizer, entre o ser individual e as instituições; Moniz nas suas figurações, nos termos caros a Norbert Elias, ou, ainda, de acordo com Wright Mills, nos pontos de intersecção entre estrutura social e biografia. Egas Moniz surge, pois, no texto que aqui submetemos, como um conjunto de representações – construídas, pensadas e dadas a ler – que registámos sob as denominações categoriais de fragmentação identitária (persistência de biografias lacunares) e de poder biográfico (condicionamento deliberado das versões biográficas). A nossa proposta consiste na valorização de uma série culturalmente relevante de elementos biográficos (ou biografemas) e da sua integração na narrativa acerca de Egas Moniz com vista ao que chamamos uma historiografia inclusiva.
From a semiperipheral country as Portugal, the scientist‘s singularity of attaining, in 1949, the greatest scientific award of the 20th century – the Nobel Prize – has raised the issue of what sort of differences can be found in his path, in the reach of the results of his scientific work and in his life conditions could explain a such a high degree of recognition, when contrasted to other Portuguese scientists all the century along. In spite of the large, weighty and interesting available bibliography, including the Group of History and Science of the Interdisciplinary Centre of Studies of the 20th Century - CEIS20 published research, and under the scope of which we developed the present work, we have noticed three kinds of weaknesses to be deeply addressable and aiming to a more satisfying knowledge. Firstly, the circumstances surrounding the nominations of Egas Moniz to the Nobel Prize have been referred to the literature in a loose and incomplete way; Secondly, the generalised avoidance of polemics associated to the scientific discoveries Egas Moniz undertook, as well as of its stimulating role in the grasping of the problems these discoveries should be able to overcome; And thirdly, the mythmaking of Egas Moniz through a biographical bias omitting or barely referring to some central features of his social, cultural and political practices. The research undertaken in the Nobel Archives displayed a set of inedited documents containing vital information shading light on the process of evaluation and scientific rewarding that dominated the 20th century. It has been, in fact, the Nobel Prize that international consolidator of Egas Moniz‘s the image. This is a central aspect to the history and sociology of science, under the optic of Egas Moniz‘s representation, or under the perspective of the studies about scientific evaluation and rewarding devices during the 20th century. That is why the series of Egas Moniz nominations for the Nobel Prize and the reasons their peers invoked to nominate him must be confronted with the comments and appreciations signed by the Nobel Committee evaluators provide a good basis for the understanding of values and practices associated to the scientists‘s culture. Under the uncovering of the new revealed documentation it is a set of limitations become apparent. All of which derive from unclear adaptations of the Nobel‘s will and of institutional and organizational norms do not allowing an in time verification of the Nobel Committee acts. As well as one can guess in analyzing Egas Moniz dossier, the delay of 50 years impeding the public revelation of the founding for acceptance or refusal of nominated scientists, the arbitrary margin, the unjustified decisions and doubtful methods, all in all, have affected the Committee Nobel deliberations. Thus, we are aimed along our present work to 1st unmount (decompose) the intricate process of nobelization; 2nd pledge against the loose idea about the feeble political reach and engagement of Egas Moniz career; 3rd propose a redoing (recomposition) of the biographical profile in adding to it some features entailing a greater social, cultural and historic deep, underlying the main contact points between the individual and his epoch or to put it in another way, between the individual and the institutions; Moniz on his figurations, in the terms of Norbert Elias, or in the words of Wright Mills, in the intersection points between social structure and biography. Egas Moniz appears in ours present text as a set of representations ‒ built, thought and given to be read ‒ which we registered under the categorical denominations of identity fragmentation (referring to the persistence of lacunar biographies) and biographical power (deliberated conditioning of biographical versions) .Our proposal is based on the valorization of a culturally relevant series of biographic topics (what we call biographemes) and on their integration in the narrative about Egas Moniz, aimed to what we call an inclusive historiography.
Description: Tese de doutoramento em História da Cultura, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
Peer review: No
URI: http://hdl.handle.net/10316/15509
Appears in Collections:FLUC Secção de História - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese doutoramento_Manuel Correia.pdf12.22 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.