Title: Determinantes morfológicos corporais e apendiculares da força dos membros inferiores avaliada em diferentes ergómetros : estudo realizado em futebolistas adultos jovens
Authors: Soares, Miguel Godinho 
Keywords: Jovens futebolistas;Futebol;Força muscular;Lesão desportiva;Membros inferiores
Issue Date: 2009
Abstract: Introdução: Uma das preocupações no treino desportivo com futebolistas prende-se com a prevalência e reincidência de lesões sendo os níveis de força e flexibilidade tidos como importantes preditores. Revisão da Literatura: O futebol requer actividade física caracterizada por uma variedade de actividades musculares. Os estudos no domínio da aptidão física considerando o efeito da idade, do crescimento, da maturação e ainda, o efeito do treino apontam para diferenças da força muscular entre jovens e atletas adultos. A flexibilidade é considerada um elemento essencial no normal funcionamento biomecânico no desporto. Metodologia: Na amostra deste estudo foram considerados 22 atletas do estudo longitudinal que, na altura das medições tinham 18,9 (±0,21) anos, finalizando a sua formação desportiva no escalão de juniores. Na avaliação destes futebolistas foram recolhidos dados antropométricos. A avaliação da composição corporal foi feita com um pletismógrafo Bod Pod. Para avaliar a sua flexibilidade foram realizados os testes sit-and-reach, active knee extension e Ely. Para determinar a potência muscular dos membros inferiores recorreu-se a provas de impulsão vertical avaliadas em ergojump portátil. Para avaliar a força muscular da coxa foi utilizado um dinamómetro isocinético Biodex System 3, na velocidade angular de 60ºs-1 nos modos concêntrico e excêntrico. Resultados: Os indicadores de flexibilidade dos membros inferiores parecem ser morfologicamente independentes. A potência muscular dos membros inferiores parece ser independente da estatura e da composição corporal mas dependente da massa. As provas isocinéticas parecem ser mais dependentes do tamanho corporal dado pelo comprimento e massa do que pelas medidas de composição, embora se estabeleça uma relação positiva e significativa entre a prova isocinética dos extensores do joelho no membro dominante e a percentagem de massa gorda. As provas de flexibilidade parecem ser independentes das provas de força realizadas com recurso a um dinamómetro isocinético, a uma velocidade angular de 60ºs-1. As medidas apendiculares de volume e comprimento e a massa corporal total são variáveis que influenciam a capacidade de produção de força muscular, com excepção do protocolo para os flexores do joelho em modo excêntrico. As provas de potência muscular são sobretudo preditas por indicadores de tamanho e volume apendiculares, sendo a força de variância superior no protocolo sem contra movimento relativamente ao protocolo que implica um salto após uma fase inicial excêntrica, isto é, com contra movimento. Discussão e Conclusões: Os resultados obtidos parecem confirmar que, em muitos aspectos, os guarda-redes devem ser considerados de forma diferente dos restantes futebolistas. As provas isocinéticas parecem ser mais dependentes do tamanho corporal dado pelo comprimento e massa do que pelas medidas de composição. Futuros estudos são necessários, com amostras de maior dimensão e que cubram o período desde o inicio da adolescência até á idade adulta, procurando avaliar os efeitos da idade e maturação no desenvolvimento da força muscular.
Introduction: One of the concerns in sports training with soccer players is the prevalence of injuries and reinjury rate, and the levels of strength and flexibility are considered important predictors. Review: Soccer demands physical activity with several muscle activities. The studies in the domain of physical performance considering the effects of age, growth, maturation and training are pointing to diferences of muscle strength between young and older athletes. Flexibility is considered one essential element in normal biomechanical funcion in sports. Methods: In the sample of this study were considered 22 athletes of the longitudinal study, the mean (SD) age of the subjects was 18,9 (±0,21) years old by the timing of the testing procedures and they were ending theirs sports formation in junior grade. In the assessment of these soccer players we collected anthropometric data. The body composition was assessed with Bod Pod plethismography by air displacement. To assess flexibility the subjects performed the sit-and-reach test, the active knee extension test and the Ely´s test. To determinate muscle power we used vertical jumping tests assessed in portable ergojump. To assess the thigh muscle strength we used a Biodex System 3 isokinetic dynamometer, at the angular velocity of 60ºs-1, in concentric and eccentric mode. Results: The lower limbs flexibility indicators seem to be morphologicaly independents. The lower limb muscle power seems to be independent of height and body composition but dependent of weight. The isokinetic proofs seem more related to body size given by length and mass then the body composition measures, although there is a significant and positive relation between the isokinetic tests of knee extensors in the dominant limb with the relative fat mass. The flexibility proofs seems to be independent of the strength measures made with the isokinetic dynamometer, at angular velocity of 60ºs-1. The volume and length limb measures and total body mass are variables that influence the ability of muscle strength production with exception of the protocol test of the knee flexors in eccentric mode. The proofs of muscle power are mostly predicted by measures of limb size and volume, and the variation force is superior in the protocol without countermovement relatively to the protocol that implies the jumps after a eccentric initial phase, this means, with countermovement. Discussion and Conclusions: The results seem to confirm that, in many aspects, goalkeepers should be considered differently of other soccer players. The isokinetic proofs seem more dependent of body size given by length and mass then the one given by composition measures. Further studies are needed, with greater samples and with a longitudinal design that covers the adolescence to adulthood, looking for age and maturation effects in muscle strength development.
Description: Dissertação de mestrado em Biocinética do Desenvolvimento (Ciências do Desporto), apresentada à Fac. de Ciências do Desporto e Educação Fisica da Univ. de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/12686
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MS-Sumário.pdf55.5 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.